Visita da Polícia Federal derruba ações da Tegma

Empresa foi alvo de busca e apreensão dentro da Operação Pacto.

Acredite se Puder / 18:36 - 17 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Depois que a Tegma foi alvo de busca e apreensão pela Polícia Federal, suas ações chegaram a cair até 14,22%, mas as perdas foram reduzidas para 11,04% no fechamento que a R$ 31,33. As buscas fizeram parte da Operação Pacto, que tem por finalidade apurar a formação de um cartel envolvendo “cegonheiros”, empresas de transporte rodoviário de veículos novos. Cerca de 60 policiais cumpriram dez mandados de busca e apreensão em cidades de quatro estados, São Bernardo e Santo André (SP), Serra (ES), Betim (MG) e Simões Filho (BA). Participaram o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público de São Paulo e com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

 

Azul investirá R$ 6 bi no Brasil neste ano

Durante a apresentação do Embraer 195 E-2, John Rodgerson, presidente da Azul, John Rodgerson, anunciou que os investimentos da companhia no Brasil neste ano devem chegar a R$ 6 bilhões, mesmo nível do próximo ano. Com a afirmação de que “é tempo de acelerar no Brasil” ressaltou que a empresa deve aumentar de 114 para 150, o número de cidades em que opea, nos próximos cinco anos. Por isso, a companhia estuda abrir novas rotas internacionais, mas decidiu não fazer anúncios agora por causa da valorização do dólar ante o real, que encarece e desestimula viagens ao exterior.

Os analistas do Bradesco BBI consideram que a estratégia de crescimento da Azul com uma frota de nova geração leva à perspectiva de aumento de suas margens operacionais. Por isso, mantiveram a classificação de outperform para as ações e avaliam que a notícia também é positiva para a Embraer, uma vez que ela poderia fechar novos pedidos firmes de E-2s com a Azul. Apesar das opiniões, as açõess da Azul subiram apenas 0,12% para R$ 51,36.

 

KPMG é a administradora judicial da Renova

A KPMG Corporate Finance foi nomeada para atuar como administradora judicial da Renova Energia depois que o Juízo da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da Comarca do Estado de São Paulo deferiu o processamento do pedido de recuperação judicial ajuizado pela Renova e pelas demais empresas do grupo. Além disso, pelo prazo de 180 dias, estão suspensas as ações e execuções contra essas empresas. Enquanto perdurar o processo de recuperação judicial, a companhia se comprometeu a apresentar suas contas até o dia 30 de cada mês, sob pena de afastamento dos controladores e substituição dos administradores das empresas do grupo. As units da Renova continuaram caindo, desta vez 5,06%, e foram negociadas a R$ 11.

 

Tentaram, mas ação da Cyrela não aguentou

A Cyrela totalizou R$ 4,51 bi neste ano. Segundo o Credit Suisse, se demanda seguir forte, pode operar acima de R$ 4 bi ao ano de lançamentos. Depois dessa capenga análise, ações da Cyrela chegaram a R$ 27,26, mas no fim ganhos foram reduzidos para 0,27% e terminaram a R$ 26,25.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor