Venezuela vai mudar fuso horário para economizar energia

Internacional / 10:22 - 15 de abr de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou hoje que vai mudar, em maio, o fuso horário para contribuir com as medidas de poupança de energia elétrica, num país afetado por uma seca causada pelo fenômeno meteorológico El Niño. - Vou modificar o fuso horário da Venezuela a partir de 1° de maio visando a fortalecer a poupança elétrica do país. Esta será uma medida que explicarei nos próximos dias. Estamos em tempo de alterações climáticas e nós temos que nos adaptar para que as mudanças afetem menos a qualidade de vida e a felicidade do nosso povo. Estamos enfrentando o fenômeno da seca, que é quase uma tragédia ambiental - disse. Em dezembro de 2007, o então presidente da Venezuela, Hugo Chávez, atrasou em 30 minutos a hora legal local, para evitar que as crianças tivessem que sair ainda de noite para as aulas. Desde então, a Venezuela passou a estar a -4h30 do Meridiano de Greenwich. Fontes não oficiais dão conta de que a Venezuela poderá voltar ao horário antigo, passando novamente a estar a menos de quatro horas de Greenwich. Maduro também anunciou nesta sexta que os setores público e privado do país paralisarão na segunda-feira, em mais uma medida para poupar energia elétrica. - Estou decretando a segunda-feira, 18 de abril, como dia não trabalhável e também não haverá aulas - disse Maduro durante uma reunião no palácio presidencial de Miraflores em Caracas. Ele explicou que a paralisação faz parte de uma série de medidas para evitar "que a Venezuela entre num duro racionamento" de energia elétrica, num país afetado pelo fenômeno meteorológico El Niño. O El Niño converteu-se "num fenômeno extremo" e "se normalmente trazia seca e calor, desta vez trouxe o dobro da seca", frisou. Com o anúncio de hoje, os funcionários da administração pública venezuelana retomarão as atividades na próxima quarta-feira porque que na terça-feira é feriado. Agência Brasil, com informações da Lusa

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor