Reação contra importações ilegais

Negócios Internacionais / 15:35 - 20 de jun de 2011

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Brasil começa a reagir contra a invasão de importados com a criação do Grupo de Inteligência de Comércio Exterior (GI-CEX), órgão que será vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e ao Ministério da Fazenda. Instituído por portaria interministerial, o grupo tem como objetivo principal defender a indústria nacional contra importações ilegais e desleais. No combate às importações ilegais e desleais, o GI-CEX poderá sugerir a convocação de órgãos como a Polícia Federal e o Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Indústria (Inmetro), para atuação conjunta em situações nos quais os indícios de fraude sejam suficientes. O escopo de trabalho do GI-CEX é grande. As áreas de investigação vão desde fraude tributária à importação de produtos falsificados ou de qualidade abaixo da exigida para o produto nacional, passando por subfaturamento e falsa declaração de origem. Superávit está crescendo A balança comercial registrou superávit US$ 656 milhões na terceira semana de junho. As exportações totalizaram US$ 5,534 bilhões, com média diária de US$ 1,106 bilhão. Já as importações foram de US$ 4,878 bilhões, com média diária de US$ 975,6 milhões. No mês, o saldo positivo é de US$ 2,615 bilhões. Segundo o MDIC, houve crescimento de 86,3% na comparação com junho de 2010 e de 25,5% em relação a maio de 2011. As exportações no acumulado mensal, com 13 dias úteis, fecharam em US$ 14,273 bilhões e as importações em US$ 11,658 bilhões. De janeiro até a terceira semana de junho, o superávit foi de US$ 11,170 bilhões. Esse resultado é 49,6% maior que o verificado no mesmo período do ano passado. CNI quer internacionalização A Confederação Nacional da Indústria (CNI) anunciou a criação de um conselho temático dedicado a internacionalização das empresas brasileiras. O conselho será um fórum de debates e de troca de experiências entre os dirigentes empresariais de vários setores. Irá elaborar estudos e orientará a ação da CNI sobre o tema. Missão empresarial à Venezuela A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) convida empresários brasileiros a participar da Missão Empresarial do Brasil à Venezuela, nos dias 28 e 29 de junho de 2011, em Caracas. As empresas brasileiras selecionadas para essa Missão terão oportunidade de se reunir com representantes do governo venezuelano responsáveis pelas compras diretas para o Programa Gran Misión Vivenda, que tem trâmite simplificado. Mais informações: (61) 3426-02026 Mais negócios com a China O comércio entre o Brasil e a China deverá apresentar um crescimento de 30% a 40% este ano, podendo chegar a 50%. A estimativa é do presidente da Câmara Brasil-China de Desenvolvimento Econômico, Tang Wei. "De 1990 a 2000, o comércio bilateral médio estava em US$ 1,5 bilhão por ano. De 2002 para cá, vem aumentando muito. Em 2009, foram US$ 40 bilhões. No ano passado, atingimos US$ 62 bilhões. Este ano, devemos ter um crescimento mínimo de 30% a 40%, pois esse é o ritmo dos últimos anos. Mas não será surpresa se esse aumento chegar a 50%, como no ano passado", afirmou Wei, citando números do governo chinês. Seminário de Operações de Comércio Exterior Estão abertas as inscrições para o quarto Seminário de Operações de Comércio Exterior deste ano, que será realizado no dia 28 de junho. As palestras serão sobre os temas: Novoex - Siscomex Exportação Web - Módulo Comercial; Licenças de Importação de máquinas e equipamentos novos e usados; Drawback Integrado nas Modalidades Suspensão e Isenção; Cotas - Informações Gerais. Os interessados devem se inscrever enviando mensagem para o e-mail: seminario.com.ext@mdic.gov.br, informando nome completo, empresa ou órgão, cargo ou função, telefone e e-mail para contato Crescem exportações das cooperativas Nos primeiros cinco meses de 2011, as exportações das cooperativas brasileiras apresentaram crescimento de 30% sobre igual período de 2010 (US$ 1,663 bilhão), registrando um total de US$ 2,162 bilhões. Considerando a série iniciada em 2005, este foi o maior resultado alcançado. A participação na pauta total das vendas das cooperativas passou de 1,9%, em 2005, para o patamar de 2,3% em 2011. As importações aumentaram 11,4% e passaram de US$ 96,8 milhões, entre janeiro e maio de 2010, para US$ 107,9 milhões, em 2011. Encontro Econômico Brasil-Alemanha A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e sua congênere alemã, Bundesverband der Deutchen Industries (BDI), realizam, de 18 a 20 de setembro, o Encontro Econômico Brasil - Alemanha 2011. Neste ano, o Encontro acontece na cidade do Rio de Janeiro. Na ocasião, estão previstos painéis sobre cooperação e oportunidades de negócios entre os dois países. Em workshops, os participantes irão debater temas como inovação e pesquisa, logística, mobilidade urbana, infraestrutura, oportunidades no setor de petróleo e gás, negócios relacionados à Copa do Mundo e Olimpíadas, inserção internacional de pequenas e médias empresas e cooperação na área de Saúde. Informações: www.firjan.org.br Movimentação de cargas portuárias A movimentação de cargas portuárias cresceu 7,7% no primeiro trimestre deste ano em comparação ao mesmo período de 2010. Segundo boletim divulgado pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), os portos e terminais de uso privativo movimentaram cerca de 200,6 milhões de toneladas entre janeiro e março. No três primeiros meses do ano passado, foram movimentadas 186,3 milhões de toneladas. Embargo russo em vigor Está em vigor desde o dia 15, a proibição imposta pelo Serviço Federal de Inspeção de Produtos Agropecuários da Rússia, Rosselkhoznadzor, ao fornecimento de carne e de outros produtos pecuários procedentes de três Estados brasileiros: Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul. A medida atinge 89 empresas brasileiras, e foi determinada porque, segundo as autoridades russas, elas não se adaptaram às exigências de controle sanitário e veterinário da Rússia. Antonio Pietrobelli editor@exportnews.com.br

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor