Advertisement

SEG NOTÍCIAS

Lucro da Porto Seguro cresce 34%, para R$ 1,3 bilhão

Seguros / 04 Fevereiro 2019 - 18:14

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O tradicional e centenário MONITOR MERCANTIL, jornal de economia com cobertura crítica e independente, de política, reinventa sua frente digital.

De relevante circulação impressa no Rio, SP e DF, seus destaques podem ser conferidos desde 2 de janeiro em https://twitter.com/sigaomonitor

 

 

O lucro líquido da Porto Seguro alcançou R$ 387 milhões no 4 trimestre de 201'8, um aumento de 44% em relação ao de igual período de 2017. Excluindo-se os efeitos não recorrentes da venda da participação do IRB (Brasil Resseguros S.A.) em 2017, o lucro líquido aumentou 34% no ano, atingindo R$ 1,3 bilhão, sendo que o Porto Seguro Auto foi o produto que mais contribuiu para o aumento da lucratividade, com um resultado quase duas vezes superior ao ano anterior.

O Roae alcançou 22,5% no trimestre e 19,1% no ano. Como referência, a rentabilidade dos negócios da Porto Seguro com capital ajustado (sem excesso) e considerando uma rentabilidade de investimentos de 100% do CDI seria de 22,4% no trimestre e de 23,5% no ano.

Em 2018, a rentabilidade da Porto Seguro foi impulsionada pelo aumento do resultado operacional, suportado pelo melhor índice combinado histórico. A rentabilidade das aplicações financeiras acima do mercado contribuiu para mitigar os efeitos da redução da taxa de juros no resultado financeiro. Além disso, a empresa expandiu as receitas das principais linhas de negócio, superando os efeitos do baixo crescimento econômico.

Principais destaques: Receita Total - R$ 4,7 bilhões (+5%); Prêmios Auferidos - R$ 4,0 bilhões (+2%); Receita Demais Negócios - R$ 619 milhões (+5%); Resultado Financeiro - R$ 298 milhões (+93%); Índice Combinado - 93% (-1,4 p.p.); Lucro Líquido - R$ 387 milhões (+44%) (Dividendos propostos pela administração, sujeitos  à aprovação da Assembleia Geral a ser realizada em 29/03/2019.)

 

Evitar prejuízos severos ao diferenciar RC Geral e Riscos Ambientais - De acordo com a Chubb, o aumento da demanda por seguros de Riscos Ambientais no Brasil está sendo influenciado por um número cada vez maior de empresas que se conscientizam das limitações da apólice de Responsabilidade Civil Geral (RCG) com relação à cobertura de prejuízos por agressão ao meio ambiente. “O seguro de RCG realmente cobre casos de poluição e, por isso, muitas organizações acreditam que estão amparadas apenas com esse tipo de apólice. Contudo, trata-se de uma proteção bastante limitada e essa constatação, felizmente, vem sendo feita por um número crescente de empresas no Brasil, dentro de um processo semelhante ao verificado em outros países, principalmente nos mais desenvolvidos”, comenta Fábio Barreto, profissional responsável pela área de Riscos Ambientais na Chubb Brasil.

Ao contrário da apólice de Riscos Ambientais, o seguro de RCG não englobaria cenários de poluição gradual, que normalmente ocorre aos poucos e às vezes por vários anos, a partir de uma data que não pode ser definida. Fábio Barreto diz que esse tipo de sinistro acontece por meio de uma série de eventos possíveis, como rompimento, trinca ou corrosão de tanques subterrâneos ou submersos, além de desgastes em paredes de concreto que realizam a contenção de produtos ou resíduos. “Essa forma de poluição é ainda observada nos derrames contínuos de produtos em solo não pavimentado, durante as operações de carregamento e descarregamento, entre várias outras possibilidades”, descreve.

O executivo reconhece, por outro lado, que o seguro de RCG cobre casos de poluição súbita e acidental, que representa riscos importantes como episódios de rompimento de válvula de tanque de armazenamento aéreo, com consequente vazamento de produto químico. Da mesma forma, também estariam cobertos eventos como incêndio ou explosão dentro de plantas industriais, bem como o transbordamento de estação de tratamento de efluentes. Outro acontecimento previsto nesta categoria de poluição, entre vários outros, é o tombamento de caminhão tanque, seguido de vazamento de produto químico ou combustível.

Fábio Barreto, porém, destaca que a proteção de RCG para esses casos de poluição súbita e acidental contém uma série de limitações que não podem ser ignoradas pelo segurado. Uma delas é o limite de 72 horas de cobertura, a partir do início do sinistro. Outra limitação é o fato de não proteger o segurado em eventos observados em tanques ou estruturas submersas. Ao mesmo tempo, a apólice contempla somente danos a terceiros, sem observar prejuízos ao próprio patrimônio do segurado. “Além de tudo isso, o seguro de RCG não cobre danos a bens naturais e à coletividade, cujos valores chegam facilmente à casa dos milhões de reais, e tampouco abrange danos em locais de terceiros atingidos pelos poluentes”, acrescenta.

Segundo Fábio Barreto, os riscos mais comuns que podem estar cobertos pelo seguro de Riscos Ambientais são os custos e despesas para a reabilitação do solo ou águas contaminadas (incluindo o lençol freático). “Em geral, os casos cobertos envolvem um cenário bastante complexo, pois a recuperação pode englobar investigação, contenção, salvamento, transporte de poluentes, recuperação da área atingida, indenização de terceiros, custas processuais e outros. Em virtude disso, a apólice do tipo all risks, comercializada pela Chubb, significa um divisor de águas na história deste seguro no Brasil, pois cobre todos os riscos, exceto aqueles definidos como excluídos”, conclui.

 

Seguro viagem é item essencial na sua mala para o carnaval - “Independentemente da distância ou duração da viagem, as pessoas precisam se conscientizar de que imprevistos acontecem e a melhor forma de resolvê-los é com a contratação do seguro, que possui um custo relativamente baixo se comparado aos possíveis gastos quando não se está coberto”, explica Paulo Marchetti, CEO da ComparaOnline.

Muita gente imagina que em território nacional não é preciso contratá-lo e, com a intenção de economizar, acaba deixando este item de fora da mala. Mas, o que muitos não sabem é que o seguro viagem nacional para 10 dias de folia sai, em média, R$ 5 por dia, mais barato que uma caipirinha, e inclui desde emergências de saúde a outros tipos de coberturas, já que os problemas podem começar no trajeto ou embarque, como ter a bagagem extraviada ou danificada.

Pensando na saúde, o seguro viagem também é um aliado e oferece coberturas básicas para as despesas hospitalares, médicas, de medicamento, traslado, caso necessário e, em casos extremos, traslado de corpo. Nesta época, algumas emergências são comuns e é importante estar protegido em ocorrências como: dengue, zika e chikungunya: causadas por picadas de mosquito que se proliferam em ambientes com água parada; micose: causado por um fungo, provoca problemas na pele. O fungo se desenvolve em locais úmidos e quentes; desidratação: causada pela falta de líquido no corpo, suor excessivo, vômito ou diarréia; intoxicação alimentar: causada, principalmente, pela ingestão de alimentos mal conservados nesta época de temperaturas muito altas; conjuntivite: nesta época a conjuntivite bacteriana cresce, pois as bactérias se propagam na água e contaminam os olhos ao mergulhar na piscina ou no mar.

- Embriaguez: o clima animado e o calor faz com que as pessoas bebam além do limite, isso pode causar náuseas, vômitos e, em casos mais sérios, coma alcoólico.

É importante lembrar que, no caso de doenças preexistentes, a cobertura é limitada a casos de urgência ou emergência, cobrindo apenas despesas para estabilização até que o viajante possa continuar o passeio ou retornar para casa.

Para quem quer fugir das grandes multidões, dentro do Brasil ou na América Latina, em países como Chile e Uruguai, destinos muito buscados por brasileiros, a contratação do seguro viagem continua sendo indispensável, já que os problemas podem acontecer em qualquer lugar.

 

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL

Graduação capacita futuros gestores - Ainda há tempo para participar da turma do primeiro semestre de 2019 da Graduação Tecnológica em Gestão de Seguros promovido pela Escola Nacional de Seguros. Com início previsto para 11 de fevereiro, no Rio de Janeiro (RJ), o curso conta com professores altamente qualificados, com vasta experiência no mercado de seguros e área acadêmica.

Segundo critérios do Ministério da Educação (MEC), para que uma instituição se enquadre nos padrões acadêmicos de qualidade é necessário que o corpo docente seja composto por 33,3% de mestres ou doutores. Na graduação da Escola, 90% dos professores têm pelo menos um dos dois títulos, percentual muito acima do mínimo exigido.

Com 1.600 horas/aula, o programa confere grande amplitude de conhecimentos nas áreas de Gestão de Seguros, Previdência e Capitalização, formando futuros gestores com domínio em diferentes áreas de atuação. Em apenas dois anos, a graduação garante aos aprovados diploma de nível superior, além de conceder certificados parciais a cada semestre. Os próximos processos seletivos estão marcados para 6 e 9 de fevereiro. Mais informações sobre investimento e conteúdo programático podem ser acessadas no site profissaosegura.com.br, onde também devem ser feitas as inscrições.

 

Londres sediará treinamentos sobre Gerenciamento de Riscos e Resseguro - Já estão abertas as inscrições para os Programas de Treinamento no Exterior que serão realizados pela Escola Nacional de Seguros em Londres. Assim como em anos anteriores, os temas serão “Os Processos Técnicos do Resseguro” e “Gerenciamento de Riscos e Seguros”. Ambos serão promovidos em parceria com o The Chartered Insurance Institute (CII), instituição inglesa que realiza relevantes programas de qualificação dirigidos a profissionais de todos os níveis dos mercados de seguros, resseguro e serviços financeiros.

As vagas são limitadas para o evento, cujo corpo docente de alto nível de graduação capacita futuros gestores. Cerca de 90% dos professores da Graduação Tecnológica em Gestão de Seguros são mestres ou doutores, percentual acima do exigido pelo MEC. Os alunos matriculados até 10 de fevereiro terão direito a 5% de desconto no investimento total dos cursos de Capitalização e Vida e Previdência.

 

SEGURO CIDADÃO

Serviço de teleorientação pediátrica - Medicina conectada permite a segurados responsáveis por crianças de até 12 anos agendar uma vA SulAmérica, maior seguradora independente do País, lança neste mês mais um serviço de medicina conectada para transformar a experiência dos clientes de seguro saúde: a teleorientação pediátrica por vídeo. Por meio do aplicativo SulAmérica Saúde, os segurados responsáveis por crianças de até 12 anos poderão solicitar uma videochamada com médico pediatra para receber orientações e tirar dúvidas, com comodidade e segurança.

O atendimento por videoconferência pode ser imediato ou agendado, considerando o período de disponibilidade do serviço, que vai das 7 às 23 horas, de segunda a sexta-feira. Será possível realizar duas videochamadas por criança ao ano. A novidade já está disponível para clientes da carteira PME e em breve será expandida para todos os segurados elegíveis.

"Nossos investimentos em medicina conectada têm como objetivo oferecer a melhor experiência para segurados, aliando inovação tecnológica e excelência no cuidado à saúde. Com a teleorientação pediátrica, conseguiremos proporcionar ainda mais tranquilidade e comodidade para famílias com crianças, já que pais e responsáveis poderão acionar rapidamente um pediatra para orientações médicas, quando necessário", explica o vice-presidente de Operações e Tecnologia da SulAmérica, Marco Antunes.

Na teleorientação, o pediatra poderá realizar atendimentos de caráter informativo, conforme determinação do Conselho Federal de Medicina (CFM). Trata-se do segundo serviço de telemedicina lançado pela SulAmérica. Em maio de 2018, a companhia passou a conectar, por videoconferência, médicos do trabalho e especialistas da rede referenciada para análise conjunta de casos complexos – um formato pioneiro no mercado nacional.

Se desejar um atendimento pediátrico presencial, o segurado elegível poderá, ainda, utilizar o serviço Médico em Casa, que também está disponível no aplicativo SulAmérica Saúde e permite agendar uma visita médica em domicílio para crianças de até 12 anos em 19 cidades brasileiras. A iniciativa também é voltada para atendimentos não emergenciais, como febre, vômito e gripe, entre outros. Em 95% dos casos atendidos, a ida ao pronto-socorro mostrou-se desnecessária.

 

 

Serviços mais acionados no fim de ano - A Mapfre Assistência, empresa especializada em assistência a pessoas, residências e veículos, registrou um aumento de 55% nos acionamentos durante o período de festas em regiões litorâneas do país. O histórico de chamados à Central de Relacionamento da Mapfre Assistência aponta que as solicitações residenciais têm maior número de acionamentos no período.

Seguindo o mesmo observado em anos anteriores, as principais demandas foram serviços de encanador (38%), eletricista (27%), desentupimento (15%) e chaveiro (10%). "Ao final de cada ano temos notado um aumento expressivo de chamados em relação aos demais meses. Por isso, disponibilizamos toda a equipe de atendimento para atuar nesses 12 dias em que as chamadas costumam ter um caráter emergencial", afirma Eduardo Sena, diretor geral da MAPFRE Assistência.

Desde o fim de 2018 até março deste ano, a companhia disponibiliza prestadores em contingência para atender as demandas no litoral de São Paulo e Rio de Janeiro, além de Salvador e Florianópolis, onde se concentram os maiores volumes de atendimentos. "O reforço efetivo na nossa rede de prestadores em pontos estratégicos é essencial para garantirmos o atendimento a todas as solicitações recebidas ", comenta Sena.

A empresa também ampliou o atendimento a veículos. Nessa categoria, os atendimentos a guincho representam 62% das solicitações, enquanto os serviços para SOS (bateria, limpador de para-brisa e disjuntor) são 13%. Apesar da eficiência dos atendimentos, o especialista afirma que a prevenção é fundamental para evitar qualquer problema ou dor de cabeça nos dias de folga. "Existem algumas dicas simples que podem evitar qualquer situação desconfortável. Por exemplo, tirar equipamentos elétricos e eletrônicos das tomadas, desligar todas as luzes, verificar a fechadura das portas e janelas, entre outros", comenta Sena.

 

ENDOSSANDO

Revista do CSP-MG divulga ações da entidade e análises do mercado – Já está em circulaçãoa versão eletrônica da Revista do Clube de Seguros de Pessoas de Minas Gerais (CSP-MG). Trata-se de uma publicação de 48 páginas, trazendo o balanço completo das atividades do clube, além de artigos exclusivos de várias das principais lideranças do mercado, que falam sobre as perspectivas para o setor em 2019. Essa edição especial também destaca as instituições e empresas beneméritas

do CSP-MG. Elas ganharam mais espaço na revista para registrar suas mensagens ao mercado.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor