Advertisement

Venda de chocolate cresceu 54% na semana anterior à Páscoa

Desempenho poderia ser melhor se o índice de ruptura, que chegou a 9,6% durante o período, fosse menor.

Conjuntura / 11:41 - 15 de Mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Apesar da queda de 7% no primeiro bimestre de 2019, em relação a 2018, a venda - em valores reais, já descontada a inflação - de chocolates para a Páscoa foi positiva nos supermercados na semana que antecedeu a Sexta-Feira Santa, com aumento de 54% no período em comparação ao ano passado, que denota o reaquecimento da categoria, como apontam dados da Neogrid.

De acordo com o levantamento, os resultados poderiam ter sido mais positivos se alguns indicadores, como de ruptura, tivessem sido menores. O indicador, que mensura a falta do produto em estoque na loja, começou o mês de abril em 8,5% na categoria chocolates e chegou a atingir 9,6% durante a semana da Páscoa.

"Quando o consumidor não encontra o ovo de Páscoa ou o chocolate que deseja, ele pode desistir da cesta inteira de compras na loja e procurar o produto no concorrente, resultando em perdas de vendas para aquele varejo - ou mesmo comprar o produto similar de outra marca, o que impacta a indústria", aponta Robson Munhoz, vice-presidente de Operações da Neogrid.

Outro indicador que mede a indisponibilidade de produto em gôndola e prejudica as vendas é o chamado Item sem Venda, que são produtos que constam com estoque em loja, mas saíram de seu comportamento normal de vendas. Entre as causas para um Item sem Venda estão a: a falta de reposição em gôndola de um produto que estava disponível no depósito; produto avariado, como ovos de Páscoa quebrados; preço não visível e má exposição, entre outros. Durante a semana que antecedeu o feriado, o indicador apontou 4,1% dos produtos da categoria chocolate com o problema.

Além dos tradicionais chocolates, o feriado de Páscoa também costuma aquecer outras categorias nos supermercados, como a venda de peixes. Com um começo de ano difícil e queda de 22,4% nas vendas (descontada a inflação) nos meses de janeiro e fevereiro em comparação a 2018, a categoria ganhou fôlego e pôde ficar otimista com um aumento de 7,4% nas vendas da semana anterior à Sexta-Feira Santa de 2019 em comparação com a mesma época em 2018.

 

Brinquedos - Segundo monitoramento contínuo do The NPD Group, a Páscoa tem se mostrado um feriado importante também para outros segmentos. Neste ano, o setor de brinquedos apresentou um crescimento de 5% em relação às vendas registradas no mesmo período de 2018.

Entre os dias 15 a 21 de abril, o mercado de brinquedos faturou R$ 51 milhões no Brasil. O crescimento do setor indica uma oportunidade que se abre para os varejistas.

"Tradicionalmente, a Páscoa é uma data para o chocolate, mas nos últimos anos a venda de brinquedos tem crescido demonstrando que existe mercado e interesse dos consumidores em presentear com algo diferente nesta data. Resta ao mercado aproveitar essa sazonalidade e investir também em outras frentes nesta que é a primeira grande data para o setor de brinquedos no ano", comenta José Guedes, presidente do The NPD Group no Brasil.

Entre os campeões de venda no setor de brinquedos, neste ano, as super categorias de pelúcias e veículos tiveram os maiores ganhos em relação à Páscoa 2018. As pelúcias faturaram 27% e veículos 20% a mais que no ano anterior. Outro destaque nas vendas de brinquedos na Páscoa foi o crescimento do uso de licenças. Entre as mais procuradas, a mais vendida foi Avengers, dado o sucesso da franquia de filmes que teve seu ápice com o lançamento de Avengers Endgame recentemente. Na sequência, a lista ainda traz Jurassic Park, PJ Masks e Fortnite com maiores crescimentos de ganhos.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor