Telefónica, America Movil e Tim querem dividir a Oi

Operadora espanhola quer ficar com a parte de telefonia móvel da brasileira.

Acredite se Puder / 18:53 - 7 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A espanhola Telefónica negocia com os principais concorrentes no mercado brasileiro, a mexicana América Móvil e a Telecom Italia para que juntas comprem a Oi, a quarta maior empresa de telecomunicações do Brasil, segundo o jornal espanhol Expansión. O plano é a aquisição completa dos ativos para depois reparti-los. Apesar de a Telefónica recentemente desmentir o interesse em adquirir a Oi, agora existe uma certa dose de otimismo, com a expectativa de que, por causa das dificuldades financeiras enfrentadas, a opeadora brasileira procure vender o negócio do segmento móvel, no qual já não consegue competir, de forma a reduzir a dívida. Além disso, consideram que, devido a essa situação de vulnerabilidade, esperam que as regras em termos de concorrência possam usar de toda a flexibilidade para permitir uma solução.

Um dos possíveis compradores, o grupo italiano Tim, também se encontra com problemas financeiros dada a dívida avultada, a que se somam os conflitos entre acionistas. O fundo ativista Elliott entrou em confronto com os franceses da Vivendi, os primeiros acionistas da empresa. A Oi perdeu R$ 1,6 bilhão entre abril e junho (cerca de 360 milhões), ultrapassando o R$ 1,3 bilhão relativo ao mesmo período do ano passado. O Ebitda também caiu, 22%. Desta forma, a dívida cresceu para os R$ 12,6 bilhões, mais 25% que no ano anterior.

 

Analistas sem empolgação pelos frigoríficos

Os analistas do Bradesco BBI mantiveram em neutra as recomendações e os preços-alvos das ações da JBS, de R$ 28 para R$ 35 para o final do próximo ano, que oscilam ao redor de R$ 31, e os da Marfrig de R$ 8 para R$ 12, que estão sendo negociadas a R$ 11,70. Porém, fazem uma ressalva quanto a JBS que poderá ter uma nova reavaliação por uma listagem nos EUA ou por fusões e aquisições em alimentos processados.

 

Bradesco vai pagar dividendos extraordinários

A diretoria do Bradesco decidiu submeter ao Conselho de Administração, que deliberará na reunião de 17 de outubro, a proposta para pagamento de dividendos extraordinários no valor de R$ 8 bilhões, sendo R$ 0,948654134 para ações ordinárias e R$ 1,043519547 para as preferenciais. Serão beneficiados os acionistas que estiverem inscritos em 17 de outubro, passando as ações a ser negociadas “ex-direito” aos dividendos extraordinários a partir de 18 de outubro, e o pagamento ocorrerá em 23 de outubro

 

Itaú BBA aumenta objetivo da Tegma

O Itaú BBA reafirmou em relatório o rating outperform para as ações da Tegma e já estima um preço-alvo de R$ 43 para 2020, superior aos R$ R$ 28,80 para este ano. Atualmente, as ações da empresa são negociadas a R$ 31. Os técnicos da instituição esperam melhoria operacional contínua, com baixas necessidades de investimentos, proporcionando uma geração de caixa significativa e possibilitando uma posição financeira ainda mais saudável. Por causa disso, estabeleceram uma relação ppre sobre lucro de 13x.

 

Natura vai para o Equador

O conselho de administração da Natura aprovou a constituição de uma subsidiária localizada no Equador. Quanto à Avon, a companhia informa que a previsão é de que o acordo seja finalizado no início 2020.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor