São Paulo lidera ranking de estados do futuro do "Financial Times"

São Paulo / 13:39 - 19 de abr de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

São Paulo conquistou, pela segunda vez, o primeiro lugar no ranking "South American States of the Future 2016/2017" (Estados Sul-Americanos do Futuro 2016/2017), criado pela FDI Magazine, revista editada pelo grupo britânico "Financial Times". Além de liderar o ranking geral, o estado também foi o principal destaque de três das cinco categorias: "Potencial Econômico", "Capital Humano e Qualidade de Vida em Geral" e "Ambiente de Negócios". A nomeação já havia sido feita na edição 2014/2015 da revista, também na edição abril/maio. O critério é a atração de investimentos registrados pelo fDI Markets, braço de pesquisa do "Financial Times". Segundo a FDI Magazine, 870 novos projetos foram identificados no estado entre 2011 e 2015. Nesse sentido, foi destacada a atuação da agência de promoção de investimentos do estado, a Investe São Paulo, que colocou a região no terceiro lugar da categoria "estratégia de atração de investimentos". "A Investe São Paulo mantém potencial investidores a par de novos desenvolvimentos no estado", descreve a publicação. - Esse tipo de reconhecimento só acontece por conta de todo o investimento público que o estado faz em infraestrutura, pesquisa, capital humano e desenvolvimento econômico em geral. Mesmo em momentos de crise, São Paulo continua sendo o principal polo de inovação do continente - explica o presidente da Agência, Juan Quirós. Segundo o estudo, a maior parte dos investimentos registrados em cidades paulistas foi na área de programas e tecnologia da informação, que corresponde a 17% dos projetos. A publicação menciona ainda os investimentos em pesquisa e desenvolvimento no estado, que têm crescido desde 2013. Para criar o ranking, a fDI Magazine analisa dados de 133 localidades por meio das ferramentas online fDI Marketss e fDI Benchmark, ambas instituições de pesquisa ligados ao "Financial Times". As categorias são cinco: potencial econômico, capital humano e estilo de vida, custo-benefício, infraestrutura e ambiente de negócios. Foi criado um ranking de cada uma dessas categorias para cada grupo de estados de acordo com seus tamanhos: maiores, grandes, médios e pequenos. Cada local recebeu uma pontuação de 0 a 10 para cada critério, que foi elaborado de acordo com fases do processo de decisão para investimentos estrangeiros diretos. Para a categoria "Estratégia de atração de IED", foram consideradas as aplicações de 28 agências que optaram por participar do processo.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor