Reciclagem: entidades arrecadaram mais de 400 T de tampinha plástica

Já segundo Abralatas, no último ano, foram comercializadas mais de 26 bilhões de latas de alumínio no Brasil.

Conjuntura / 16:39 - 11 de jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A cada dia que passa mais entidades assistenciais se engajam no recolhimento de tampinhas e canudinhos plásticos. Dentre as que estão cadastradas junto ao Tampinha Legal, têm as que se destacam no estado pela quantidade de material recolhido e, consequentemente, o valor arrecadado. Ao todo, mais de 400 mil kg já foram entregues para a indústria como matéria-prima através das entidades assistenciais.

Entre algumas razões citadas pela coordenadora do Tampinha Legal, Simara Souza, está o engajamento das pessoas em colaborar com as entidades assistenciais.

"Todas as tampinhas plásticas são separadas por cor através de mãos humanas. Isso significa que estamos mobilizando verdadeiros exércitos de voluntários em prol do lúdico e da transformação. O Tampinha Legal tem caráter educativo, buscando a conscientização da sociedade quanto a importância de destinar o material plástico adequadamente, seja através do reaproveitamento ou da reciclagem” afirma.

O Educandário São João Batista já entregou quase 40 mil quilos de tampinhas plásticas entregues para reciclagem que foram revertidos em mais de R$ 70 mil reais destinados para incrementar seu orçamento. Entre as entidades assistenciais que mais arrecadam está o Centro de Reabilitação de Porto Alegre (Cerepal), com mais de R$ 40 mil reais arrecadados com a venda dos materiais recolhidos, a Liga Feminina de Combate ao Câncer de Tramandaí; a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Sapucaia do Sul; O Instituto da Mama do Rio Grande do Sul (Imama) de Porto Alegre e a Associação Comunitária Participativa (Acompar) também de Porto Alegre.

O Tampinha Legal é iniciativa do Instituto SustenPlást, buscando a melhor valorização de mercado para o material. Os valores obtidos são destinados integralmente para as entidades assistenciais. Recentemente, lançou as ações Copinho Legal e Canudinho Legal, que, seguindo o modelo do Tampinha Legal, destinarão os recursos obtidos com a venda dos copos e canudos plásticos para as entidades assistenciais cadastradas no programa. Além do site, também é possível acompanhar o trabalho do Tampinha Legal por redes sociais, como YouTube e Facebook.

 

Latinhas de alumínio - No último ano, foram comercializadas mais de 26 bilhões de latas de alumínio no Brasil, registrando um aumento em 8,5%, segundo dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alumínio (Abralatas). E o principal setor responsável por este aumento são o de cervejas artesanais, que, cada vez mais, estão buscando formas de democratizar seus produtos - apesar da alta carga tributária - por um preço justo e acessível.

Há 30 anos as latas de alumínio começaram a ser envasadas no Brasil, tornando o país atualmente o terceiro maior produtor da embalagem no mundo. E com as latas, também vieram muitas mudanças no comportamento do consumidor e no desenvolvimento da indústria. De acordo com o Cátilo Cândido, presidente-executivo da Abralatas, as latas de alumínio são associadas à inovação e permitem serem envasadas com diversos rótulos, podendo ter formas e volumes ajustados, atendendo à diferentes necessidades do mercado.

Com um custo de produção mais baixo, as latas conservam o produto por mais tempo, pois vedam melhor a bebida e impedem a incidência de luz, ajudando na conservação do sabor, além de ocupar menos espaço e gelar mais rápido.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor