Vendas de imóveis residenciais novos em SP mantêm crescimento em maio

Comercialização de 3.100 unidades residenciais novas superou em 22% o total vendido em abril e em 43,7% o do mesmo mês de 2018.

São Paulo / 12:59 - 16 de jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Pesquisa do Mercado Imobiliário, realizada pelo departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), apurou em maio de 2019 a comercialização de 3.100 unidades residenciais novas na capital paulista. O resultado foi 22% superior ao total comercializado em abril (2.541 unidades) e 43,7% superior às vendas de maio de 2018 (2.158 unidades).

No acumulado de 12 meses (junho de 2018 a maio de 2019), as 32.642 unidades comercializadas representaram aumento de 19,5% em relação ao mesmo período anterior (junho de 2017 a maio de 2018), quando as vendas totalizaram 27.307 unidades.

Conforme dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), a cidade de São Paulo registrou o total de 2.594 unidades residenciais lançadas em maio deste ano, volume 17,3% inferior ao mês de abril (3.136 unidades) e 50,7% acima do apurado em maio do ano passado (1.721 unidades).

No período de junho de 2018 a maio de 2019 (12 meses), os lançamentos na capital paulista somaram 40.514 unidades, 32,0% acima das 30.689 unidades lançadas no mesmo período do ano anterior (junho de 2017 a maio de 2018).

Com 2.594 unidades residenciais lançadas e 3.100 imóveis vendidos, maio deste ano registrou os melhores resultados dos últimos seis anos para o mês. Na comparação com os lançamentos (1.721 unidades) e as vendas (2.158 unidades) do mesmo mês do ano passado, houve crescimento de 50,7% e 43,7%, respectivamente.

No acumulado de janeiro a maio, as vendas contabilizaram 12.426 unidades, um crescimento de 27,9% em comparação com o mesmo período do ano de 2018 (9.713 unidades). E os lançamentos totalizaram 8.967 unidades, uma alta de 60,8% quando se compara o resultado com os do mesmo período do ano anterior (5.577 unidades).

O destaque foi do segmento econômico, com um total lançado de janeiro a maio de 2.173 unidades, correspondendo a um aumento de 20,5% em relação ao resultado do mesmo período do ano anterior (1.803 unidades). As vendas do acumulado totalizaram 4.721 unidades, um aumento de 21,5% em relação ao mesmo período do ano anterior (3.885 unidades). "Em toda série deste ano, as vendas superaram a comercialização em relação ao ano anterio"”, ressalta Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP.

"Apesar do bom desempenho do mercado imobiliário, ainda preocupa a falta de calibragem na Lei de Zoneamento da cidade de São Paulo, que será primordial para a manutenção dos futuros lançamentos", afirma Emilio Kallas, presidente em exercício do Secovi-SP.

A Pesquisa Secovi-SP do Mercado Imobiliário de São Paulo traz, ainda, o volume de oferta de imóveis novos, os comportamentos do VSO (Venda Sobre Oferta) e VGV (Valor Global de Vendas), a análise de desempenho segmentada por número de dormitórios, faixa de preço, metragem (área útil) e zonas da cidade, além de resultados de lançamentos e vendas da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP).

 

Locação - O Índice FipeZap de Locação Residencial encerrou o mês de junho de 2019 com variação nominal de +0,36% - a sétima alta consecutiva. O percentual observado no mês superou novamente a inflação medida pelo IPCA/IBGE (+0,01%), impondo uma alta real do preço médio de locação de imóveis residencial no último mês (+0,35%). Entre as 11 capitais monitoradas pelo Índice FipeZap, Florianópolis foi aquela que apresentou a maior elevação de preço em junho (+1,27%), enquanto Belo Horizonte foi a cidade monitorada a apresentar o maior recuo no preço de locação residencial no período (-0,52%).

No primeiro semestre, o índice acumula alta nominal de 3,45%, resultado que supera à inflação de 2,23%, calculada pelo IPCA (IBGE), mas permanece abaixo da inflação de 4,38%, medida pelo IGP-M (FGV). A comparação entre a variação acumulada do Índice FipeZap e o IPCA acumulado impõe ao preço médio de locação residencial uma alta real de 1,19% no período, reforçando tendência positiva observada nos períodos anteriores.

Entre as capitais monitoradas, Florianópolis lidera com o maior aumento nominal de preço de locação residencial no período (+11,88%), sendo seguida por Curitiba (+11,16%) e Brasília (+7,47%). Por outro lado, a cidade do Rio de Janeiro se mantém como a única capital monitorada a apresentar recuo do preço médio do aluguel residencial no intervalo dos últimos 12 meses (-1,32%). O preço médio de locação residencial em junho de 2019 foi de R$ 28,90/m² entre as 25 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap. Considerando as 11 capitais monitoradas, São Paulo se manteve como a capital com o preço do m² mais elevado (R$ 38,50/m²), seguido por Rio de Janeiro (R$ 30,64/m²) e Brasília (R$ 28,95/m²). Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de locação residencial no último mês analisado, destacaram-se: Goiânia (R$ 16,54/m²), Fortaleza (R$ 16,63/m²) e Curitiba (R$ 19,02/m²).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor