Renda cairá em um de cada 5 países

Na América Latina, ganho per capita está 4% abaixo do nível de 2014.

Internacional / 00:06 - 17 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O crescimento global desacelerou para o menor nível em dez anos em 2019, alcançando apenas 2,3%, de acordo com o The World Economic Situation and Prospects, estudo anual das Nações Unidas (ONU). A projeção é de melhora modesta em 2020, para 2,5%, e no ano seguinte, atingindo alta de 2,7%.

Globalmente, um em cada cinco países verá a renda per capita estagnar ou diminuir em 2020. O crescimento médio do PIB per capita para os países em desenvolvimento dependentes de commodities caiu de 2,9% por ano no período 2010–2014 para apenas 0,5% em 2015–2019.

Na América Latina e no Caribe, o PIB médio per capita hoje está cerca de 4% abaixo do nível de 2014. Em 2019, a renda per capita estagnou ou declinou em muitas economias da região, incluindo Argentina, Brasil e México.

“Espera-se que a América Latina e o Caribe experimentem uma recuperação lenta e desigual nos próximos dois anos, em meio a fortes ventos domésticos e externos. Depois de crescer apenas 0,1% em 2019, prevê-se que o PIB cresça 1,3% em 2020 e 2% em 2021” diz o documento.

Para o Brasil, o estudo estima que a economia tenha crescido 1% em 2019. A recuperação será lenta, segundo o estudo: alta de 1,7% em 2020 e 2,3% em 2021. No estudo divulgado no início do ano passado, a ONU previa elevação do PIB em 2,1% em 2019 e 2,5% em 2020.

O Produto Interno Bruto agregado nos países menos desenvolvidos (PMDs) deverá crescer 5,1% em 2020 e 5,4% em 2021. O crescimento na África deverá passar de 2,9% em 2019 para 3,2% em 2020, mas é insuficiente para progresso significativo em direção ao desenvolvimento sustentável.

A África como um todo experimentou uma década de quase estagnação no PIB per capita. Para erradicar a pobreza no continente até 2030, é necessário um crescimento do PIB per capita superior a 8% ao ano, muito superior ao crescimento médio real de 0,5% ao ano registrado na última década.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor