Três brasileiras no ranking dos 250 maiores varejistas do mundo

Americanas, Raia Drogasil e Magazine Luiza tiveram forte crescimento; Walmart continua sendo é a número 1.

Mercado Financeiro / 10:43 - 13 de fev de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Brasil colocou três empresas no ranking das 250 maiores varejistas do mundo: Lojas Americanas (178ª posição), Raia Drogasil (223ª) e Magazine Luiza (249ª). “Dado o fato de a economia estar ainda em processo de recuperação, após uma das piores recessões dos últimos tempos, ter não só uma, como três empresas brasileiras ao lado de grandes nomes de um ranking mundial é um fator relevante para as perspectivas do setor varejo e o futuro econômico do país”, avalia Reynaldo Saad, sócio da Deloitte no Brasil (foto ao lado).

A pesquisa Global Powers of Retailing 2019 (Os Poderosos do Varejo Global 2019), elaborada pela Deloitte, revela que as 250 principais varejistas globais geraram US$ 4,53 trilhões em receitas, representando um crescimento composto de 5,7% em relação ao ano anterior. Walmart e Amazon aparecem no Top 10, com a rede de lojas físicas mantendo o primeiro lugar.

A receita de varejo aumentou para 208 empresas, 83% dos 250 maiores varejistas. A Europa tem o maior número de companhias no ranking, com 87 sediadas na região (34,8%) e 33,8% de participação na receita.

Os dez maiores varejistas do mundo apresentam operações em aproximadamente 13 países, contra a média geral de dez países para o Top 250. Os varejistas europeus continuam sendo os mais ativos globalmente à medida que buscam crescimento fora de seus mercados domésticos;

O FMCG (bens de grande consumo) é o maior setor de produtos. Suas 138 empresas (55,2% do total) geraram 66,2% da receita de varejo no ano fiscal de 2017.

Encruzilhada

Especificamente sobre o Brasil, o estudo analisa que o país está em uma encruzilhada. A economia se recupera lentamente de sua pior recessão da era moderna. Um governo recém-eleito com promessas de grandes mudanças, cuja direção ainda permanece incerta, liderado por um presidente da direita, que no passado favoreceu políticas estatistas, protecionistas e isolacionistas. A expectativa se encontra então, na direção que o governo determinará ao futuro econômico dos brasileiros, segundo a Deloitte.

A 22ª edição da pesquisa inclui 250 empresas, com base na receita de varejo para o ano fiscal de 2017 (abrangendo os exercícios fiscais das empresas até junho de 2018). O estudo tem como objetivo oferecer um reflexo da dinâmica do mercado e do impacto sobre o setor de varejo durante o período.

Em dezembro de 2018, a Deloitte divulgou o levantamento Varejo em Transformação que abordou a posição das varejistas brasileiras diante da retomada da economia no país. A pesquisa divulgou que, das 126 empresas participantes, 66% precisaram readaptar seus planos de negócios, diante de um novo perfil do consumidor e de um contexto socioeconômico complexo, e aqueles que conseguiram identificar a necessidade destas mudanças tiveram êxito nos resultados dos seus negócios.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor