STF: verba de combate à pobreza não entra na dívida de estados

O caso foi decidido em um processo envolvendo a Bahia, mas deve ter repercussão em outras ações.

Conjuntura / 23:40 - 13 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira que os valores do Fundo do Erradicação da Pobreza dos estados não podem ser usados pelo Governo Federal para calcular o montante da dívida estadual com a União. O caso foi decidido em um processo envolvendo a Bahia, mas deve ter repercussão em outras ações que estão em tramitação na Corte.

Pela decisão, a União deverá devolver ao governo da Bahia os valores que foram computados como dívida. O valor do impacto nas contas públicas não foi divulgado.

O Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza em nível nacional foi criado em 2001 com objetivo de destinar recursos suplementares para aplicação nas áreas da educação, saúde e programas sociais.

Nos estados, os recursos do fundo são obtidos por meio do aumento da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre produtos supérfluos em até 2%. A receita obtida com o aumento deve ir obrigatoriamente para os fundos estaduais.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor