SEG NOTÍCIAS - 14.06

Começa a valer suspensão de 51 planos de saúde pela ANS

Seguros / 16:53 - 14 de jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Passa a valer hoje a suspensão da venda de 51 planos de saúde em todo o país, determinada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) na última semana. Os planos listados não poderão ser comercializados ou receber novos clientes temporariamente. A medida é resultado do Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento, que acompanha o desempenho do setor e atua na proteção dos beneficiários. Neste ciclo, a reguladora determinou a suspensão temporária da comercialização de planos de 11 operadoras em função de reclamações assistenciais recebidas no período, tais como: cobertura assistencial, prazo máximo de atendimento e rede de atendimento, entre outras.
Juntos, os planos atendem cerca de 600 mil beneficiários, que ficam protegidos com a medida e têm mantida a garantia à assistência regular. Paralelamente à suspensão, a Agência liberou a comercialização de 27 planos de saúde de 10 operadoras que haviam sido suspensos em ciclos anteriores. A liberação indica que esses planos poderão voltar a ser vendidos para novos clientes também a partir desta sexta-feira.
O Monitoramento da Garantia de Atendimento avalia as operadoras a partir das reclamações registradas pelos beneficiários nos canais da ANS. O objetivo do programa é estimular as empresas a garantir o acesso do beneficiário aos serviços e procedimentos definidos no Rol de Procedimentos da ANS, de acordo com o que foi contratado. Assim, os planos suspensos só podem voltar a ser comercializados quando forem comprovadas melhorias.
"Ao proibir temporariamente a comercialização dos planos que estão sendo alvo de reclamações, a ANS obriga as operadoras a se esforçarem para garantir o acesso do beneficiário aos serviços que foram contratados. Somente com a adequação do atendimento, essas operadoras poderão receber novos clientes", explica o diretor de Normas e Habilitação dos Produtos, Rogério Scarabel.
Foram consideradas reclamações (como negativas de cobertura e demora no atendimento) recebidas entre 1º de janeiro e 31 de março de 2019. No período, foram registradas 19.411 reclamações de natureza assistencial nos canais de atendimento da ANS. Dessas, 18.789 foram consideradas para análise pelo Programa de Monitoramento, excluindo-se as demandas finalizadas por motivos como duplicidade.
Nesse período, 93,56% das queixas foram resolvidas pela mediação feita pela ANS via Notificação de Intermediação Preliminar (NIP), índice que regularmente tem se mantido superior a 90% em resolutividade, garantindo resposta ao problema dos beneficiários.
Os beneficiários também podem consultar informações do monitoramento por operadora, conferindo o histórico das empresas e verificando, em cada ciclo, se ela teve planos suspensos ou reativados. Para dar mais transparência e possibilitar a comparação pelos consumidores, a ANS disponibiliza ainda um panorama geral com a situação de todas as operadoras, com a classificação das empresas nas quatro faixas existentes (que vão de 0 a 3).
.
Mercado segurador brasileiro cresce 4,9% no primeiro quadrimestre
O faturamento do mercado de seguros brasileiro totalizou R$ 81 bilhões no primeiro quadrimestre deste ano, revelando alta de 4,9% em comparação ao mesmo período do ano passado.
O resultado não inclui dados de saúde suplementar, que são disponibilizados a cada trimestre pela ANS, nem do Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Seguro Dpvat).
Com a inclusão de números do Dpvat, a arrecadação sobe para R$ 82,2 bilhões e o crescimento no quadrimestre fica em 3,2%, disse hoje (14) à Agência Brasil o diretor técnico e de Estudos da Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg), Alexandre Leal.
Tiveram forte expansão no acumulado deste ano até abril os ramos de seguros marítimos e aeronáuticos (52,5%), crédito e garantias (38,4%), patrimoniais (16,1%) e planos de risco em cobertura de pessoas (14,8%). Segundo Alexandre Leal, o comportamento dos setores este ano se mostra muito divergente.
"Enquanto os planos de risco em cobertura de pessoas tiveram incremento de quase 15%, os planos de acumulação, que envolvem PGBL e VGBL, ficaram praticamente no zero a zero". A queda no período janeiro a abril nos planos de acumulação alcançou 0,6%.
Alexandre Leal informou que no seguro de danos e responsabilidades, a principal carteira do segmento, que é a carteira de automóveis, que representa quase 50% da arrecadação do ramo, não apresentou crescimento nos quatro primeiros meses de 2019, mas teve pequena queda de 0,4%. Enquanto isso, outros ramos menos relevantes em termos de arrecadação tiveram crescimento muito bom. "É o caso de seguros patrimoniais, com 16% de ganho, ou crédito garantido, mais de 38% de ganho".
O diretor técnico da confederação observou que alguns ramos de seguro vêm mostrando bom desempenho de forma consistente, mas acabam não refletindo em todos os segmentos e, na média, acabam tendo desempenho mais modesto. A própria capitalização, que não é um produto importante, disse Leal, vem com crescimento bom neste ano, de 9,78%.
Em sua avaliação, isso reflete um pouco a procura da população por algum tipo de proteção. "Está mais ligado a crescimento econômico, emprego, renda, que estão aí com um pouco de atraso nessa retomada".
O diretor afirmou que a recuperação da economia poderá aumentar a procura por seguros. A expectativa é que, se houver retomada mais consistente do nível de emprego e também melhoria da renda do trabalhador, isso acabará refletindo no setor segurador de forma mais produtiva também.
A expectativa da confederação é de crescimento em torno de 6,9% para o setor como um todo em 2019, abaixo da previsão efetuada em fevereiro deste ano de 7,1%.
Neste cenário, considerado mais otimista, o Produto Interno Bruto cresceria 1,3% no ano; a produção industrial teria alta real de 1,57%; a taxa de juros básica Selic recuaria para 6% ao ano; o câmbio ficaria em R$ 3,61; e a inflação oficial seria de 3,80%, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
Em uma visão pessimista, a alta prevista para o setor atinge 4,7% e considera a aprovação da reforma da Previdência incompleta; a desvalorização mais acentuada do câmbio; juros básicos em trajetória de alta; e crescimento da economia abaixo do observado em 2018, que foi da ordem de 1,1%.
Para o presidente da CNSeg, Márcio Coriolano, "o aumento das incertezas, tanto na economia brasileira quanto em escala global, torna as projeções um desafiador exercício. São tantas variáveis capazes de provocar reação ou retração dos mercados, que sua combinação, no final, definirá a trajetória do setor segurador".
.

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL
Insutech & Inovação - I - O CQCS Insurtech & Inovação, realizado nesta quarta e quinta-feira (12 e 13), em São Paulo, foi um sucesso. Participam do evento agências reguladoras, seguradoras, insurtechs, investidores, prestadores de serviços tecnológicos e empreendedores do seguro de toda América Latina. A Previsul Seguradora marcou presença no painel "Porque o Corretor é o Futuro da Proteção", com o presidente, Renato Pedroso, e também com o seu estante, com diretores e gerentes.

Para a diretora de Negócios e Marketing, Andréia Pedroso, participar de eventos como este é fundamental para estreitar relacionamentos. "Durante todo o evento, a importância do corretor só foi reforçada. A tecnologia é um aliado no dia a dia do corretor e a Previsul tem investido diariamente nisso. Entretanto, o atendimento presencial está em nosso DNA e por isso fizemos questão de vir com uma equipe robusta para atender os corretores que estiveram no evento. Estamos sempre atentos às necessidades deles para que possamos evoluir ainda mais", afirma.
Sempre atenta às demandas de mercado e buscando oferecer mais vantagens, tecnologias e benefícios para corretores, segurados e estipulantes, a Previsul Seguradora está sempre inovando para facilitar o dia a dia das pessoas. Em seu estante, os participantes do evento puderam conhecer um pouco das novidades da seguradora e as ferramentas disponíveis aos corretores, como o Portal do Corretor, o Cota+, cotador online da seguradora, o Portal do Estipulante e o aplicativo, além do primeiro produto lançado no projeto de ampliação de portfólio: o produto Empresarial.
"Investimos em tecnologia e adaptamos as tendências de inovação no mercado de seguros, criando ferramentas que buscam facilitar as nossas operações para entregar mais eficiência e mais qualidade operacional para o corretor, o desenvolvimento das equipes internas e o posicionamento da empresa como a seguradora digital do corretor", afirma o diretor Operacional, João Paulo Mirosvick.
As ferramentas digitais também otimizam os processos administrativos da companhia. "Os documentos com assinatura online são utilizados tanto por corretores como para procedimentos internos. Eles facilitam a vida do corretor e de tudo que o envolve as demandas administrativas, além de gerar um impacto positivo e reduzir tempo", observa o diretor financeiro, Fernando Moraes.
Na avaliação do diretor Técnico Thiago Soares, a tecnologia é peça fundamental para o desenvolvimento do setor atuário e seu uso permite uma análise de dados mais consistente, o que contribui para o desenvolvimento de novos negócios. "Ao alinharmos tecnologia e nível técnico bem estruturado, é possível ser mais assertivo em nossas estratégias, bem como, em resultados operacionais. Isso traz ainda mais vantagens para o corretor de seguros, nosso principal parceiro na comercialização dos produtos. O uso da tecnologia para maior eficiência e eficácia na análise de dados também nos ajuda muito em pensarmos projetos e propostas para o segurado e corretor trazendo grandes benefícios para todos".
.
Insutech & Inovação - II - O presidente do Clube Vida em Grupo de São Paulo (CVG-SP), Silas Kasahaya, e o diretor de Relações com o Mercado, Gustavo Toledo, marcaram presença na segunda edição do CQCS Insurtech & Inovação. A transformação do seguro a partir da incorporação de novas tecnologias foi o enfoque principal de algumas palestras, como a do investidor Jonathan Kalman, sócio e fundador da EOS Venture.
Reconhecido como uma das maiores autoridades em investimentos nos segmentos de fintechs e insurtechs, Kalman acredita que o principal impacto da tecnologia aplicada às operações de seguros será a redução de custos. "Os custos vão cair e possibilitar a transformação da indústria de seguros", disse. Sua previsão é que em 10 anos toda a indústria terá sido reinventada. "O seguro não é muito afeito a inovações, mas precisa entender que essa mudança é inevitável", disse.
Outro tema em debate foi a criação de regulação específica para o segmento de insurtechs. A Superintendência de Seguros Privados (Susep) divulgou, no dia 13, por meio de comunicado conjunto com o Ministério da Economia, Banco Central e CVM, a intenção de implantar um modelo de sandbox regulatório no Brasil. De acordo com o comunicado, o surgimento de novos modelos de negócio impõe aos reguladores o desafio de atuar com a flexibilidade necessária, dentro dos limites permitidos pela legislação.
Durante o evento, o diretor da Susep, Eduardo Fraga adiantou que o sandbox será uma opção para as insurtechs que desejam subscrever e reter riscos, porém, com alguns requisitos, como prazo limitado e capacidade financeira. Também será condição para se enquadrar na regulação específica que a solução criada pela insurtech esteja pronta para entrar em operação.
"As novas tecnologias estão provocando uma revolução no setor de seguros. Por isso, é importante, neste momento, discutir como nos preparar para esse futuro, que está muito próximo", disse o presidente do CVG-SP. A programação do CQCS Insurtech & Inovação contempla de 40 horas de conteúdo e a participação de 80 palestrantes nacionais e internacionais, distribuídos em quase 30 painéis diferentes, além da Expo Insurtech - feira de exposição e negócios.
.
Insutech & Inovação - III - A experiência do corretor e do cliente deve estar no foco da estratégia de inovação das seguradoras, afirmou o superintendente de Digital e Inovação da SulAmérica, Alexandre Putini, em palestra nesta quinta, durante o 2º CQCS Insurtech & Inovação. Segundo o executivo, esse compromisso com a geração de valor por meio das soluções digitais tem sido um pilar da bem-sucedida transformação digital da SulAmérica.
"A grande inovação da SulAmérica está na forma como a companhia utiliza as novas tecnologias para oferecer a melhor experiência para corretores de seguros e clientes. Para isso, estamos transformando de forma acelerada a cultura organizacional, com a adoção de metodologias ágeis, formatos colaborativos de trabalho e estímulo à experimentação constante, de modo a criar soluções realmente surpreendentes para corretores, segurados e parceiros por meio da tecnologia", afirmou Putini.
O executivo destacou, ainda, os serviços pioneiros que foram desenvolvidos pela SulAmérica em ativos digitais nos últimos anos. Um dos cases apresentado foi o aplicativo SulAmérica Saúde, por meio do qual o segurado consegue acessar sua carteirinha virtual, aceita em toda a rede referenciada, e encontrar médicos, clínicas e hospitais por geolocalização, além de solicitar reembolso. O app traz, ainda, os serviços Médico em Casa, que permite agendar atendimento médico em domicílio para crianças de até 12 anos e idosos a partir de 65 anos em 19 cidades brasileiras, e Médico na Tela, por meio do qual pais e responsáveis podem agendar videochamadas com pediatras para orientações de saúde.
A manhã do segundo dia de evento do CQCS Insurtech & Inovação 2019, reuniu grandes nomes do mercado de seguros internacional. Além da abertura com o fundador da CQCS, Gustavo Doria, nomes de peso como John Drzik, Jonathan Kalman e Leena Johns, vice-presidente global de Saúde da MetLife, compuseram o quadro da programação matutina.
Gustavo Doria abriu o evento apresentando uma novidade para o público: a criação da CQCS SegLab. "Vamos executar a ideia de um hub físico de inovação, mais precisamente um prédio. Queremos reunir em um só lugar seguradoras, resseguradoras, insurtechs e escritórios de advocacia, todos trabalhando em um mesmo edifício, com espaços de trabalho compartilhado", conta Gustavo. O objetivo é ser a primeira no mundo em multimarcas que reún a esse segmento de mercado.
Dando início às palestras, John Drzik, presidente da Marsh Global Risk and Digital, trouxe um debate pautado em gerenciamento de riscos e mudanças no capital de organizações. "Queremos prever o futuro a partir de perdas históricas. É assim que nos desenvolvemos, olhando para o passado. Precisamos mudar e ver o que está acontecendo em tempo real, conhecido como New Streams of Data", conta John.
Para ele, tecnologias como Wearables, Telematics e Property Sensors permitem a predição de dados mais exata, além de avaliar melhor os sinistros. "Quando a análise de dados progride, é possível prever mais crises e atrair os olhares de mais investidores", completa. O presidente da multinacional frisou também a importância do monitoramento de risco, explicando que os trabalhadores de uma empresa, se melhor monitorados, são capazes de reduzir os riscos e interferir diretamente no impacto de lucros.
O segundo painel da programação foi ministrado por Jonathan Kalman, fundador da Eos Venture Partners. Ele é considerado a maior autoridade em investimento focado em fintechs e insurtechs e um dos maiores investidores de risco. Jonathan apresentou 10 cases de insurtechs para os participantes. Um deles fala sobre a Snapsheet, conhecida por automatizar os sinistros com estimativas precisas. "A dica para quem está começando no mercado de startups é se associar a empresas de múltiplos mercados para que assim haja redução de custos", enaltece o palestrante.
O evento também contou com a palestra de Leena Johns, vice-presidente global de Healthcare da MetLife e também responsável pelo desenvolvimento e implementação global de estratégias de saúde e bem estar. A executiva pontou que um dos principais problemas que as empresas multinacionais enfrentam é o preço gasto nas taxas médicas. "A MetLife realiza estudos de bem estar em ambientes corporativos e existe uma unanimidade nos indicadores que apontam que os funcionários dão mais valor aos benefícios fornecidos pelas empresas do que efetivamente ao salário", completou.
Leena também ressaltou a necessidade de uma análise de dados coerente e a unificação dessas informações para um mapeamento que diagnostique com veracidade a real situação das empresas. "Com uma boa análise dos dados conseguimos, por exemplo, mapear todas as doenças clínicas do quadro de funcionários de um escritório e propor soluções ou caminhos a serem seguidos", finalizou.
.
Prêmio de Produção Científica em Saúde Suplementar tem inscrições abertas
O Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (Iess) abre hoje as inscrições para o IX Prêmio Iess de Produção Científica em Saúde Suplementar. Já no nono ano, a premiação conta com cerca de 50 trabalhos laureados e algumas centenas de estudos avaliados, consolidando-se como a principal premiação de trabalhos acadêmicos com foco em saúde suplementar no Brasil. "O Prêmio Iess é muito importante para atrair acadêmicos para a área da saúde e especificamente para a saúde suplementar, fomentando a produção de conhecimento e a realização de pesquisas importantes para o aprimoramento do setor ao mesmo tempo em que promove o justo reconhecimento a esses estudiosos", avalia José Cechin, superintendente-executivo do Iess.
Cechin afirma que, este ano, o cenário da saúde no País está particularmente "frutífero" em temas para pesquisa, com questões como a regulação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a Telemedicina e a Judicialização da Saúde ganhando relevância no noticiário nacional e atraindo a atenção não apenas de gestores e pesquisadores do setor, mas da população como um todo. "Estamos ansiosos para ver os trabalhos que serão inscritos este ano."
Podem ser inscritos trabalhos de conclusão de curso de Pós-graduação (Especialização, MBA, Mestrado ou Doutorado) nas áreas de Economia, Direito e Promoção de Saúde, Qualidade de Vida e Gestão em Saúde. Devido ao sucesso, o espaço para exibição de pôsteres durante a cerimônia de entrega do Prêmio Iess, inaugurado em 2018, também está mantido. Nesse caso, além dos trabalhos de Pós-graduação podem ser inscritos trabalhos de Graduação. As inscrições para o IX Prêmio Iess e para exibição de pôster são gratuitas e vão até 13 de setembro. Cada candidato pode inscrever apenas um trabalho ao prêmio, mas múltiplos pôsteres. Veja o regulamento completo.
O primeiro e o segundo lugar de cada categoria receberão prêmios de R$ 10 mil e R$ 5 mil, respectivamente, além de certificados que serão entregues em dezembro, durante a cerimônia de premiação, em São Paulo. Não há premiação financeira para os pôsteres.
 
.

SEGURO CIDADÃO
Doação de sangue - Nesta sexta-feira, 14 de junho, é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue. A data é uma iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) e integra o calendário do Junho Vermelho, campanha internacional de conscientização sobre a importância da doação de sangue. A intenção é reforçar valores como respeito, solidariedade e generosidade e visa salvar milhares de vidas todos os anos.

Porém, de acordo com dados do Ministério da Saúde, apenas 1,6% da população brasileira doou sangue em 2018. Por isso, o Porto Seguro Saúde aproveita para reforçar a importância da iniciativa e traz algumas informações importantes para você que pensa em fazer a boa ação.
Para fazer uma doação é preciso t
er idade entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos devem possuir consentimento formal do responsável legal); pesar, no mínimo, 50 kg; estar alimentado (evite alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação); ter dormido, pelo menos, 6 horas nas últimas 24 horas; e apresentar documento de identificação com fotografia, emitido por órgão oficial (identidade, habilitação, carteira de trabalho, passaporte, registro nacional de estrangeiro, certificado de reservista ou carteira profissional emitida por classe).
Entre os homens, o intervalo mínimo deve ser de dois meses. Já entre as mulheres, são necessários três meses de intervalo.
Para doar, basta procurar uma unidade de coleta de sangue, como os Hemocentros, e checar se você atende os requisitos necessários.
Para alimentar os bancos de sangue, a doação regular é fundamental. O Porto Seguro Saúde apoia essa causa. Além de colaborar, compartilhe essa mensagem com familiares, colegas de trabalho, corretores e clientes.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor