Advertisement

Shoppings preveem alta de 4% em vendas no Dia das Mães

Maior parte dos pesquisados pretende comprar alguma lembrança para mães, sogras, esposas e avós, somando quase 40%.

Conjuntura / 16:28 - 10 de Mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

De acordo com dados da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) no Dia das Mães, comemorado neste domingo, o varejo de shopping este ano deverá registrar um aumento de 4% nas vendas do dia das mães em relação ao ano passado.

A expectativa do comércio varejista é de um movimento de vendas ainda mais intenso durante esta semana que antecede a data.

Segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC) a alta será de 3,8%. Já de acordo com a Confederação Nacional de Dirigentes e Lojistas (CNDL), a alta será de 3,5%. Porém, "como os shoppings sempre vendem mais, a estimativa é mesmo de 4%", comentou Luís Augusto Ildefonso, diretor institucional da Alshop.

Segundo a entidade, os segmentos mais procurados para presentear as mães são: moda, perfumaria, cosméticos, calçados, flores e também restaurantes. Os shoppings centers, de acordo com a CNDL e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), são o principal ponto de compra para a data, atraindo mais de um terço (34%) dos consumidores.

 

Mais de 90% pesquisam online antes de comprar em lojas físicas

Pesquisa sobre comportamento, intenção de compra e preferências para a data realizada pela Federação das Câmaras Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo entre os dias 30 de abril e 4 de maio apontou para este ano alto índice de pretensão de compra: cerca de 62% das pessoas afirmaram que farão compras para o Dia das Mães, seguido de 22% que ainda não decidiram e apenas 15% com nenhuma intenção de consumo.

Entre os entrevistados, em sua maioria mulheres (81%), 93% declarou fazer pesquisas virtualmente; no entanto, destes, 83% tem intenção de finalizar as compras em lojas físicas.

Os dados ainda revelam que mais de 60% dos consumidores começa a pesquisa sobre o que comprar aproximadamente 15 dias antes, com o intuito de verificar promoções, comparar preços e encontrar as melhores ofertas em uma época de alta demanda. Pouco menos de 20% da amostragem afirmou começar a verificação sete dias antes, seguido de 11% que adquirem presentes na véspera e 9% que compram apenas no dia.

Influenciados por preço (58%) e qualidade do produto (61%), a média de renda daqueles que tem intenções de consumo na data é, em sua maioria, de R$ 1.000 a R$ 2.500. Além disso, as compras realizadas em e-commerces representam pouco mais de 17% do total das intenções, enquanto a aquisição de produtos em shoppings e comércios de rua somam mais de 80%.

 

Liderança de moda - A maior parte dos pesquisados pretende comprar alguma lembrança para as mães (80%), mas as sogras, esposas, avós não passam despercebidas, somando quase 40% das intenções gerais. Já o produto preferido para aquisição pelos entrevistados, foi enquadrado na categoria moda (31%), como pode ser visto na representação gráfica. O ranking é seguido por outros (26%), cosméticos (24%), eletrônicos (22%) e vale-presentes (5%).

O questionário continha 12 perguntas de múltipla escolha e duas abertas e ouviu 3.359 pessoas de todas as regiões do Brasil. Sendo os resultados coletados em 25 estados, a maior parte do público possuía entre 18 e 49 anos, representando mais de 82% da amostra.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor