Advertisement

Servidores municipais fazem greve contra o SampaPrev

Novo regime aumenta a contribuição de 11% para 14% da folha de pagamento.

São Paulo / 04 Fevereiro 2019 - 22:51

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Nesta segunda-feira, os servidores públicos municipais de São Paulo entraram em greve contra o plano de previdência SampaPrev, instituído pela Lei 17.020/2018, aprovada pela Câmara dos Vere-adores nos últimos dias do ano passado.
O novo regime aumenta a contribuição de 11% para 14% da folha de pagamento e faz parte da reorganização previdenciária de São Paulo, rejeitada desde o início por servidores e oposição. Atual-mente, a Prefeitura de São Paulo conta com 121 mil servidores municipais ativos e 120 mil aposentados e pensionistas.
“Enquanto apertam os servidores e demais trabalhadores, arrochando salários e tirando seus poucos direitos, o dinheiro público é usado para financiar projetos e programas de bilionários e aumentar a fortuna de banqueiros e grandes empresários, sonegadores de impostos que ainda se beneficiam de programas de anistia e incentivos fiscais”, critica a nota dos sindicatos anunciando a greve geral.
Para marcar o dia da greve geral, os servidores realizaram na tarde desta segunda-feira um ato no centro da cidade, em frente à Prefeitura de São Paulo.
Atualmente, 11% do orçamento municipal é direcionado ao pagamento de aposentados e pensionistas. A categoria abarca professores, assistentes sociais, trabalhadores/as da saúde, arquitetos, urba-nistas e uma ampla gama de trabalhadores da cidade.
 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor