Tecnologia deve ser principal investimento do comércio

Por Zenon Leite Neto.

Opinião / 16:43 - 13 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O comércio tem aumentado significativamente as vendas nos últimos anos graças ao surgimento da tecnologia focada na automação para o comércio, que proporciona constantemente a possibilidade de melhores decisões dos gestores em ações para atrair os consumidores, ter o mix de produtos sempre adequado para região geográfica do ponto de venda, evitar ruptura de estoque, planejar estratégias para aumentar o ticket médio da loja, além da aplicação de outras técnicas que só são possíveis por meio da automatização. No entanto, esse não é um mercado devidamente reconhecido, mas que precisa dessa visibilidade para continuar em evolução.

Esse segmento tecnológico teve amplo crescimento nas últimas duas décadas. A ascensão dos meios de pagamentos, por exemplo, foi um dos grandes divisores de água para o desenvolvimento do comércio, pois fornece mais facilidade ao estabelecimento para receber pelas vendas e também ao consumidor, por ter opções de pagar por suas compras. Países como a China recebem através de QR Code em feiras; mesmo que aqui no Brasil ainda não seja tão usual, algumas lojas já utilizam essa modalidade e outras, como as moedas virtuais.

Além dos meios de pagamentos, a tecnologia foi introduzida em outros procedimentos como a utilização de RFID em coletores de dados para agilizar a contagem de estoque ou de inventário, reduzindo drasticamente o tempo empenhado nessa questão; plataformas para emissão e gestão de documentos fiscais que identificam erros e corrigem com inteligência artificial, evitando complicações com o Fisco; modernização de impressoras para qualidade de foto em etiquetas, painéis, banners e comunicações de loja diversas; inserção de sensores para detecção de público; provadores inteligentes que auxiliam o consumidor na compra entre outras diversas aplicações.

 

Reconhecer os players de automação

é essencial para o fomento do setor

 

Nem sempre visíveis, esses dispositivos são ou deveriam ser um dos principais investimentos de um comércio nos dias de hoje. São eles que proporcionarão a geração de dados para tomada de decisão, seja ela financeira, de marketing e comunicação, administrativa, de nova demanda de produtos, treinamento de equipe, entre outras finalidades; e que também deixarão o negócio em segurança contra irregularidades, em compliance legislativos e fiscais, que evita multas e mantenha as informações protegidas. Logo, é inegável a importância da tecnologia para o setor.

Esses fornecedores se dedicam a atuação nos bastidores dos processos de automação e precisam ser reconhecidos pelo mercado. Sejam em premiações, listas de melhores inovações do setor, destaques por categorias de softwares e hardwares, e tudo aquilo que puder ser feito para colocar as empresas e profissionais envolvidos nesse meio em evidência, para receberem visibilidade, e continuarem a ter entusiasmo para criar e desenvolver novas aplicações e maneiras de transformar o modo de gerir lojas, proporcionar experiências no ponto de venda para aproximar e fidelizar consumidores, e trazer crescimento do comércio. Setor essencial para o desenvolvimento da economia do país.

Zenon Leite Neto

Presidente da Associação Brasileira das Empresas de Automação para o Comércio (Afrac).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor