SEG NOTÍCIAS - Receitas e despesas dos planos de saúde em ritmo de desaceleração

Seguros / 17:03 - 12 de mai de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Análise da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), com base nas demonstrações contábeis que as operadoras enviam regularmente à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), aponta que, entre dezembro de 2014 e o mesmo mês em 2015, a taxa de crescimento da receita de contraprestações dos planos sofreu queda de 2,3 pontos percentuais, enquanto a despesa assistencial (composta por gastos com consultas, exames, internações, terapias e outros) também encolheu em 3,6 pontos percentuais. Em dezembro de 2014, o setor registrou aumento de 2,1% na base de beneficiários de planos de saúde, enquanto, no mesmo período de 2015, ocorreu contração de 1,9%. Portanto, todo esse quadro reflete, entre outros fatores, a deterioração da atividade econômica no país e, principalmente, a retração do mercado de trabalho formal e da renda nos últimos anos. Outro ponto a destacar é que, embora essas duas rubricas tenham sofrido redução de expansão em 2015, a receita dos planos no país cresceu ligeiramente acima da despesa assistencial, alcançando um resultado mais equilibrado, diferentemente do que vinha ocorrendo nos anos anteriores. Na comparação com 2014, a receita de contraprestações aumentou 13,7%. Já a despesa assistencial subiu 13,4% no período. Esse cenário pode resultar de um ajustamento dos preços à realidade econômica ou na gestão dos riscos assistenciais, por exemplo renegociando com prestadores de serviços. Apesar disso, persiste a preocupação do setor e da sociedade com fatores como a escalada sempre acentuada dos custos, os elevados desperdícios no atendimento e a crescente judicialização, entre outros aspectos que impulsionam a inflação médica, com isso prejudicando o equilíbrio financeiro do sistema. Em números absolutos, a despesa assistencial do mercado de planos de saúde alcançou R$ 121,5 bilhões, em 2015. Já a receita de contraprestações chegou ao montante de R$ 148,3 bilhões. O gasto total do setor de Saúde Suplementar somou R$ 147,5 bilhões, crescendo 12,6% em 2015, na comparação com o ano anterior. Assim, o resultado operacional foi positivo em R$ 0,8 bilhão, interrompendo série consecutiva de margens negativas. O crescimento das despesas assistenciais - influenciado por gastos com consultas, exames e internações, entre outros - levou a sinistralidade do setor para 81,9%. Considerando apenas as operadoras do segmento médico-hospitalar (medicina de grupo, cooperativa médica, seguradora especializada em saúde, filantropia e autogestão), esse indicador registrou 82,1%. O mercado de Saúde Suplementar constituiu mais de R$ 28,9 bilhões em provisões técnicas - posição até dezembro de 2015. Esse valor corresponde a 23,8% das despesas assistenciais do setor no ano. As provisões técnicas são o lastro financeiro que formam as garantias para os riscos assumidos pelas operadoras com beneficiários de seguros e planos e com os prestadores de serviços. . Especialista explica como calcular e economizar no seguro residencial Para tirar todas as dúvidas sobre seguro residencial, o Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre reuniu as principais dicas e orientações sobre o produto. "O primeiro questionamento a ser feito é se a família consegue readquirir os bens se alguns desses imprevistos ocorrerem. Se a resposta for não, é preciso comprar imediatamente. Na maioria dos casos, o imóvel é o maior patrimônio físico de uma família", explica Jabis Alexandre, diretor geral de Massificados do Grupo BB e Mapfre. "A valorização imobiliária não influencia no custo do seguro. Por isso, considerando esses itens, é possível obter uma apólice com preços competitivos. Hoje, o valor médio é de R$ 250, ao ano", complementa o especialista. As assistências gratuitas também são ferramentas importantes na economia do orçamento doméstico. Com serviços de profissionais como encanador, chaveiro, eletricista e vidraceiro, a apólice evita o gasto com serviços emergenciais que ocorrem com frequência (troca de fechaduras, canos entupidos etc.). . DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL
Representantes do setor debatem melhorias para a Saúde Suplementar A Unimed do Brasil promoverá a 18ª edição do Comitê Nacional de Integração (Conai) e o 6º Fórum de Regulação, em parceria com a Unimed Maceió, entre os dias 11 e 13 de maio, no Hotel Ritz Lagoa da Anta (Av. Brigadeiro Eduardo Gomes de Brito, 546 - Lagoa da Anta - Maceió, AL). O evento reunirá dirigentes, médicos cooperados de todo o Brasil e representantes do setor de Saúde Suplementar, da esfera pública e de órgãos reguladores para contribuir com as discussões que serão realizadas a partir do tema "A integração e transparência". Estarão presentes Eudes de Freitas Aquino, presidente da Unimed do Brasil; Paulo Hartung, governador do Espírito Santo; Rafael Pedreira Vinhas, gerente geral da Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos da ANS; André Alexandre Osmo, superintendente de Novos Negócios do hospital Sírio Libanês; Victor Rufino, procurador-chefe do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade); Manuel Lacerda Cabral, gerente de Unidade de Negócio da Health Market Research, e José Felipe Riani Costa, gerente-executivo de aprimoramento do relacionamento entre prestadores e operadoras da ANS. Segundo o presidente da Unimed do Brasil, Eudes de Freitas Aquino, para buscar equilíbrio econômico em um momento desafiador existente no país, o setor da saúde deve focar na gestão eficaz dos recursos existentes. É necessário que toda a cadeia esteja empenhada na busca pela excelência operacional e assistencial. “A reavaliação e a troca de boas práticas contínua entre os serviços prestados pela Unimed garantem a qualidade do atendimento realizado por todas as cooperativas que compõem o Sistema”, explica o executivo. A presidente da Unimed Maceió, Viviane Vieira Malta, destaca que o cenário regulado e de dificuldades econômico-financeiras evidencia a necessidade de gestões responsáveis, competentes e comprometidas, tornando ainda mais relevante o evento. "A troca de experiências e a discussão de soluções comuns integram e fortalecem as cooperativas e, consequentemente, o Sistema Unimed", afirma. . Programa Na Pista Certa - Jundiaí recebe a partir desta quinta-feira (12) as apresentações do Programa Na Pista Certa, da Fundación Mapfre, que proporciona vivências lúdicas e pedagógicas em um espaço cenográfico com estrutura modular e itinerante para o público infantil. A realização do projeto em Jundiaí é uma parceria com a Secretaria Municipal de Transportes e Secretaria Municipal de Educação. As atividades acontecerão até o dia 21 de maio, no Parque Comendador Antônio Carbonari. Cada apresentação dura cerca de 50 minutos e será voltada para 30 crianças. As escolas participantes agendaram previamente as atividades, que acontecerão na parte da manhã (8h30 às 11h30) e da tarde (13h às 15h50). Além dos estudantes, o público visitante do parque também pode participar das atividades do programa à partir das 8h30, principalmente aos sábados, pois não há agendamento escolar. O Programa Na Pista Certa possui monitores que apresentam conteúdos de segurança viária e valores como o respeito ao próximo e ao meio ambiente. As crianças participam de atividades que promovem comportamentos e atitudes responsáveis e cívicas em relação ao trânsito, visando mostrar os diferentes pontos de vista: motorista, passageiro, pedestre, ciclista, entre outros atores do trânsito. Durante as atividades são apresentadas regras de convivência e de valores como solidariedade, respeito, inclusão e gentileza para a segurança e integridade das pessoas. Além disso, é possível aprender sobre as relações entre transporte particular, coletivo e meio ambiente, pois são abordados temas como emissão de gases poluentes, poluição sonora, entre outros. Desde sua implantação, em 2007, o Na Pista Certa já beneficiou mais de 120 mil crianças de 5 a 10 anos de 10 Estados do Brasil. Em 2016, mais de 15 cidades do Estado de São Paulo receberão as apresentações do programa. . Academia de treinamento para corretores parceiros A Porto Seguro Consórcio oferece cursos à corretores parceiros da empresa por meio da Academia de Treinamento do Consórcio, com o intuído de prepará-los para que possam construir uma abordagem baseada em um conhecimento mais aprofundado a respeito do produto e como funciona, suas vantagens, como instruir o cliente a escolher a melhor opção que se encaixe em sua necessidade, entre outros temas. "A academia de treinamento tem replicado as possibilidades que o consórcio traz, não só do ponto de vista comercial do corretor e vantagens para ele, mas em especial para o cliente" comenta Rafael Boldo, gerente de Desenvolvimento Comercial e Produto da Porto Seguro. O curso foi preparado para o parceiro corretor, fornecendo a ele as informações necessárias sobre o assunto por meio de cursos de diversas frentes, como técnicas de vendas, dados de mercado, noções de investimento, e todo o contexto em que o consórcio está inserido, instruindo-o para o negócio. Exemplo disso é uma das palestras criadas para os corretores intitulada: "o que não te contaram sobre o consórcio" que retrata desmistificações sobre o tema. . SEGURO CIDADÃO
ANSP participa de Copaprose - A Academia Nacional de Seguros e Previdência (ANSP) esteve presente no XXVI Congresso Panamericano Copaprose Brasil 2016, que foi realizado no Rio de Janeiro com a presença de autoridades do mercado brasileiro e da América Latina. O tema central do evento é "Para onde caminha o Seguro na América Latina?" O 4º painel do Copaprose foi representado por acadêmicos da ANSP, o primeiro tema apresentado foi Riscos Climáticos. "É importante pontuarmos que ao nos referirmos à acidentes naturais não estamos adstritos aos eventos meteorológicos, mas, para além deles, aos geofísicos, hidrológicos e climatológicos. É preciso, também, que entendamos que o aumento das cidades, descontrolado e em áreas de risco, traz a sensação de que estes eventos crescem em gravidade e tamanho, quando, na verdade a participação do homem é decisiva para a dimensão dos prejuízos, inclusive a perda de vidas humanas", afirma a acadêmica Ana Rita Petraroli, diretora de Relacionamento com as entidades seguradoras e resseguradoras. Logo em seguida o assunto a ser abordado foi Riscos Catastróficos e Ambientais, a acadêmica Márcia Cicarelli explicou as principais características da Responsabilidade Civil Ambiental e as diferenças entre a cobertura de Poluição Súbita (que integra as apólices de Responsabilidade Civil Ambiental) e a Apólice para Riscos Ambientais. "A responsabilidade civil ambiental é muito ampla, adotando a Teoria do Risco Integral, não admitindo nenhum tipo de excludente, como o caso fortuito ou força maior. Além disso, toda a cadeia de poluidores, mesmo os chamados poluidores indiretos, podem ser responsabilizados. Os custos de limpeza de locais contaminados podem perdurar por muitos anos. Por isso, é essencial que a empresa verifique o potencial de exposição ambiental de sua atividade para verificar qual a cobertura securitária adequada. Ainda há muita desinformação no mercado sobre as diferenças e limitações das coberturas securitária para a responsabilidade civil ambiental", explica a acadêmica Marcia Cicarelli Barbosa de Oliveira, diretora de Cátedras. Riscos Cibernéticos foi o terceiro assunto " Foram apresentados os riscos pessoais e corporativos a que estamos sujeitos no dia a dia com os ataques cibernéticos e sobre os cuidados pessoais, da necessidade urgente da criação de produtos de seguros que minimizem as perdas associadas e as mudanças requeridas para aperfeiçoar as nossas leis, no que se refere à obrigatoriedade de notificação nos casos de quebra de confidencialidade", explica o palestrante acadêmico Sérgio Nobre, diretor de Relacionamento com o segmento de ensino. O presidente da ANSP, Mauro César Batista, participou do painel "Possíveis Cenários Econômicos: uma Visão Panamericana", abordando a evolução recente da indústria de seguros e o que podemos esperar para o futuro considerando o impacto do avanço tecnológico na vida das pessoas e das empresas, o aumento da longevidade e o crescimento econômico da China. . Projetos de inclusão financeira - A MetLife Foundation, que faz parte da área de Responsabilidade Social da MetLife, acaba de divulgar seu Relatório Anual sobre as principais atividades globais desenvolvidas ao longo do ano de 2015. A fundação disponibilizou US$ 200 milhões de 2008 a 2013 para garantir que pessoas de vários países tenham acesso à educação financeira para construírem suas vidas da melhor forma possível. Em 2015, foram investidos mais US$ 100 milhões nessa inciativa. Os principais destaques do Relatório Anual são os parceiros da fundação que têm se dedicado cada vez mais ao avanço do projeto. "Nesse último ano, enquanto eu viajava pelo mundo conhecendo nossos parceiros e seus clientes, fiquei encantado com a dedicação que eles trazem para as necessidades das comunidades onde operam", disse Dennis White, presidente da MetLife Foundation. "Ver a diferença que esses grupos estão fazendo na vida das pessoas e de suas famílias é verdadeiramente inspirador", conclui o executivo. Além da inclusão financeira, a MetLife Foundation também apoia outras áreas como pesquisas médicas, artes, cultura, saúde, desenvolvimento comunitário e iniciativas empregadoras. Esses projetos trazem benefícios significativos para as comunidades locais em todos os países em que a MetLife - líder global em soluções para vida, previdência e planos odontológicos - está presente. . ENDOSSANDO
Dia das Mães do Clube da Bolinha será comemorado com tradicional almoço O Clube da Bolinha convida todos os seus associados, que têm direito a um acompanhante, para o tradicional almoço em homenagem ao Dia das Mães. O evento será realizado no dia 21 de maio, no restaurante do Hotel Windsor Barra (Avenida Lúcio Costa, 2.360, Barra da Tijuca). É necessária a confirmação de presença do(a) Bolinha e do(a) acompanhante. . Seguros sob medida para operações de car sharing Para estimular a mobilidade e contribuir para a redução do número de carros em circulação, trazendo benefícios para o meio ambiente e o trânsito, o Grupo Segurador Banco do Brasil e Mapfre tem apoiado ‘startups’ que operam com car sharing, em português 'compartilhamento de carros', por meio da oferta de seguros feitos sob medida para o negócio. O car sharing tem crescido no Brasil e caracteriza-se por um modelo de negócio em que os proprietários de automóveis disponibilizam seus veículos, nos períodos em que ficam ociosos, para pessoas que necessitam apenas eventualmente de um carro. O seguro oferecido pelo BB e Mapfre engloba as coberturas de colisão, incêndio, roubo, furto, assistência 24h e responsabilidade civil pelo período que compreende a entrega das chaves até a devolução do veículo. Podem ser segurados carros com até 10 anos de uso e quilometragem abaixo de 100 mil quilômetros, sendo o valor da indenização, em caso de sinistro, equivalente a 100% da tabela Fipe, até o limite de R$ 70 mil. "O rápido crescimento da frota de automóveis mundial, que hoje já é mais de 1 bilhão e deve dobrar em 10 anos, estimula a prática de compartilhamento. Além das questões econômicas e ambientais, a atual facilidade tecnológica é outra forte aliada para a prosperidade do car sharing, que se mostra ainda mais vantajoso em tempos de crise", afirma Jabis Alexandre, diretor geral de seguros de Automóveis e Massificados do BB e Mapfre. Toda a transação é feita online por meio dos sites das empresas com quem o BB e Mapfre mantém parceria atualmente - a Parpe) e a PegCar -, incluindo a contratação do seguro, que é feita de maneira automática na operação. Para alugar o carro, é necessário apresentar a carteira nacional de habilitação, por meio da qual são checadas informações do condutor, como histórico de acidentes, entre outros dados, garantindo a máxima segurança na operação. "Na Parpe, por exemplo, o compartilhamento pode ser restrito a amigos do facebook, o que permite a busca por referências pessoais de locador e locatário com pessoas do mesmo círculo pessoal", afirma Guilherme Cury, gerente de Marketing da Parpe. Nos últimos meses, o Grupo BB e Mapfre tem promovido diversas iniciativas em prol da mobilidade urbana. As ações vão desde o incentivo a caronas entre os colaboradores à instalação de estrutura de apoio a ciclistas em diversos locais, sendo a mais recente delas a inauguração de uma Ciclofaixa na cidade de Ribeirão Preto (SP) e a instalação de estacionamentos e estações de reparo nos parques Candido Portinari e Villa Lobos, em São Paulo.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor