TCE dá 30 dias para CPTM explicar compra de trens em 2010

São Paulo / 18 Maio 2017

Falhas em um contrato para modernização da Linha 11 - Coral da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) foram apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) que também fez questionamentos aos responsáveis pelo projeto, segundo despacho do conselheiro Antonio Roque Citadini sobre o contrato firmado em 2010, durante o governo do tucano José Serra, publicado nesta quarta-feira no Diário Oficial do estado. O documento previa a compra de nove trens, cada um por R$ 33,6 milhões, em um projeto parcialmente financiado pelo Banco Mundial.
Para apresentar as justificativas e documentos que esclareçam os pontos levantados pelo tribunal, a Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos e a CPTM têm 30 dias. Entre os pontos sobre os quais foram solicitadas explicações estão as sucessivas prorrogações da vigência do contrato. “É estranha a contagem do prazo feita pela secretaria/CPTM”, ressalta Citadini sobre as cinco mudan-ças na data de entrega do projeto, inicialmente prevista para abril de 2013 e atualmente esperada para outubro de 2018. “Por que tanta prorrogação?”, questiona o conselheiro.
Citadini também aponta possíveis falhas de planejamento, ao questionar por que “a instalação do ATC (sistema de controle automático dos trens), neste momento do contrato, também está causando atraso. Por que essa decisão não foi tomada desde o início? O sistema ATC pela proposta, já existia? Se, não, por que não foi previsto?”.