Receita Federal multa a B3 em R$ 4,2 bilhões

B3 garante que impugnará o auto de infração no prazo regulamentar e reafirma que o ágio foi regular.

Acredite se Puder / 18:31 - 21 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Receita Federal multou a B3 pela amortização, para fins fiscais, nos exercícios de 2014, 2015 e 2016, do ágio gerado quando da incorporação de ações da Bovespa Holding S/A em maio de 2008, no valor de R$ 3,086 bilhões, a título de IRPJ e R$ 1,119 bilhão a título de CSLL, incluindo, em ambos os casos, multas e juros. O auto de infração encontra-se fundamentado em suposta diminuição indevida das bases de cálculo dos referidos tributos por força do valor atribuído ao ágio. A B3 garante que impugnará o auto de infração no prazo regulamentar e reafirma seu entendimento de que o ágio foi constituído regularmente, em estrita conformidade com a legislação fiscal, ressaltando que continuará a amortizar, para fins fiscais, ágio gerado em outras transações, na forma da legislação vigente.

 

Yduqs dá R$ 1,3 bi para os norte-americanos

A Yduqs, que quer dizer Estácio na língua falada pelo saudoso Mussum, pagou R$ 1,3 bilhão para a Adtalem Brasil Holding que, há quatro anos, pagou apenas R$ 690 milhões pelo Ibemec Educacional e merrecas por alguns cursinhos. A aquisição pelo décimo maior grupo de ensino privado do país, com apenas 102 mil alunos matriculados, 20 campi e mais de 180 polos de EAD, com as marcas Ibmec, Wyden, Damásio Educacional, SJT Med e Clio. Essa estranha transação consiste na compra de 100% das ações da Adtalem pelo valor de R$ 1,92 bilhão, pagamento realizado a vista na data do encerramento da transação, acrescido da posição líquida pro forma do caixa da Adtalem de R$ 305 milhões, um mecanismo de locked-box em que todo o caixa gerado pelas operações entre 30 de junho de 2019 até a data fechamento permanecerá no caixa da companhia adquirida. O pitoresco é que a transação será paga com recursos próprios e financiamentos.

Os analistas do Bradesco BBI destacam ter visão positiva do negócio, uma vez que há: 1) aumento da participação de mercado no ensino a distância; 2) maior exposição aos cursos de medicina (de 12 a 15 unidades, enquanto a base de alunos em potencial pode atingir cerca de 10 mil após a maturidade; 3) enquanto o EV/Ebtida de dez vezes está alinhado com o EV/Ebitda esperado para 2019 da Yduqs, as sinergias podem levar o múltiplo ao nível de 7 vezes, o que os técnicos veem como muito atrativo.

Caramba, se o negócio é tão bom assim, qual o motivo de os norte-americanos pularem fora?

 

JBS responde a comentário bem velho

Apesar dos problemas norte-americanos, tardiamente, os analistas do Itaú BBA incluíram em sua lista de compra as ações da JBS, com base em expectativas de impulso para o setor de proteína e melhor dinâmica para as operações da empresa nos EUA. Enquanto isso, a JBS, em resposta a ofício da CVM, esclareceu que, desde o final de 2016, vem analisando a potencial listagem na bolsa norte-americana, no contexto de estratégia empresarial mais ampla para criar valor para seus acionistas. O documento foi uma resposta da empresa a respeito de notícia que circula há duzentos anos no mercado. A empresa garante que a análise da listagem implica na realização de estudos internos a respeito de possíveis estruturas jurídicas e negociais para a operação, bem como o acompanhamento das janelas de mercado e que os referidos trabalhos estão em curso e contemplam a análise de diferentes opções quanto ao desenho jurídico, o momento e até mesmo a efetiva realização da potencial listagem. Esperem mais três anos.

 

Novas denúncias contra a Boeing

As ações da Boeing sofreram desvalorização de mais de 3%, devido às novas denúncias sobre o 737 Max. Além disso, analistas de diversas instituições revisaram suas análises e reduziram suas expectativas quanto ao desempenho financeiro da empresa neste e no próximo ano.

 

Série ensina a lavar dinheiro

A série "Último Dragão" ("El Dragon") ensina como lavar dinheiro através do mercado de ações. Miguel Garza, traficante de colarinho branco, arranja clientes mafiosos, compra e vende empresas e cria fundos e fundações e sempre se dá bem. Vejam.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor