Advertisement

Votos para mutilar Previdência custam 1/3 do Bolsa Família

Governo terá que pedir ao Congresso remanejamento do orçamento para atender a deputados.

Fatos e Comentários / 20:10 - 11 de Jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A compra de votos para aprovação da reforma da Previdência deve elevar a fatura das emendas dos congressistas para R$ 10 bilhões. Para conseguir chegar a esse valor, o governo terá que aprovar no Congresso um projeto de lei abrindo crédito suplementar para remanejar despesas. Foram prometidos R$ 20 milhões em verbas para irrigar as bases eleitorais de quem votasse a favor dos cortes nas aposentadorias. Líderes receberão em dobro.

O dinheiro a ser liberado pelo Planalto para sacramentar as perdas dos direitos dos aposentados e trabalhadores equivale a um terço do orçamento do Bolsa Família, ou ainda dos R$ 30 bilhões que foram cortados de investimentos e gastos da União este ano, até agora, por conta das perdas na arrecadação provocadas pela recessão.

 

Fim por inanição

Quem tinha dúvida sobre o caráter antissocial e de ampliação das desigualdades do projeto de reforma da Previdência não tem mais após ler o demolidor artigo do francês Thomas Piketty e mais três economistas. Eles mostram também como a proposta elimina o bem sucedido sistema de seguridade brasileira.

Se a solução proposta para a insuficiência de receitas no futuro for elevar de novo a idade mínima, a alíquota média e o tempo de contribuição, qual segurança jurídica terão os trabalhadores para serem incentivados a contribuir para a previdência pública mesmo que tenham empregos estáveis?”, questionam os autores.

Em suma, trabalhadores com emprego e renda precários não terão capacidade de alcançar o tempo de contribuição requerido para se aposentar, enquanto trabalhadores com emprego estável e maior renda não terão incentivos para contribuir para um sistema insustentável.”

 

Competitividade

A unidade de Manaus do CESAR foi credenciada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) a executar atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação em TIC, por meio da Lei de Informática (8.248/91) – que isenta empresas privadas fabricantes de equipamentos eletroeletrônicos de pagar Imposto sobre Produto Industrializado (IPI), com a contrapartida de investimentos em P&D.

Desta forma, a unidade do centro de inovação está agora habilitada a receber investimentos privados de companhias interessadas em participar de projetos de pesquisa na instituição de ensino. De acordo com Eduardo Peixoto, diretor digital (CDO) do CESAR, a medida deve trazer mais capacitação e competitividade ao setor de tecnologia do país.

 

É o bicho

Mais de 60% dos lares nos EUA têm um animal doméstico. São cerca de 70 milhões de cachorros, 50 milhões de gatos, mais de 10 milhões de peixes de aquário. Em 2018, o gasto com animais domésticos nesse país foi de US$ 75 bilhões, ante US$ 50 bilhões no início da década. Ou seja, uma variação de 50%.

Segundo a The North American Pet Health Insurance Association (Naphia), entidade que representa as seguradoras especializadas nesse segmento nos EUA, já há mais de 2 milhões de animais segurados. “Um nicho a ser ocupado no Brasil”, sugere o consultor Francisco Galiza.

 

Escuridão

A bancada evangélica arrancou do Governo Bolsonaro a elevação (de R$ 1,2 milhão para R$ 4,8 milhões) do piso de arrecadação para que uma igreja seja obrigada a informar suas movimentações financeiras diárias. Quer que as entidades sejam liberadas de determinadas demonstrações contábeis.

A desculpa é do excesso de burocracia das chamadas “obrigações acessórias”, cujas multas acabam sendo mais elevadas do que o valor eventualmente não recolhido. O nome disso, na verdade, é liberação do caixa 2.

 

Mundo dá voltas

A deputada estrelinha Tabata Amaral pode ser expulsa do PDT por votar a favor da reforma. Há 16 anos, o PT expulsou Heloísa Helena, Luciana Genro e Babá por votarem contra as mudanças na Previdência que o então partido no governo tramou. Os 3 acabaram fundando o PSOL.

 

Rápidas

A Helibras, subsidiária da Airbus Helicopters, nomeou Jean-Luc Alfonsi como seu novo presidente *** A Serasa Experian anuncia a chegada de Flavio Balestrin como vice-presidente de Recursos Humanos no Brasil e na América Latina *** Desenvolvido para acelerar startups a partir da conexão com grandes empresas, o Startups Connected, iniciativa da Câmara Brasil-Alemanha, está com inscrições abertas até 19 de julho em startupsconnected.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor