SEG NOTÍCIAS - 11.06

Setor de seguros revisa para menos projeção de crescimento

Seguros / 16:23 - 11 de jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A projeção de fevereiro de crescimento do mercado segurador para este ano foi reduzida de 4,5% a 7,1% (piso e teto, respectivamente) para 4,7% a 6,9%. Um intervalo de crescimento anual do mercado segurador mais estreito consta da 7ª edição ampliada da publicação Conjuntura CNseg, referente ao primeiro trimestre do ano e disponível aos leitores no portal da Confederação das Seguradoras.

A nova taxa tem relação direta com a perspectiva de menor evolução da carteira de seguro de automóvel - com intervalo de 0,5% e 3,5% de alta no ano; anteriormente esperava algo entre 5,4% e 7% em 2019. O seguro de automóvel é a principal carteira de danos e responsabilidade e segue a trajetória de desaceleração nas vendas de automóveis novos no ano. Em 2018, a receita do mercado alcançou R$ 445,16 bilhões.

"O aumento das incertezas, tanto na economia brasileira quanto em escala global, torna as projeções um desafiador exercício. São tantas variáveis capazes de provocar reação ou retração dos mercados, que sua combinação, no final, definirá a trajetória do setor segurador", afirma Marcio Coriolano, presidente da CNseg.

A nova projeção considera também um crescimento menor dos seguros de pessoas. Pelo estudo, enquanto os planos de acumulação (PBGL e VGBL) mantêm a trajetória de expansão inalterada no ano (5,5% a 6%), acredita-se em alta menor dos prêmios estimados dos planos de risco (agora de 3,2% a 8,8% ante os 6,9% a 9,4%).

Dependendo do comportamento de algumas das principais variáveis macroeconômicas, há dois cenários possíveis - otimista ou pessimista - projetados para a atividade seguradora. No melhor cenário (de alta de 6,9%), o PIB cresceria 1,3% no ano; a produção industrial teria alta real de 1,57%; a Selic recuaria para 6% ao ano; o câmbio ficaria em R$ 3,61; e a inflação oficial seria de 3,80% medida pelo IPCA. No quadro pessimista (alta de 4,7%) do setor segurador, considera-se a aprovação da reforma da Previdência incompleta; a desvalorização mais acentuada do câmbio; juros básicos em trajetória de alta; e crescimento da economia abaixo do observado em 2018.

A projeção de arrecadação do mercado segurador é uma das seções que estarão incorporadas à edição ampliada. Na nova coluna destaque das federações, a Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg) aponta os riscos de o seguro de Garantia de Obras não sair do papel, se algumas ameaças estudadas forem incluídas ao projeto de lei, como a cobrança de quase a totalidade da importância segurada, caso a seguradora não retome e conclua a obra. Na parte da Federação Nacional de Capitalização (FenaCap), são mostrados os efeitos práticos do novo marco regulatório para a expansão da capitalização.

.

Inflação dos planos de saúde é bem superior ao IPCA

O Brasil tem hoje mais de 47 milhões de beneficiários de planos de saúde. Às vésperas da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinar o teto para o reajuste anual dos planos individuais - que correspondem a quase 20% do total de usuários no país - o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulga estudo com a evolução dos preços dos planos de saúde entre os anos 2000 e 2018. Com base em dados do IBGE e da ANS, o trabalho conclui que a taxa de inflação dos planos de saúde individuais chegou a 382% em 18 anos, bem superior à inflação geral de 208% registrada pelo IPCA.

A diferença é ainda maior em relação ao IPCA Saúde, que registrou inflação de 180% no mesmo período, excluídos os reajustes de planos de saúde e cuidados pessoais. Em função do aumento do desemprego e da queda da renda, nos últimos quatro anos, mais de três milhões de pessoas deixaram de ter planos de assistência médica.

Recentemente, a ANS aprovou uma nova metodologia para o reajuste dos planos individuais e familiares, mas o estudo do Ipea questiona se o novo método será eficaz, em especial, se evitará o aumento continuado dos planos de saúde e se reduzirá a judicialização, uma vez que deixou de fora os planos coletivos. Esses planos - que respondem por 80% dos usuários - não têm reajuste definido pela ANS, visto que o índice é determinado a partir da negociação entre a pessoa jurídica contratante e a operadora de plano de saúde.

Diante deste cenário, os pesquisadores propõem, no futuro, estudos para a criação de outro índice de preços para todas as modalidades de planos de saúde, que tome como base a produção dos serviços médico-hospitalares, para servir de parâmetro, ao lado do IPCA Saúde, para a política de reajuste. "É preciso que a sociedade discuta o assunto, a fim de assegurar que os brasileiros não sejam prejudicados por conta do aumento de preços dos planos de saúde, principalmente porque a maioria do mercado continua desprotegido", afirma o pesquisador Carlos Ocké, coautor do estudo ao lado de Eduardo Fiuza e Pedro Coimbra.

A pesquisa mostra, ainda, que os planos de saúde foram patrocinados indiretamente com subsídios no valor de R$ 14,1 bilhões em 2016, originados do abatimento do imposto a pagar em Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) e Pessoa Jurídica (IRPJ). "Num cenário de restrição fiscal, as autoridades governamentais deveriam atentar para este fato, principalmente diante das queixas dos consumidores sobre os reajustes abusivos praticados pelo mercado dos planos de saúde", destaca Carlos Ocké.

.

Envelhecimento populacional tem atingido economias desenvolvidas

A mais recente pesquisa produzida pela área de Serviço de Estudos da Mapfre aponta que o envelhecimento da população, associado à redução das taxas de fertilidade e também ao aumento da expectativa de vida, afetará a economia global a médio e longo prazo.

Publicado pela Fundación Mapfre, o estudo mostra que o crescimento da população aposentada está por trás de três tendências atuais: o aumento da interdependência financeira, a estagnação comercial e o aumento da desigualdade econômica. Atualmente, cerca de 25% da população mundial tem mais de 60 anos, e a idade média populacional é próxima dos 40, ou seja, a taxa de dependência madura (índice demográfico que expressa a proporção existente entre a população dependente e ativa, da qual depende) deve exceder os 50%.

O levantamento aponta ainda que o aumento da expectativa de vida vai impactar diretamente as taxas de dependência.

Segundo o relatório, em 2019, na Europa, Austrália e América do Norte, a taxa de dependência está abaixo de quatro pessoas em idade produtiva para cada uma que atinge a idade de aposentadoria (estimada em 65 anos ou mais). Considerando essa evolução, em 40 anos, no sul da Europa e na Europa Ocidental, essa relação será inferior a 1,5 pessoas em idade ativa para cada aposentado. Na Coreia do Sul, Taiwan, Japão, Portugal, Grécia, Cingapura, Espanha, Polônia e Hong Kong essa proporção será de aproximadamente de 35%.

No Brasil, o estudo mostra ainda que durante o período de 2019-2059, a proporção de pessoas com mais de 65 anos será de 18%. "As pesquisas desenvolvidas pela área de Serviço de Estudos da Mapfre reforçam que estamos atentos as movimentações macroeconômicas mundiais. Esses dados nos trazem a oportunidade de entender os novos desafios dos setores onde atuamos e de aprimorarmos os nossos produtos de vida e previdência a realidade do consumidor", comenta Fernando Pérez-Serrabona, CEO da Mapfre Brasil.

.

Em quatro meses, títulos de capitalização arrecadam R$ 7,4 bilhões

Em quatro meses, a receita global do setor de títulos de capitalização, produtos que oferecem soluções de negócios com sorteios para pessoas físicas e jurídicas, atingiu R$ 7,4 bilhões, registrando um crescimento de 9,8% em comparação aos meses de janeiro a abril de 2018. A distribuição de prêmios também apresentou crescimento de 2,3%, em relação ao primeiro quadrimestre do ano passado, atingindo o montante de R$ 381 milhões de prêmios em dinheiro, entregues a clientes que tiveram seus títulos sorteados. O valor equivale ao pagamento de R$ 4,6 milhões por dia útil no período. Os dados foram divulgados pela Federação Nacional de Capitalização (FenaCap), que representa as empresas do setor.

Ainda de acordo com as informações divulgadas pela Federação, houve crescimento também nas reservas técnicas, que são os valores totais de títulos ativos destinados ao pagamento de resgates dos clientes, e que alcançaram, no mês de abril, R$ 29,9 bilhões, montante 2,3% maior que no ano passado. Os resgates somaram R$ 5,8 bilhões, crescimento de 2,4% se comparado a janeiro a abril de 2018.

Recentemente o setor iniciou a comercialização das modalidades Instrumento de Garantia e Filantropia Premiável. Ainda que já fossem comercializadas sob o guarda-chuva das modalidades Tradicional e Incentivo, respectivamente, essas duas linhas de produtos agora têm regras próprias, o que confere mais segurança jurídica às operações e mais transparência às relações de consumo, tornando o ambiente de negócios muito favorável. "A expectativa é de que o setor inicie um novo ciclo de crescimento, com muitos lançamentos de produtos e a retomada do crescimento da economia, recomposição da renda e do emprego, o que naturalmente beneficiará o setor", assinala Marcelo Farinha, presidente da FenaCap.

.

ENDOSSANDO

Lucas Vergilio é incluído na lista dos parlamentares mais influentes

O deputado Lucas Vergilio (SD-GO), vice-presidente da Fenacor e presidente do Sincor-GO, foi incluído em uma lista dos deputados e senadores mais influentes ou que conquistam cada vez mais relevância no jogo político em 2019.

O estudo "Os Cabeças do Congresso" foi feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) que adotou critérios qualitativos e quantitativos, incluindo aspectos institucionais, de reputação e de decisão, a partir de postos ocupados, capacidade de negociação e liderança.

Outros pontos considerados para listar os deputados mais influentes foram os resultados de votações, relatorias, intervenções nos debates, frequência de citações na imprensa, análise dos perfis e grupos de atuação.

.

Panorama do Seguro - A 30ª edição do Panorama do Seguro recebe o presidente da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Antonio Trindade, que falou sobre os pontos presentes no documento produzido pela CNseg aos presidenciáveis que são importantes para a Federação, as expectativas do seguro automóvel para 2019-2020, o ponto de vista sobre as propostas do governo e o relacionamento com a Supeintendência de Seguros Privados (Susep).

Dentre os vários pontos do documento enviado aos presidenciáveis, Trindade destaca cinco como principais, pois impactam a Federação Nacional de Seguros Gerais. São eles: Seguro de auto popular; seguro-garantia para obras públicas, seguro rural, combate à proteção veicular e seguro de riscos cibernéticos.

Sobre o ponto de vista diante das propostas do governo, Trindade se mostra otimista com o futuro do mercado segurador. "A agenda é muito interessante e muito positiva. Eu espero que a gente consiga implementar, com todos os percalços que a vida política nos oferece e que faz parte do jogo, mas eu vejo um rumo muito positivo e com isso o reflexo no negócio de seguros e na economia em geral tende a ser muito positivo e duradouro," conclui o presidente da FenSeg.

Apresentado pelo jornalista Paulo Alexandre e pelo consultor de economia Francisco Galiza, o programa Panorama do Seguro é exibido duas vezes por mês e conta com convidados especiais, dicas de leitura, análise da economia e do setor de seguros.

.

Seguro-Viagem no Mês dos Namorados - A April Brasil Seguro Viagem anuncia o lançamento de uma promoção para o Dia dos Namorados, que oferece upgrade gratuito nas aquisições dos produtos acima de 100 mil. Válida até 30 de junho, a campanha é uma excelente oportunidade para os viajantes que estão planejando as férias.

"Este é ainda um incentivo para que os passageiros que viajam para o exterior adquiram produtos com coberturas mais altas com um excelente custo-benefício, o que pode trazer mais tranquilidade para o momento do imprevisto", explica Claudia Brito, diretora comercial.

A promoção oferece upgrades para os planos internacionais de até 30 dias ou multiviagens com coberturas a partir de 100 mil. Na contratação do produto de 100 mil, o cliente ficará coberto com a opção superior, de 250 mil. Contratando o plano de 250 mil, a cobertura será de 500 mil e, contratando o plano de 500 mil, a cobertura será de 1 milhão. A campanha não é válida para os planos long stay (viagens acima de 31 dias) ou intercâmbio.

O risco da April Brasil é coberto pela AXA, a maior seguradora do mundo. Para mais informações, acesse www.aprilbrasil.com.br.

.

Almoço O Clube dos Corretores de Seguros do Rio de Janeiro (CCS-RJ) terá como convidado para o seu almoço do mês de junho o diretor comercial da MBM Seguros, Luiz Eduardo Dilli. O evento será nesta quinta-feira, 13 de junho, às 12h30. A diretoria e os associados vão se reunir com o executivo no Rio de Janeiro.

O executivo abordará como a inovação e a transformação digital contribuem para a renovação do mercado de locações e suas garantias.

.

Eleições para gestão 2019/2021 O Clube Vida em Grupo do Rio de Janeiro (CVG-RJ) acaba de convocar todos os seus sócios às eleições que vão definir a diretoria da instituição no período de 2019/2021. As chapas concorrentes deverão ser apresentadas até sexta-feira, dia 14 de junho, para serem registradas junto à administração do Clube.

Já a votação será em 15 de julho, das 10 às 17h, seguida por Assembleia Geral Ordinária a ser realizada na sede do CVG-RJ, no Centro do Rio, a partir das 18h. Devem comparecer os associados fundadores, efetivos e beneméritos. Na ocasião, a atual diretoria irá prestar contas de sua gestão, apresentando relatório de atividades para apreciação e aprovação do Conselho.

.

Imobiliária digital A perspectiva para 2019 é que as vendas e os lançamentos de imóveis residenciais no país aumentem entre 10% e 15%, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). Com um cenário otimista do setor, o Porto Seguro Aluguel patrocina e participa do 1º Imobiliária Digital Summit, evento online e gratuito para imobiliárias e Corretores, que reúne especialistas em locação, sucessão, finanças, gestão e pessoas.

A iniciativa visa a reunir mais de 10 mil visitantes no portal e o Porto Seguro Aluguel abordará como a inovação e a transformação digital contribuem para a renovação do mercado de locações e suas garantias.

"As inovações digitais já são realidade no mercado imobiliário há algum tempo e trazem muitas oportunidades para este setor. Nos mantemos antenados a tudo o que ocorre atualmente e vamos mostrar como a Porto Seguro tem se modernizado no segmento por meio da tecnologia", destaca Vinicios Queiroz, coordenador de produtos de soluções para locação da Porto Seguro e um dos A palestra do Porto Seguro Aluguel será no dia 12 de junho, às 16h. O 1º Imobiliária Digital Summit ocorre de 10 a 14 de junho. Para acompanhar o evento, basta se inscrever no site http://imobiliariadigitalsummit.com.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor