São Longuinho

Seu Direito / 10 Julho 2017

Já que o país está de pernas pro ar, resolvi contribuir com minha dose de loucura. Hoje, em vez de escrever algum artigo jurídico, descambei pro lado da fé. Vim falar de São Longuinho. Na verdade, vim pagar um pouco das minhas penitências. Recorro a esse santo quase todo dia e para tudo o que vocês possam imaginar, da chave do carro que não sei se tranquei dentro do carro ao cartão de crédito que não sei se esqueci na loja, do celular que não sei onde enfiei ao artigo do MONITOR que acabei de escrever e não sei se deletei por acaso. Tudo esse santinho querido acha pra mim sem me cobrar um tostão e em troca só me pede três pulinhos. Nem sei se pede, mas me disseram que pede, e toda vez que ele me atende dou logo uns 30 ou 40 pulinhos que é pra mostrar minha generosidade e pagar juros e correção monetária. Não conheço um único vivente que já não tenha apelado ao santo quando já está à beira da loucura procurado uma coisa perdida. O santo acha, acreditem.

A história de São Longuinho é muito bonita. Longino, do latim longinus, teria vivido no primeiro século da era cristã. Longuinho vem de longinus, nome comum aos mártires. Longinus, por sua vez, vem do grego lonkhe, que quer dizer lança. Seu nome verdadeiro era Cássio, um centurião romano que, por padecer de gravíssima lesão nos olhos, não era ocupado nos campos de batalha, mas incumbido da tarefa de apressar a morte dos flagelados na cruz quebrando-lhe os ossos das pernas. É que, na Roma antiga, para que o martírio dos condenados pregados na cruz não profanasse o Shebat, dia santo dos judeus, que começava com o pôr do sol, era costume quebrar-lhe as pernas para que o peso do corpo apressasse a sua morte e o suplício não se sobrepusesse ao fim do dia.

Com Cristo pregado na cruz, Longuinho teria se aproximado dEle e, em vez de quebrar-lhe as pernas, espetou-lhe uma lança no coração. Quando o sangue de Cristo espirrou em seus olhos, Longinus imediatamente recobrou a visão. Convicto do milagre do sangue daquele a quem chamavam “O Messias”, converteu-se ao cristianismo, tornou-se monge, abandonou o exército romano e passou a professar fé cristã na Cesarea e na Capadócia, atual Turquia, onde foi preso, teve os dentes arrancados e mãos e língua amputadas. Por fim, foi decapitado.

A tradição que o coloca como o grande santo encontrador de coisas perdidas reside no fato de que, tendo vivido às cegas a vida inteira, encontrou a luz, achou sua verdade justamente no momento em que desferiu em Cristo o golpe de misericórdia. No Leste Europeu, comemora-se o Dia de São Longuinho em 16 de outubro de cada ano. No Brasil e na Espanha, em 15 de março. Na arte sacra, Longuinho é representado por um soldado com uma lança apontada para os olhos ou ainda com os braços abertos, segurando uma lança. Uma relíquia religiosa que se encontra em Viena é tida como a Lança de São Longuinho. Ninguém sabe ao certo quando os tais “três pulinhos” entraram na história como agradecimento ao Santo, mas, pelo sim, pelo não, não convém duvidar. Pule e pronto.

São Longuinho, foto tirada pela autora na Capela Sistina, Roma, em dez/2016

Oração de São Longuino

Glorioso São Longinho, a ti suplicamos, cheios de confiança em sua intercessão. Sentimo-nos atraídos a ti por uma especial devoção e sabemos que nossas súplicas serão ouvidas por Deus Nosso Senhor, se tu, tão amado por ele, nos fizer representar. Tua caridade, reflexo admirável, inclina-se a socorrer toda miséria, a consolar todo sofrimento, suprir toda necessidade em proveito de nossas almas e assegurar cada vez mais nossa eterna salvação, com a prática de boas obras e imitação de tuas virtudes!

Lembrai-vos oh! São Longuinho, prodigiosamente tocado pela graça de Jesus agonizante em sua última hora, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que recorrem a vossa proteção fosse por vós desamparados. Assim, dignai-vos interpor em meu favor vossa valiosa intercessão perante a Deus para que conceda viver e morrer como verdadeira cristã e ainda me auxilie a encontrar. (dizer o nome da pessoa ou objeto desaparecido e rezar um pai nosso, uma ave Maria e fazer o sinal da cruz). Amém!”

Peço encarecidamente a todos os meus leitores que, por favor, não peçam ao santo que encontre um jeito de acabar com a corrupção no país. Certamente ele vai achar, mas se todo mundo resolver dar três pulinhos de agradecimento, ao mesmo tempo, vai causar um terremoto de 7,7 na escala Richter. E o país, na miséria em que está, não aguenta mais essa. O pior de tudo é se a Polícia Federal desencadear a operação Profetas do Armagedom e resolver prender todo mundo...