Vendas crescem 7,9% na 1º quinzena de julho e varejo dá sinais de recuperação, diz ACSP

Conjuntura / 17 Julho 2017

O Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) aponta que o movimento do varejo paulistano cresceu uma média de 7,9% na primeira quinzena de julho em comparação com o mesmo período de 2016. Essa é a maior alta quinzenal registrada neste ano.

Isoladamente, as vendas a prazo subiram 4,5%, enquanto no meio à vista essa elevação foi maior (11,2%), em função das baixas temperaturas registradas nos primeiros dias do mês, o que estimulou as vendas de vestuário. De acordo com o presidente da ACSP, Alencar Burti, os resultados positivos são explicados pela base fraca do ano anterior, mas também confirmam a tendência de recuperação do varejo.

- Apesar da crise institucional que abala o país, os dados continuam mostrando recuperação, ainda que insuficiente para cobrir as perdas dos últimos anos ou até mesmo do ano passado. Em resumo, é um resultado positivo, mas que deve ser comemorado com cautela - comenta Burti, que também é presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Além da base fraca, a liberação do FGTS, a queda dos juros e o alongamento dos prazos, o forte recuo da inflação e a recuperação da massa salarial contribuíram para o desempenho positivo do varejo na capital paulista nos 15 dias iniciais de julho.

Em comparação com os 15 primeiros dias de junho, o movimento de vendas do varejo paulistano caiu 10,4% em julho - uma retração sazonal esperada, visto que no mês passado houve a ocorrência do Dia dos Namorados, enquanto que julho é um mês de férias, em que há uma saída expressiva de consumidores da cidade.

- Vale ressaltar que esta quinzena teve um dia útil a mais. E até mesmo por isso essa queda de 10,4% (-3% no a prazo e -17,8% no à vista) foi menor do que a média dos últimos três anos, de -11,9%) - complementa o presidente da ACSP.