Safra recorde de grãos deve chegar a 240,7 milhões de toneladas

Segundo a Conab, previsão de crescimento é de 5,7%; pelo IBGE, cereais, leguminosas e oleaginosas devem fechar ano em 236 milhões de T.

Conjuntura / 15:47 - 11 de jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Companha Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou hoje os números do 10º Levantamento da Safra de Grãos 2018/2019. De acordo com a companhia, o Brasil deve registrar novo recorde da série história com uma produção de cerca de 240,7 milhões de toneladas. A previsão de crescimento é de 5,7%, o que representa 13 milhões de toneladas acima da safra 2017/18. A área plantada está prevista em 62,9 milhões de hectares, um aumento de 1,9% em relação à safra anterior.

O levantamento mostra que o milho segunda safra deve ser um dos maiores destaques do período, com previsão de produção recorde de 72,4 milhões de toneladas, crescimento de 34,2%. Já o milho primeira safra deve ficar em 26,2 milhões de t, queda de 2,5%. A produção de algodão deve aumentar cerca de 32,9%, o que equivale a 6,7 milhões de algodão em caroço ou 2,7 milhões de algodão em pluma. Para a soja, a previsão é de redução de 3,6% na produção, atingindo 115 milhões de toneladas. As regiões Centro-Oeste e Sul representam mais de 78% dessa produção.

Os produtos com maiores aumentos de área plantada foram o milho segunda safra (819,2 mil ha), soja (717,4 mil ha) e algodão (425,5 mil ha). A soja apresentou um crescimento de 2% na área de plantio, chegando a 35,9 milhões de ha.

A Conab estima uma produção de trigo de 5,5 milhões de toneladas em uma área estimada em 1,99 milhão de ha, 2,4% menor que a área plantada em 2018. As demais culturas de inverno (aveia, canola, centeio, cevada e triticale) apresentam um leve aumento na área cultivada, passando de 546,5 mil ha para 552,2 mil ha. As condições climáticas vêm favorecendo as lavouras.

 

IBGE - Já de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), realizado em junho pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas deve fechar o ano de 2019 em 236 milhões de toneladas.

A estimativa de junho prevê uma safra 4,2% maior que a obtida em 2018, ou seja, um acréscimo de 9,5 milhões de toneladas na produção. Em relação à estimativa realizada em maio deste ano, houve um crescimento de 0,6%, ou seja, 1,3 milhão de toneladas a mais do que o previsto naquele mês.

A estimativa de área a ser colhida é de 62,8 milhões de hectares, 3% maior do que a de 2018 e 0,3% maior que a prevista em maio.

Das três principais lavouras de grãos, apenas o milho deverá ter crescimento na produção neste ano em relação a 2018 (17,1%). Para a soja, é esperada uma queda de 4,5%. Já para o arroz, deve haver uma redução de 11,2%.

Entre as outras lavouras com produção prevista de mais de um milhão de toneladas, deverão fechar o ano com alta o feijão (1,7%), o algodão (31,5%), o sorgo (11,2%) e o trigo (14,5%).

O levantamento também abrange a produção de outros produtos agrícolas importantes, além dos cereais, leguminosas e oleaginosas. A cana-de-açúcar, por exemplo, principal lavoura brasileira deverá fechar o ano com uma produção de 665 milhões de toneladas, ou 1,4% a menos do que em 2018.

Também deverão ter queda na produção o café (-12,2%), a laranja (-1,2%), o tomate (-5,3%) e a uva (-10,8%). E devem ter alta a banana (3%), a batata-inglesa (1%) e a mandioca (4,2%).

 

Com informações da Agência Brasil, citando a Conab

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor