Advertisement

Trump critica investigação e confirma encontro com Kim Jong-un

Pede esforço comum para eliminar diferenças partidárias.

Internacional / 06 Fevereiro 2019 - 22:40

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em discurso no Congresso, o presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, apelou por um compromisso entre democratas e republicanos em prol do bem comum, reiterou a construção do muro na fronteira com o México e criticou as investigações contra ele. Também anunciou um segundo encontro com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, no fim deste mês. “Devemos rejeitar as políticas de vingança e retaliação e abraçar o potencial ilimitado de cooperação, compromisso e bem comum”, destacou Trump ao mencionar o esforço comum para eliminar diferenças partidárias.

O presidente norte-americano criticou as apurações em curso contra ele, classificando-as de “investigações ridículas por motivações partidárias” que podem afetar o progresso econômico do país. “Se deve haver paz e legislação, não pode haver guerra e investigação”, afirmou.

O discurso de Trump foi acompanhado de perto pela presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, que é de oposição ao governo, e o vice-presidente da República, Mike Pence, além dos parlamentares presentes. O novo Congresso reúne 131 mulheres, o maior número da história, Trump citou esse fato.

O presidente dos EUA disse que se reunirá com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, nos dias 27 e 28 de fevereiro no Vietnã. Segundo ele, o encontro faz parte de uma nova e ousada diplomacia ao continua no esforço pela paz na Península Coreana. “Muito trabalho ainda precisa ser feito, mas meu relacionamento com Kim Jong-un é bom. O presidente Kim e eu nos encontraremos novamente nos dias 27 e 28 de fevereiro no Vietnã”, afirmou no discurso.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor