Recuperação fica na promessa de Meirelles

Conjuntura / 14 Julho 2017

Até o BC mostra que economia segue em retração

A atividade econômica registrou queda em maio, comprovando que a recuperação econômica anunciada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, por enquanto não passa de promessa. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) dessazonalizado (ajustado para o período) apresentou queda de 0,51%, comparado a abril. No levantamento anterior, houvera alta de 0,28% em relação a março.
O IBC-Br é calculado pelo BC para avaliar a evolução da atividade econômica brasileira e ajudar nas decisões da autoridade monetária sobre a taxa básica de juros, a Selic.
Em 12 meses encerrados em maio, a recessão continua forte, com queda de 2,22%. Em 2017, a retração é de 0,10%. Na comparação entre maio deste ano e o mesmo mês de 2016, houve estabilida-de, com alta de apenas 0,04%, sempre levando em conta os índices dessazonalizados.
Na quinta-feira, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou uma alteração na previsão do crescimento da economia brasileira este ano. De alta de 0,2%, a estimativa passou para 0,3%, indi-cando que também o Fundo vê o PIB do Brasil estagnado. Para 2018, o FMI rebaixou a previsão, de crescimento de 1,7% para alta de 1,3%.
O índice do Banco Central incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos. O indicador oficial sobre o desempenho da economia é o Produto Interno Bruto (PIB), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).