Trump derruba seguro de saúde nos EUA

Quase 2 milhões ficaram sem cobertura em 2018

Seguros / 22:16 - 12 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O número de norte-americanos sem seguro de saúde aumentou quase 2 milhões de pessoas em 2018, de acordo com novos dados divulgados pelo US Census Bureau. O aumento da taxa de não segurados, de 7,9% em 2017 para 8,5% no ano passado, é particularmente notável, dada a queda da taxa de desemprego durante esse período, já que a maioria dos americanos recebe cobertura através do trabalho. O Census Bureau disse que foi o primeiro aumento significativo no número de pessoas sem cobertura de saúde desde 2009.

Os estados norte-americanos aumentaram os requisitos de elegibilidade para a cobertura da rede de segurança pública e o presidente Donald Trump continuou sua tentativa de desfazer grande parte da Affordable Care Act, a lei de saúde, de autoria do seu antecessor, Barack Obama.

O relatório do Censo indica que a maior queda na cobertura em 2018 ocorreu entre as cobertas pelo Medicaid, o programa estadual de saúde federal para os norte-americanos de baixa renda. Quase dois milhões a menos de pessoas foram cobertas pelo Medicaid em 2018 do que no ano anterior.

O Census Bureau disse que a taxa sem seguro aumentou em oito estados - Alabama, Arizona, Idaho, Ohio, Michigan, Tennessee, Texas e Washington. Diminuiu em Nova York, Carolina do Sul e Wyoming.

Em termos de renda, os maiores aumentos de pessoas sem cobertura estavam entre aqueles com renda pelo menos três vezes maior que o nível de pobreza, ou cerca de US$ 75.000 para uma família de quatro pessoas. Muitas dessas famílias ganham muito para obter a maioria de seus prêmios de saúde subsidiados pelo governo; portanto, ficam mais expostos a altos prêmios pela cobertura do empregador ou pelos mercados da ACA.

O crescente número de americanos sem seguro prepara o terreno para uma luta política cada vez mais acirrada pelos cuidados de saúde na América. Os democratas que concorrem à presidência atacaram Trump por suas tentativas de reverter a ACA, incluindo um processo apoiado pelo Departamento de Justiça argumentando que a lei é inconstitucional. Suas agendas variam da expansão da ACA à substituição por um sistema de pagamento único do Medicare-for-All.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor