Reservas norte-americanas fazem desabar preço do petróleo

Ações preferenciais da Petrobras sofreram desvalorização de 2,25%, retornando para a faixa dos R$ 25,70.

Acredite se Puder / 18:08 - 23 de mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Na quarta-feira, os Estados Unidos informaram que houve substancial aumento de suas reservas de petróleo, para 37 milhões de barris, quantidade bem superior que a previsão dos analistas. Devido a isso, houve baixa no mercado internacional e, no mesmo dia o barril do tipo Brent fechou a US$ 70,99 e o WTI a US$ 61,42. Nesta quinta-feira a situação piorou e a cotação do produto negociado em Londres perdeu 4,73%, caindo para o nível de US$ 67,63. Em baixa desde a abertura, as quedas se acentuaram quando os Estados Unidos relataram que na semana passada suas reservas comerciais de petróleo e refinados subiram mais que o esperado por analistas.

Aliás, esta quinta-feira também não foi favorável para os investidores em ações. As bolsas internacionais caíram, pois a guerra comercial entre os Estados Unidos e a a China voltou a assustar. No Brasil, num dia de baixa generalizada, as ações preferenciais da Petrobras sofreram desvalorização de 2,25%, retornando para a faixa dos R$ 25,70.

 

Natura desvaloriza mais de 6%

Em teleconferência com os analistas, Roberto Marques, presidente do conselho da Natura &Co, afirmou que a aquisição da Avon somente provocará uma sinergia de US$ 125 milhões no Brasil e na América Latina, quantia bem menor que a divulgada na véspera. Para realizar a operação, a companhia brasileira contraiu empréstimo de US$ 1,6 bilhão junto ao Bradesco, Citigroup Global Markets e Itaú Unibanco. Ao mesmo tempo, foi tornado público relatório do Bradesco em que seus analistas afirmam que, depois da alta de 27% neste ano, as ações da empresa de cosméticos já estão precificadas e rebaixaram a recomendação para underperform, ou seja, desempenho abaixo da média do mercado. Depois da alta de mais de 9% na quarta-feira, as ações da Natura caíram 6,81% no pregão da quinta-feira.

 

Citibank DTVM multada em R$ 900 mil

A Citibank DTVM S.A. Por irregularidades no desempenho da atividade de custodiante do Clássico Fundo de Investimento em Direitos Creditórios e do Oboé Multicred – Fundo de Investimento em Direitos Creditórios, a Citibank DTVM foi condenada pela Comissão de Valores Mobiliários a pagar duas multas de R$ 450 mil cadaa. Porém, a instituição foi absolvida em duas acusações.

 

Blue Tree Hotels foi absolvido

A Enoch Construtora e Incorporadora Ltda. recebeu multa de R$ 240 mil, e seu administrador Enoch de Paula Junior, de R$ 120 mil, pela captação de recursos antes da concessão do registro pela CVM. No mesmo processo houve a absolvição da Blue Tree Hotels & Resorts do Brasil S.A. e de seu administrador, Jonas Takayoshi Koda Nakamoto.

 

Embraer bye, bye

Boeing Brasil Comercial, esse será o novo nome da Embraer.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor