Semana pode ser mais positiva

Mercados permanecem positivos no exterior; Bovespa tem espaço para recuperação, com dólar um pouco mais forte e juros em leve alta.

Opinião do Analista / 11:27 - 13 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Uma semana inteira de quedas na Bovespa no período anterior, incorporando seis pregões seguidos de desvalorização. Na semana, a Bovespa perdeu 1,87%, e no ano já mostra queda de 0,12%. Enquanto isso, o Dow Jones registra alta de 0,66% e o Nasdaq com +1,75%, fazendo, inclusive, novos recordes históricos de pontuação.

Isso mesmo com toda a crise geopolítica instalada no Oriente Médio. Aqui fez preço para os ativos a produção industrial em nova contração e interrompendo três meses de expansão, junto coma ausência de notícias. OsTrês Poderes estão em férias coletivas e pouco acontece por aqui.

A semana começa felizmente com algum alívio, com a Guarda Revolucionária do Irã admitindo o erro e responsabilidade de ter abatido com mísseis o avião da Ucrânia. Já a França, a Alemanha e o Reino Unido defendem a manutenção do acordo nuclear com o Irã, contrariamente ao que desejava Trump, e dizem ser essencial que o Irã retorne ao acordo que disse abandonar.

Nos EUA, Trump advertiu o Irã para que não vá contra a população (com matança) por conta das manifestações que ocorrem por lá. A semana também começa com a expectativa de assinatura do acordo de comércio bilateral entre os EUA, a China e a expectativa de encontros semestrais entre os dois países para ajustar posições.

Angela Merkel da Alemanha, se encontra hoje com Putin da Rússia para conversar sobre o Irã e a França admite negociar a idade mínima para aposentadoria, aliviando tensões internas. Já o BoE (o Banco Central inglês) admite cortar juros e a libra mostra queda nesse início de manhã. Ainda no Reino Unido, a produção industrial de novembro caiu 1,2% e o saldo da balança comercial mostrou déficit de 5,3 bilhões de libras, quando o previsto era 11,9 bilhões de libras.

O Institute of International Finance (IIF) disse que o mercado global de dívida está próximo de atingir US$ 120 trilhões, com os emergentes responsáveis por 25% desse total, o que certamente é muito elevado. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em Nova Iorque mostrava estabilidade com o barril cotado a US$ 59,04, O euro era transacionado também próximo da estabilidade em US$ 1,112 e notes americanos de 10 anos com taxa de 1,84%, em alta.

Aqui, a Fipe anunciou o IPC da primeira quadrissemana de janeiro em desaceleração para 0,78%, de anterior em 0,94%. Já a pesquisa Focus, começa a mostrar os dados da semana, com a inflação de 2020 caindo para 3,58% (anterior em 3,60%), taxa Selic igual em 4,50%e em 2021 em 6,5%. O PIB projetado de 2020 mantido em +2,30% e 2021 em 2,50%. O dólar de final de ano caindo para R$ 4,04 (anterior em R$ 4,09), e superávit comercial de 2020 em queda para US$ 37,31 bilhões, de anterior em US$ 38,20.

Na agenda do dia, nenhum indicador com capacidade de mexer com os mercados, mas amanhã teremos a inflação americana pelo CPI (consumidor) e a semana embute também o PIB da China. Com isso, mercados permanecem positivos no exterior, acreditamos que a Bovespa tem espaço para recuperação, com dólar um pouco mais forte e juros em leve alta.

.

Alvaro Bandeira

Economista-chefe do Banco Digital Modalmais

Fonte: www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor