Setor segurador cresce dois dígitos pelo segundo mês consecutivo

SEG NOTÍCIAS - 10.10: De janeiro a agosto, alta de receita foi de 11,5%; setor movimenta R$ 174,8 bi (sem Saúde e Dpvat) de janeiro a agosto

Seguros / 16:56 - 10 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

No ano até agosto, o setor segurador repetiu um crescimento na casa de dois dígitos pela segunda vez seguida. A taxa avançou 11,5%, atingindo R$ 174,8 bilhões (sem Saúde e sem Dpvat) nos oito primeiros meses do ano, comparando-se ao acumulado de janeiro a agosto de 2018.

"Com esse resultado, o crescimento da arrecadação setorial - sem Dpvat e sem Saúde - já se encontra praticamente na média entre a projeção pessimista e a otimista para o ano de 2019 (5,3% a 8,7%)", assinala Marcio Coriolano, presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg), em editorial da nova Conjuntura CNseg.

A receita de agosto, de R$ 23,9 bilhões, caiu 6,2% sobre a de julho (sem Saúde e Dpvat), mas registrou forte expansão de 13%, na comparação com agosto de 2018. Na média móvel dos últimos 12 meses encerrados em agosto, o setor de seguros avançou 6,9%, para R$ 258,9 bilhões.

Mais uma vez, a análise constata crescimento sem uniformidade entre as diversas carteiras de negócios, refletindo os efeitos do ciclo da economia e as preferências dos clientes. No acumulado de oito meses, o segmento de Cobertura de Pessoas cresceu 14,5%, com forte contribuição da expansão dos Planos de Acumulação VGBL e PGBL, de 15,2%, e dos Planos de Vida - Risco, de 15,6%. A evolução do segmento de Danos e Responsabilidades continua mais contida no ano: 5,4%. Neste segmento, o ramo Patrimonial, de significativa participação relativa, está entre os destaques, com crescimento de 12,8% no período. Outras contribuições de dois dígitos, pela ordem, foram dos ramos de Seguros Marítimos e Aeronáuticos, de Crédito e Garantias, de Responsabilidade Civil e o Seguro Rural. O segmento de Títulos de Capitalização subiu 11,5% na base de oito meses acumulados, permanecendo na casa de dois dígitos. A anualização conta de setembro de 2018 a agosto de 2019 sobre setembro de 2017 a agosto de 2018.

.

China registra menor taxa de mortalidade hospitalar

A Comissão Nacional de Saúde (CNS) da China informou na quarta-feira que a taxa de mortalidade hospitalar está diminuindo gradualmente.

Essa taxa caiu de 1,1% em 2005 para 0,44% em 2018, disse Guo Yanhong, funcionário da CNS, em uma entrevista coletiva.

A taxa de mortalidade de pacientes hospitalizados com infarto agudo do miocárdio diminuiu de 6,12% em 2014 para 5,02% em 2017, segundo Guo.

Além disso, a taxa de mortalidade de pacientes com sangramento gastrointestinal diminuiu de 3,59% em 2014 para 1,72% em 2017.

Guo disse que a taxa de mortalidade de cirurgias craniocerebrais, que são difíceis e arriscadas, vem diminuindo há cinco anos.

O número total de trabalhadores médicos e de saúde ultrapassou 12,3 milhões na China, e o número de instituições médicas era de aproximadamente um milhão em 2018, apontou Guo.

Em comparação com 1949, a expectativa de vida média da China aumentou de 35 anos em 1949 para 77 anos em 2018, de acordo com dados da própria CNS.

.

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL

Congresso A Mongeral Aegon, seguradora que completará 185 anos de atuação no país em janeiro, estará presente no 21º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, realizado pela Fenacor e pelo Sincor-BA. A companhia levará aos mais de dois mil presentes muita inovação e tecnologia que têm sido desenvolvidas pela seguradora ao longo dos últimos anos. O evento acontece de 10 a 12 de outubro, na Costa do Sauípe, na Bahia.

O estande da Mongeral Aegon apresentará aos corretores de vida e demais ramos as iniciativas de inovação da seguradora. Uma delas é a ferramenta Venda Digital, pioneira no mercado. A plataforma permite ao corretor a digitalização de todo o processo de vendas, desde a sensibilização até a implementação, permitindo, inclusive, a aceitação automática em alguns casos.

Outra novidade será a apresentação de uma ferramenta que permite ao parceiro da companhia desenvolver um e-commerce 100% personalizado. Além disso, os corretores conhecerão as ferramentas de gestão de negócios, carteira e atividade tanto para o corretor pessoa física, quanto para quem é pessoa jurídica.

"Nós completaremos 185 anos em janeiro e somos a seguradora mais longeva do país. Estamos sempre em movimento, investindo fortemente no desenvolvimento de produtos modernos e em soluções que facilitem o dia a dia dos nossos mais de seis mil corretores parceiros de todo o país", comenta o diretor comercial, Osmar Navarini.

Também estará presente no estande as Mongeral Aegon a equipe da WinSocial, startup de tecnologia que permite a contratação de seguro de vida por pessoas com diabetes. Por meio de uma ferramenta, o cliente realiza de um tipo de teste rápido da saúde. A partir do resultado, a pessoa pode receber descontos especiais pelas suas boas condições médicas.

"Esta é uma nova forma de fazer análise de risco e, por meio da parceria com a WinSocial, podemos oferecer nossos seguros para pessoas com diabetes que geralmente são negadas ou têm o preço agravado em razão da doença", complete Navarini.

No dia 12 de outubro, durante o terceiro dia do Congresso, o presidente da Mongeral Aegon, Helder Molina, participará do painel Inovação & Insurtech, às 10h45. Já pela tarde, às 14h30, o vice-presidente do Conselho Consultivo da Mongeral Aegon, Marco Antônio Gonçalves, estará no painel Seguro de Pessoas & Benefícios, debatendo o futuro do mercado.

.

SEGURO CIDADÃO

Sustentabilidade O Grupo Sura está entre as 318 empresas que compõem o Índice Global de Sustentabilidade Dow Jones (DJSI, sua sigla em inglês), publicado nesta sexta-feira o qual destaca às organizações com melhores práticas de sustentabilidade, após avaliar sua gestão econômica, social e ambiental.

Desta forma, a Companhia foi incluída pelo nono ano consecutivo e está entre as três primeiras a nível mundial no setor de Serviços Financeiros Diversos e Mercados de Capitais, com uma qualificação superior a 98% entre as 16 companhias do setor que foram incluídas no índice global. Além disso, está posicionada como a única de origem latino-americana nesta indústria e, novamente, foi incluída no índice DJSI Mercados Emergente e o índice MILA.

O Grupo Sura obteve uma pontuação de 72 em 100, que analisa o resultado em três dimensões: econômica (67), social (80) e ambiental (82). Destaca-se a liderança na avaliação dos capítulos de inclusão financeira e relatório social, assim como avanços nas políticas e medidas anticrime, impacto na dinâmica pública e eco eficiência operacional.

Com esse reconhecimento, o Grupo Sura, como holding, e suas filiais Suramericana (seguros, tendências e riscos) e Sura Asset Management (aposentadorias, poupanças, investimentos e gestão de ativos), demonstram seu compromisso de gerenciar práticas que respondam a um ambiente de constantes mudanças, que lhes permitam permanecer vigentes e aproveitando oportunidades.

"Para nós, o Índice Global de Sustentabilidade Dow Jones é importante porque nos permite avaliar nossa gestão e identificar oportunidades de transformação e crescimento, com base nas melhores práticas empresariais. A cada ano, os padrões são mais exigentes e precisamos nos repensar para definir como permanecer relevantes e úteis para a sociedade, em um ambiente dinâmico e de mudanças constantes", afirma David Bojanini, presidente do Grupo Sura.

O setor privado é um parceiro chave no cumprimento dos objetivos da agenda de 2030 relacionados ao desenvolvimento sustentável. Fazer parte do DJSI mostra um maior compromisso com a gestão responsável, o desenvolvimento de novos modelos de inovação e a convicção de contribuir desde os fatos para os maiores desafios da sociedade.

"A sustentabilidade tem sido uma busca permanente nesses 75 anos de Suramericana, em nosso trabalho diário de contribuir para o bem-estar e para a competitividade das pessoas e das empresas, primeiro na Colômbia e depois em nove países da América Latina. Avaliações como a da Dow Jones reafirmam a convicção de sermos coerentes e promover um crescimento harmonioso entre o econômico, o social e o ambiental, para nos fortalecer como gestores de tendências e riscos", diz Gonzalo Pérez, presidente da Suramericana.

Da mesma forma, o Índice Dow Jones mostra que a sustentabilidade é um critério cada vez mais relevante nas decisões de investimento, uma vez que apoia e justifica estratégias abrangentes em aspectos financeiros e não financeiros que influenciam as melhores decisões de investimento.

"Fazer parte do índice Global de Sustentabilidade Dow Jones ratifica nosso compromisso de gerar confiança e relacionamentos de longo prazo com aqueles que nos escolhem na região para gerenciar seus recursos para a aposentadoria, assim como outros objetivos de poupança e investimento em diferentes momentos da sua vida. É também um sinal do nosso compromisso de ir além dos negócios e contribuir para o desenvolvimento dos países nos quais estamos presentes", afirma Ignacio Calle, presidente da Sura Asset Management.

A perspectiva e a vocação de longo prazo do Grupo Sura têm sido fundamentais em sua experiência de crescimento e expansão na América Latina, para gerenciar tanto os investimentos quanto os relacionamentos. O objetivo tem sido permanecer e contribuir para os 10 países em que está presente, além das conquistas imediatas e dos resultados, pois a Organização se foca na forma de como alcançá-los.

Estas são algumas iniciativas que contribuem para materializar a estratégia de sustentabilidade do Grupo Empresarial Sura: 4 milhões de beneficiários na América Latina com soluções de seguros e produtos de poupança e investimento com foco em inclusão financeira; aproximadamente 27 mil colaboradores formados virtualmente sobre o Sistema de Ética e Governo Corporativo; 1.600 líderes de equipes da Sura na América Latina formados na Escola para o Desenvolvimento da Liderança; US$ 5.738 milhões foi a soma em 2018 dos investimentos temáticos de bônus verdes, sociais, laranjas, entre outros; e US$ 1.926 milhões totalizaram os novos investimentos em renda fixa feito por Sura AM em 2018 que consideraram critérios ambientais, sociais e de governo corporativo (ASG).

A Suramericana trabalha visando a incrementar um 10% os investimentos de portfólio com qualificação ASG em 2020.

Relatório da Deloitte intitulado "2030 Purpose: Good Business and a Better Future", baseado em diferentes estudos econômicos apontou que as empresas que assumiram um forte compromisso com a sustentabilidade alcançaram resultados superiores a 11%, em relação aos resultados de seus concorrentes no mercado de valores.

Por esse motivo, na atualidade as empresas se deparam com ter de eleger entre focar nos rendimentos a curto e médio prazo ou, em vez disso, redirecionar sua estratégia de negócios para objetivos de longo prazo, alcançando desta forma a diferenciação e tendo uma avaliação mais positiva frente aos grupos de interesse.

.

Câncer de mama O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres, depois do câncer de pele não melanoma. Os tumores nas mamas são cerca de 28% de todos os novos diagnósticos nesse público. Apesar da doença apresentar incidência progressiva a partir dos 35 anos e o principal grupo de risco ter mais de 50, existe uma predisposição genética que faz com que tumores se desenvolvam em pessoas ainda mais jovens: a mutação BRCA, que é responsável por cerca de 10% do total de casos da neoplasia.

"Falar sobre a predisposição genética durante uma época que todos os olhares estão no câncer de mama, como o outubro rosa, é fundamental. É importante que as mulheres, mesmo que novas, fiquem atentas, principalmente aquelas que descendem de pessoas que têm ou tiveram a doença", comenta o médico Felipe Ades, oncologista do Hospital Oswaldo Cruz.

Pesquisa realizada pelo Centro de Investigação Translacional em Oncologia do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), mostrou que aproximadamente 17% das mulheres jovens diagnosticadas herdaram a característica. Segundo a especialista, é necessário que o assunto seja disseminado para que mais pessoas conheçam a possibilidade do teste genético. "O exame que verifica a predisposição não é invasivo, podendo ser feito por sangue ou urina. O ideal seria toda pessoa que tem casos de câncer de mama, ovário ou pâncreas na família consultasse um oncologista ou oncogeneticista para avaliar o risco de ser uma doença de caráter genético", completa.

Em um organismo saudável, esses genes são responsáveis pela proteção contra o desenvolvimento de cânceres. Mas, ao sofrer a mutação, perde essa capacidade, tornando-se mais suscetíveis à manifestação de tumores malignos, como câncer de mama, ovário, próstata e até mesmo câncer de pâncreas.

Por isso, é importante que a paciente esteja, realmente, atenta aos riscos, uma vez que cerca de 55% a 65% das mulheres com a mutação no BRCA1 e 45% das mulheres com a mutação no BRCA2 desenvolverão a doença até os 70 anos de idade. Nas mulheres com menos de 40 anos e mutação no BRCA1, é comum a associação a um câncer triplo negativo (receptores de estrógeno e progesterona negativos e baixa expressão da proteína HER2), o que indica, em princípio, pior prognóstico.

"O aconselhamento genético, com certeza, é um grande aliado para identificar as mutações BRCA e traçar a melhor estratégia de prevenção e tratamento destes tumores. Contudo, não é a realidade de muitos brasileiros, por isso, indicamos que aquelas que têm casos de câncer na família notifiquem seus médicos da necessidade de avaliar a possibilidade de ser uma doença hereditária e fazer testes genéticos", finaliza o especialista.

A mutação nos genes BRCA ganhou a atenção do mundo todo quando a atriz Angelina Jolie anunciou que era portadora da mutação genética, e retirou suas mamas e ovários de forma preventiva, em 2013. "Ambos os sexos possuem a possibilidade de ter mutações nos genes BRCA1 e 2, o que aumenta significativamente a incidência para o desenvolvimento de tumores na mama e ovário, e discretamente para câncer de pâncreas e próstata. Nós temos que estabelecer um contato próximo entre médico e paciente, para o quanto antes, para traçar a melhor estratégia de prevenção e diagnóstico precoce" explica Felipe.

O momento da descoberta de um câncer, ou até mesmo de uma mutação genética que aumente a chances de desenvolver algum tipo de tumor, é extremamente impactante. Nesse momento, é necessário empoderar o paciente com informação de qualidade que a auxilie em suas decisões, como afirma Maria Augusta Bernardini, diretora médica da AstraZeneca Brasil. "A partir do momento que temos a conscientização sobre doenças sérias com o câncer, conseguimos enfrentar uma mudança de paradigmas nos tratamentos desses tumores. Hoje em dia, podemos contar com diversas terapias-alvo que os atacam de modo efetivo, com menos efeitos colaterais, o que vêm a cada dia transformando o câncer em uma doença crônica tratável e com perspectivas animadoras aos pacientes", finaliza.

.

ENDOSSANDO

Clube da Bolinha O jantar do Clube da Bolinha deste mês aconteceu nesta terça-feira, 8 de outubro. Desta vez o encontro foi no Hotel Windsor Leme, na Avenida Atlântica.

Na ocasião, os confrades comemoraram junto à aniversariante do mês, Gloria Faria, que integra a atual reitoria do Clube. Ela ganhou um presente em nome de todos os Bolinhas.

Além disso, houve apresentação de dois candidatos para fazer parte da confraria: João Carlos Gahyva Rodriguez e Salvador Cicero Velloso Pinto. A eleição acontecerá no próximo encontro. Também foi decidida a data do jantar de Natal, marcado para 21 de dezembro.

Os participantes contaram com o tradicional clima de alegria e união de todos os eventos promovidos pelo Clube.

.

Panorama do Seguro - A 40ª edição do programa Panorama do Seguro recebe Celso Paiva, diretor da Alfa Seguradora e do Sindseg SP, que falou sobre o desenvolvimento da seguradora, as oportunidades e problemas do segmento de automóvel, os benefícios da tecnologia para o setor e, também, as iniciativas do Sindicato.

 

Segundo Paiva, o objetivo da Alfa Seguradora, desde que começou no mercado, é crescer e se especializar em outros segmentos além do automóvel. "A nossa carteira de automóvel representa quase 70% da nossa produção, mas a gente tem um esforço muito maior para perder a dependência desse produto e crescer mais aceleradamente nos outros segmentos, como os seguros de propriedade, benefício, vida, previdência, entre outros", explica.

Sobre as iniciativas do Sindseg-SP, ele diz que foi criado um Comitê, que se reúne uma vez ao mês, para tratar da tecnologia que vem crescendo e trazendo benefícios nas rotinas operacionais das seguradoras. "Esse é um trabalho um pouco grande que vai depender de bastante cuidado, pois o corretor, que é o intermediador do nosso mercado para a venda do seguro, precisa vir junto com o mercado segurador aproveitando as facilidades que a tecnologia nos traz em relação a distribuição, apresentação dos produtos, facilidades de consumo e até operacionais", conclui.

Confira a entrevista na íntegra: www.sindsegsp.org.br/site/sindsegsp-tv-video.aspx?id=70.

.

Massificados em Minas - Os consumidores mineiros estão mais atentos quanto à importância da proteção dos bens. É o que aponta um levantamento realizado pela Mapfre, de janeiro a junho deste ano, quando os seguros do segmento de Massificados tiveram um crescimento de cerca de 12% na comparação com o mesmo período de 2018.

A diretora territorial da Mapfre em Minas Gerais, Viviane Quinalha, comenta que os consumidores têm mudado o comportamento em relação a proteção de bens importantes, como a casa e a empresa, o que impulsionou o crescimento deste segmento. "Estamos constantemente realizando pesquisas e ouvindo os nossos parceiros de negócios para identificar as necessidades dos clientes e apresentar soluções adequadas a elas, e isso tem nos auxiliado a ter um bom desempenho também neste ramo", explica.

O segmento de Massificados abrange produtos residenciais, empresas, imobiliários, condomínios, garantias estendidas, proteções para equipamentos portáteis (como smartphones e tablets), entre outros.

Entre as proteções que tiveram mais procura pelos mineiros no período analisado, destaque para o seguro de Responsabilidade Civil Profissional, com 32,91%; Residencial (24,54%) e o Empresarial (12,64%).

"Buscamos diversificar o nosso portfólio e inovar nas coberturas lançadas para oferecer ao cliente um leque completo de proteções", ressalta a diretora.

Segundo ela, outro ponto que tem ajudado a companhia a se diferenciar no segmento é a ampla rede de distribuição. Isso porque a Mapfre é parceira de diversas cooperativas no estado, o que permite disponibilizar as proteções a clientes que estão em regiões muito distantes, nas quais única forma de acessar serviços financeiros e proteções é por meio dessas instituições coletivas.

.

'Quem cuida tem' A Seguros Unimed, marca especialista em cuidar da saúde e da proteção financeira dos brasileiros, apresenta a sua nova campanha publicitária: 'Quem cuida tem'.

A ação envolve algumas frentes de negócios em que a Seguradora atua, como Vida e Previdência, além dos seguros de Responsabilidade Civil Profissional. Por isso, o conceito é alinhado à ideia de que o cuidado é condição básica para ter, manter e preservar o que é mais importante na vida.

"Temos como propósito colaborar para transformar e viabilizar um futuro saudável para as pessoas, as instituições e o país, e esta nova campanha traduz todos esses valores", destaca o superintendente de Marketing e Produtos da Seguros Unimed, Henrique João Dias.

No ano em que a Seguradora celebra 30 anos de história, a campanha, com jingle e filme institucionais, passa a ser veiculada em rádio e TV, nas principais mídias de São Paulo, além de veículos segmentados de seguros. A construção conceitual foi conduzida pela Silo Agência, especialista na criação de campanhas focadas na comunicação digital e na conexão dos valores da marca com clientes e produtos.

"Utilizamos um conceito que transmite a personalidade da Seguros Unimed, baseado nos pilares de cooperação, cuidado e confiança. Esses atributos representam a nossa essência e servem de base para trilharmos o nosso futuro", explica Dias.

Assista ao vídeo da campanha: www.youtube.com/watch?v=miISnWWlgWI.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor