Advertisement

Registros falsos para financiar indústria da maconha

Startups norte-americanas violaram regras ao usar sistema de criptomoedas

Acredite se puder / 22 Novembro 2018

Apesar das advertências da Securities and Exchange Comission, a CarrierEQ Inc. (Airfox) e a Paragon Coin Inc. lançaram criptomoedas pelo sistema OIC, que só é permitido para o lançamento de títulos. Agora, por terem cometido violações de registro, seus responsáveis estão sujeitos a diversos tipos de penalidades. O regulador obrigou, e as empresas já concordaram em ressarcir os investidores prejudicados, a registrar as pretensas criptomoedas como títulos, apresentar relatórios periódicos e pagar multas de US$ 250 mil cada.

As operações não foram representativas, pois a Airfox, uma startup com sede em Boston, com os ativos digitais levantou aproximadamente US$ 15 milhões para financiar o desenvolvimento de um “ecossistema” denominado por token, começando com um aplicativo móvel que permitiria aos usuários em mercados emergentes ganhar fichas e trocá-las por dados interagindo com anúncios. A Paragon, uma entidade online, levantou aproximadamente US$ 12 milhões para desenvolver e implementar seu plano de negócios para adicionar tecnologia de blockchain à indústria de cannabis e trabalhar para a legalização da cannabis. Nem a Airfox nem a Paragon registraram suas ICOs de acordo com as leis federais de valores mobiliários, nem se qualificaram para uma isenção dos requisitos de registro.

 

BHP enfrentará maior processo na Inglaterra

A BHP enfrentará o maior processo na Inglaterra, movido por centenas de brasileiros que pedem indenização de bilhões de libras, por danos no maior desastre ambiental do Brasil. São 240 mil pessoas, 24 municípios, uma arquidiocese católica e integrantes da comunidade indígena Krenak, pedindo reparações por danos pelo rompimento da barragem de Fundão em 2015.

 

As dificuldades enfrentadas por Angola

A cada dia ficam menores as possibilidades da Oi receber os dividendos de bilhões de dólares que disputa judicialmente com a Unitel e Isabel dos Santos e o Brasil, através do BNDES pelos empréstimos concedidos para obras de infraestrutura encomendadas à Odebretch. Consta que João Lourenço, presidente angolano pediu ajuda aos serviços secretos norte-americanos para detectar eventuais crimes financeiros e depósitos irregulares no exterior, que provavelmente feitos em paraísos fiscais, como nas ilhas Marshall e Maurícias. Além disso, o PIB do país continua a cair, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística de Angola, o que demonstra o agravamento da situação econômica do país.

 

Continua a tentativa de puxar o dólar

Apesar de todos os esforços, o dólar segue com formação gráfica de baixa após ter perdido a linha de tendência de alta que agora atua como resistência na região dos R$ 3,84. Aliás, na última quinta feira esse nível voltou a se atingido, mas a moeda norte-americana voltou a ser negociada em R$ 3,81. Quando tudo serenar, será testado o suporte dos R$ 3,69, e, com a perda deste, o ativo buscaria apoio nos R$ 3,58, antes de chegar ao objetivo de baixa nos R$ 3,52.

 

Cerveja deixou de ser bom negócio

O gráfico mensal das ações da Ambev mostram a importante perda do suporte que era a média móvel nos R$ 17,73. Agora, caso os brasileiros não voltem a beber muita cerveja, num prazo mais longo a cotação poderá chegar a R$ 14,26. O do diário apresenta suporte em R$ 16,17, cuja perda poderia ocasionar a queda até R$ 14,54, com paradas intermediárias em R$ 15,55 e R$ 15,05. A situação gráfica muda caso haja a ultrapassagem dos R$ 17,11 e dos R$ 18,62.

 

TAP é a 12ª pior companhia do mundo

Os atrasos nos voos da TAP, neste ano, geraram a perda de mais € 40 milhões do que no ano anterior. Até julho deste ano, a empresa aérea portuguesa era uma das vinte piores do mundo, ocupando a 181ª colocação entre as 198 companhias internacionais. Em setembro, caiu e passou a ser a 186 ª colocada. A pontualidade é o primeiro critério do “corporate” [viagens de negócios] e que para as agências de viagens este segmento é um negócio extremamente importante.