Advertisement

Startup de sucesso já é acusada de lavagem de dinheiro

Capitalização da fintech alemã superou a do Deustche Bank.

Acredite se puder / 30 Janeiro 2019 - 18:09

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

 

A startup de pagamentos alemã Wirecard está sendo acusada de fraude e lavagem de dinheiro. Isso depois de ter sua capitalização ultrapassado a do Deustche Bank, quando chegou aos € 21 bilhões e ter substituído o Commerzbank no índice acionista alemão DAX30. O Financial Times desta quarta-feira revela o documento que aponta transações potencialmente fraudulentas envolvendo um executivo sênior da empresa, Edo Kurniawan, que é responsável pela contabilidade do grupo na região Ásia-Pacífico.

O documento intitulado “Project Tiger Summary” foi preparado por um departamento de compliance da fintech e apresentado a quatro responsáveis da empresa, incluindo o CEO Markus Braun, em maio do ano passado. O jornal inglês o recebeu de um denunciante que alega estar preocupado de que nada fosse feito em relação aos potenciais atos criminosos dentro da empresa. A publicação provocou forte impacto nas ações da fintech, que perdeu 24,73% e caiu para 126,00 euros, o valor mais baixo desde novembro do ano passado.

O documento mostra que € 37 milhões entraram e saíram das subsidiárias e negócios externos da Wirecard, através de sete conjuntos de transações complexas, sinalizadas como suspeitas, e que podem configurar atos ilícitos, como “falsificação de contas” e “lavagem de dinheiro”. As transações foram autorizadas por Kurniawan, que se mantém até hoje no cargo. Edo Kurniawan recusou-se a dar explicações.

 

Fracassam as criptomoedas dos clubes de futebol

O mercado do futebol movimenta uma grande quantia de dinheiro. Era de se esperar que as empresas focadas em blockchain e criptomoedas também tentassem “tokenizar” esse território. No ano surgiram as parcerias com Corinthians, Atlético Mineiro e Paranaense e Ronaldinho Gaúcho.

 

Projeto tosco o da moeda dos clubes

A Ivi Token é a moeda criada pela Inoovi Limited, com sede em Hong Kong. Foi apoiada pelo Atlético-PR e depois pelo Corinthians. O Santos também foi convidado, mas recusou a oferta. Essa empresa foi criada por Fernad Daman, que é do ramo da aviação. O projeto é de um amadorismo franciscano. O Guia do Bitcoin fez uma investigação a respeito e constatou muitas falhas. A equipe da moeda entrou em contato com o site para que removessem a matéria, mas ela continua lá. O UOL Esportes entrou em contato com os times, que informaram não possuir muitas informações a respeito. Porém, o site do Ivi Token mostra inúmeros atletas apoiadores. Não há, porém, mais nenhuma menção a esse projeto no site do Corinthians.

 

O próximo problema do Ronaldinho Gaúcho

A RSCoin, cujo tokem é apoiado diretamente pelo ex-jogador Ronaldinho Gaúcho, está numa situação complicada. Semanalmente, tuítes fazem publicidade da moeda, informando que a venda dos tokens está acontecendo e continuará por mais 72 dias. Essa venda é feita por smart contract, não é transparente e tem pouca informação técnica disponível. Além disso, existe uma certa confusão, pois o site informa que as vendas pararam em 25 de agosto do ano passado, enquanto no Twitter há um aviso fixado dizendo que as vendas ocorreriam entre os dias 1º e 21 de novembro. Mas semanalmente são publicados tuítes informando que a moeda está sendo vendida atualmente.

 

Petróleo sobe com sanções à Venezuela

As cotações do barril de petróleo continuaram em alta nos mercados internacionais, a registarem a maior valorização em mais de uma semana, devido aos receios de que a aplicação de sanções dos EUA à Venezuela, proibindo que as empresas norte-americanas comprem o produto venezuelano, possa afetar os preços. Além disso, os operadores tentam perceber até que ponto uma escalada das tensões na Venezuela poderá reduzir as exportações deste membro da Organização dos Países Exportadores do Petróleo. Isso é a maior tolice, puramente especulativa, pois a produção venezuelana está em níveis baixos por causa dos problemas internos. O West Texas Intermediate para entrega em março subiu 2,66% para US$ 54,73 o barril. Enquanto que o Brent tiveram valorização de 1,99% para US$ 62,54.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor