Usiminas lucra R$ 268 milhões no quarto trimestre

Resultado foi 33% menor que o registrado no mesmo período de 2018.

Mercado Financeiro / 22:14 - 14 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Usiminas registrou lucro líquido de R$ 268 milhões no quarto trimestre de 2019, ante prejuízo de R$ 139 milhões no terceiro, mesmo assim foi 33% menor que um ano antes. Os dados foram apresentados e comentados na sexta-feira na divulgação do balanço. Analistas, em média, estimavam lucro de cerca de R$ 52 milhões, segundo dados da Refinitiv.

A produtora de aço atribuiu o resultado ao aumento nas vendas de minério de ferro. Apesar de ter apresentado resultados melhores, as ações da companhia estavam entre as maiores quedas do Ibovespa na sexta-feira. Às 12h47, a ação da companhia tinha queda de 4,6%.

A Usiminas teve queda de 2% nas vendas de aço nas comparações trimestral e anual e a margem Ebitda ajustada da operação caiu de 25,1% reportados no quarto trimestre de 2018 para 6% nos três últimos meses do ano passado.

A Usiminas é uma das maiores produtoras de aços planos no Brasil, com operações em diversos segmentos da cadeia de valor, como mineração e logística, bens de capital, centros de serviços e distribuição e soluções customizadas.

Na teleconferência com analistas, os executivos da siderúrgica não citaram valores de reajustes já acertados no preço do aço vendido à indústria automotiva e tampouco fizeram projeções sobre o valor da liga no mercado interno nos próximos meses.

Conforme a Reuters, a empresa reajustou preços de aço para cima junto a montadoras norte-americanas e europeias que operam no país, e está negociando com o restante do setor aumentos no mesmo patamar, disse o vice-presidente comercial da Usiminas, Miguel Homes Camejo, citando mudanças recentes na política de divulgação da empresa como motivo para não mencionar valores.

Os indicadores internacionais de preços mostram tendência positiva nos últimos dois, três meses, mas com o coronavírus essa tendência ficou um pouco menor, mas ainda está acima do final do ano passado”, observou Camejo.

 

Projeções

 

Sobre projeções para este ano, o presidente da companhia, Sergio Leite, disse que há sinais de melhora no mercado imobiliário e no setor automotivo indicando crescimento de vendas.

Em relação ao plano de uma nova linha de galvanização na usina de Ipatinga (MG), Leite afirmou que ainda não tem previsão.

A companhia informou que estima para 2020 investimento de R$ 1 bilhão, alta de cerca de 45% sobre o aplicado em 2019 e mais que o dobro em relação aos R$ 463 milhões de 2018, em meio aos preparativos para reforma geral de alto forno em Ipatinga (MG) e sinais de retomada da economia.

O desempenho operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) no trimestre subiu 22% sem ajustes, para R$ 447 milhões. Os analistas previram desempenho de R$ 387 milhões. Com ajustes, a linha marcou queda de 44% ante o quarto trimestre de 2018, a R$ 468 milhões.

 

Minério de ferro

 

As vendas de minério de ferro subiram 65% sobre o quarto trimestre de 2018 e subiram 2% ante trimestre anterior, para 2,5 milhões de toneladas. A margem ajustada no segmento foi de 36,4%, ante 12% na comparação anual. A companhia teve resultado financeiro positivo de R$ 154,4 milhões, abaixo dos R$ 637,8 milhões de um ano antes.

O vice-presidente financeiro, Alberto Ono, informou que a Usiminas deve receber neste ano R$ 306 milhões da Eletrobras referente a uma dívida que já transitou pela justiça. Outra parte ainda não decidida pela justiça, calculada pela Usiminas em R$ 1,2 bilhão, pode chegar aos cofres da empresa em alguns anos, acredita o executivo. O indicador dívida líquida sobre Ebitda da Usiminas encerrou o ano em 1,6 vez, estável em relação a 2018 e abaixo do nível de 1,7 vez do terceiro trimestre.

A estimativa da empresa para a despesa financeira líquida neste ano é de R$ 272 milhões, após R$ 946,7 milhões em 2019.

Ono disse que a Usiminas deve ter queda de custos no primeiro trimestre, mas que a volatilidade do câmbio e dos preços do minério de ferro tornam mais difícil a visibilidade nos próximos trimestres.

De acordo com a Reuters, ele não deu estimativa sobre quanto o custo pode recuar nos três primeiros meses do ano em relação aos três últimos de 2019, quando o custo do produto vendido da Usiminas subiu 6% sobre o terceiro trimestre e 17% na comparação anual.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor