Truculência de Crivella na Linha Amarela custará R$ 100 mil por dia

Lamsa ainda calcula danos provocados pelas máquinas da Prefeitura do Rio de Janeiro que destruíram as cabines de pedágio.

Rio de Janeiro / 22:48 - 28 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O vice-presidente de Rodovias do grupo Invepar, Eduardo Dantas, ao qual pertence a concessionária Lamsa, disse que ainda não tem condições imediatas de calcular os danos provocados pelas máquinas da Prefeitura do Rio de Janeiro que destruíram as cabines de pedágio da Linha Amarela durante a madrugada desta segunda-feira. 
A ação foi feita a partir de uma ordem do prefeito Marcelo Crivella, que esteve pessoalmente no local. Nas primeiras horas do dia, a Justiça determinou que o pedágio deve voltar a ser cobrado e definiu que o município do Rio terá de pagar multa de R$ 100 mil por cada dia com passagem liberada.
A Prefeitura do Rio de Janeiro notificou a concessionária Lamsa, que administra o contrato da Linha Amarela, sobre o rompimento unilateral da concessão. A medida foi publicada no Diário Oficial do município na última sexta-feira. A Linha Amarela é uma via expressa que liga a Ilha do Fundão, na Zona Norte, à Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.
Durante a madrugada desta segunda, funcionários municipais estiveram na praça de pedágio, retiraram os funcionários e destruíram as cabines e cancelas. Segundo nota da Prefeitura, a administração da Linha Amarela passa para a Secretária Municipal de Transportes e, durante a operação, também foram desligadas a energia, câmeras de segurança e sensores.
“O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, sem base jurídica, determinou a destruição da praça de pedágio da Lamsa, um ato que colocou em risco a segurança dos colaboradores e usuários da via expressa”, informou a concessionária, em nota. A empresa “repudia veementemente a decisão ilegal e abusiva do poder municipal” e afirma que o prefeito Crivella “rompeu todos os limites do bom senso e da legalidade”, e afirmou que ele “não pode cancelar um contrato de concessão unilateralmente dessa forma”.
 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor