Sem refinarias impacto da alta do petróleo seria maior

Petrobras poderia segurar preços, mas optou por reajustar combustíveis.

Conjuntura / 22:47 - 18 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O forte aumento nas cotações internacionais do petróleo após o ataque a uma refinaria na Arábia Saudita representa um alerta para a vinculação dos preços dos combustíveis no Brasil à flutuação dos valores externos. A Petrobras, que adotou desde 2017 política de preços nesse sentido, anunciou nesta quarta-feira reajuste de 3,5% para a gasolina e 4,2% para o óleo diesel.
A situação, que já não é confortável para os motoristas brasileiros, especialmente os caminhoneiros, ficará ainda pior se concretizados os planos para privatização do refino. Na opinião do professor William Nozaki, da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FespSP), manter em atuação uma empresa integrada no setor de petróleo e gás é essencial.
“Tanto do ponto de vista macroeconômico, para a garantia do investimento, crescimento e geração de emprego, quanto do ponto de vista estratégico, para se assegurar a segurança energética, o abastecimento interno, a distribuição de combustíveis e derivados nacionalmente”, afirmou à RBA.
O professor de Relações Internacionais e Economia da Universidade Federal do ABC (UFABC) Giorgio Romano fez uma análise do mercado para o Jornal Brasil Atual: “O Brasil exporta petróleo cru e importa parte das suas necessidades em combustíveis, sobretudo diesel. Como a economia está fraca, a demanda é baixa, assim como é menor a dependência das importações. Se houver crescimento, e sem a expansão do refino – e nada indica, porque a Petrobras interrompeu seu esforço de ampliar a capacidade de refino, apostando na iniciativa privada – o país terá prejuízo.”
Romano acredita que os preços internacionais não se manterão em patamares elevados. Para o professor da UFABC, o aumento do dólar pode ter impacto muito maior na economia brasileira, devido à perda na capacidade de refino da Petrobras, por conta da proposta de privatização de quatro refinarias. 
 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor