TIM deve acelerar plano de eficiência

Empresas / 17:21 - 12 de mai de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A TIM percebeu oportunidades para acelerar o Plano de Eficiência que anunciou no ano passado, aprofundado o corte de gastos que tem realizado, sendo que uma nova fase do plano será lançada no segundo trimestre deste ano, disse o diretor financeiro da empresa, Guglielmo Noya. De janeiro de 2015 até março de 2016, a TIM atingiu 40% do plano, que prevê R$ 1 bilhão em economias, com cortes de R$ 300 a R$ 350 milhões por ano até dezembro de 2017. “Vamos manter um controle rígido de gastos e a empresa irá atuar com energia e responsabilidade para aumentar a produtividade, esperamos que ações que estamos realizando representem contribuição importante para reduzir gastos”, afirmou. Entre os esforços adicionais que fará para reduzir gastos estão uma nova abordagem na área de vendas e marketing. "Estamos estudando novos modelos de comissionamento e identificamos novas e diferentes oportunidades de comunicação", disse o diretor. Segundo Noya, a companhia também reduziu o seu quadro de funcionários. Além de ampliar a redução de gastos, a TIM afirmou que está empenhada em criar novas opções e planos dentro do seu novo portfólio, com o objetivo de atingir uma carteira de clientes de maior valor tanto no segmento de pré-pago quanto de pós-pago. No segmento pós pago, por exemplo, o foco é oferecer o serviço de 5 GB e 1 mil minutos, com mensalidade de R$ 139,00, anteriormente o foco era o plano de 2 GB e 1 mil minutos no valor de R$ 99,00. A intensificação no uso de dados por sua base de clientes é a aposta da TIM para retomar o crescimento. Para isso, conta com demanda ainda não explorada em 4G e nos resultados com a renovação da sua plataforma de serviços feita no ano passado. Segundo a empresa, o resultado do primeiro trimestre, com queda de 54% no lucro e de 15,3% na receita, ainda reflete o cenário de instabilidade macroeconômica. Para Guglielmo Noya, ainda há muito potencial do 4G inexplorado que poderá ajudar com que a receita de dados continue crescendo nos próximos trimestres. Atualmente, essa receita representa 43% do total. Com a liderança no cobertura 4G, a operadora conta com cerca de 70% da sua base de clientes distribuídos entre as plataformas 3 G e 4G. Na comparação anual, teve expansão de 55% em 3G e 14% em 4G. Isso teve reflexo também sobre o BOU (bytes por uso), que passou de 340 no primeiro trimestre de 2015 para 502 um ano depois. O ARPU de dados teve acréscimo de 29% ano a ano e a receita de serviços inovativos (dados mais valor agregado exceto SMS) ampliou 26%.   Resultado   Com o primeiro trimestre ainda influenciado pelas adversidades do cenário macroeconômico, a TIM registrou queda de 54% no lucro líquido na comparação anual, com R$ 144, 4 milhões. A receita líquida foi de R$ 3,8 bilhões, 15,3% menor que o mesmo período do ano passado. O faturamento obtido com o uso de dados atingiu 43% do total e as vendas de serviços inovativos (dados mais valor adicionado exceto SMS) cresceram 26,3%, totalizando R$ 1,32 bilhão. Os investimentos também desaceleraram na comparação anual passando de R$ 923 milhões no primeiro trimestre de 2015 para R$ 710 milhões de janeiro a março deste ano, uma retração de 23,1%. Mas isso não impediu a operadora de manter sua liderança na cobertura 4G, com 439 cidades cobertas. A empresa manteve seu programa de controle de custos e obteve 16% de queda no custo normalizado da operação, 40% da meta de redução de R$ 1 bilhão estabelecida pelo Plano de Eficiência para o período de 2015 a 2017.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor