Advertisement

Ventos do Sul entra com pedido de companhia aberta

Empresa implantou a primeira etapa de um grande projeto eólico no Sul do país.

Mercado Financeiro / 23:02 - 10 de Jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A companhia de energia Ventos do Sul, controladora de parte de um complexo de geração de energia eólica no município de Osório, localizado no litoral médio do Rio Grande do Sul, pediu registro de companhia aberta, de acordo com informação do website da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O Complexo Eólico de Osório é um empreendimento de referência internacional no segmento de geração de energia renovável e sustentabilidade. Nos últimos doze meses, a energia produzida por este conjunto de usinas superou um milhão de megawatts/hora, resultando em quantidade equivalente ao consumo residencial anual de 525 mil famílias, aproximadamente 1,75 milhão de pessoas. A solicitação de registro de companhia aberta da Ventos do Sul não veio acompanhado de nenhuma solicitação para realizar uma oferta de valores mobiliários.

O complexo de Osório, que tem mais de 318 megawatts em capacidade instalada, pertence à Enerfin, filial brasileira do grupo espanhol de energia Elecnor, que opera o parque por meio um conjunto de sociedades de propósito específico (SPEs) que inclui a Ventos do Sul.

A Ventos do Sul foi constituída em 2005 tendo como propósito específico a implantação da primeira etapa de um grande projeto eólico. Nos anos de 2009, 2010 e 2011, através de leilões de energia promovidos pelo Governo Federal, foi possível realizar a ampliação do empreendimento. Atualmente, a potência instalada alcança 375,4 MW em operação, a qual compreende os parques eólicos no município de Osório e no município vizinho Palmares do Sul, ambos controlados pelo Centro Integrado de Operações e Controle de Osório, que atua de maneira contínua.

 

Potencial eólico

 

O município de Osório tem grande potencial eólico. O município serve como ponto de passagem da população gaúcha e de países vizinhos para costa sul do Brasil. Nas estações de primavera e verão a presença endêmica do vento nordeste, mais conhecido também como nordestão, afirma o grande potencial eólico. Já no inverno, devido às passagens das frentes frias, a geração eólica também se beneficia do vento que sopra do quadrante sudoeste popularmente conhecido como Minuano.

Além do recurso eólico que se manifesta de forma constante ao longo da maior parte do ano, a cidade de Osório conta com ótimas condições de logística, facilitando o acesso e o transporte dos grandes componentes necessários à construção dos aerogeradores. Possui também um importante ponto de conexão ao sistema elétrico brasileiro interligado, permitindo o escoamento de grande quantidade de energia através da Subestação Osório 2, a qual é operada pela Companhia Estadual de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul (CEEE) e integra a rede básica de energia do país, com supervisão feita pelo Centro de Controle de Operador Nacional do Sistema – ONS, situado em Florianópolis, cita a Ventos do Sul em seu site.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor