Prefeitura cede e rodoviários encerram greve em São Paulo

Prefeito Bruno Covas se dispôs a antecipar pagamentos às companhias para que elas possam honrar os compromissos assumidos com os empregados.

São Paulo / 22:32 - 6 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo decidiram encerrar nesta sexta-feira a greve contra a redução da frota e pela manutenção de postos de trabalho. A paralisação, que começou de ma-drugada, durou cerca de 12 horas.
O fim da paralisação foi confirmado pela assessoria de imprensa do sindicato da categoria, segundo informou o site UOL. De acordo com o sindicato, a prefeitura se comprometeu a não reduzir a frota, a efetuar pagamento do PLR e a manter o emprego dos trabalhadores.
A cidade de São Paulo amanheceu com circulação parcial da frota de ônibus com protestos de motoristas e cobradores na região central. Os trabalhadores reivindicam o pagamento de Participação nos Lucros e Resultados e garantia de postos de trabalho. De acordo com José Carlos Negrão, da secretaria da Igualdade Racial do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de ônibus da cidade de São Paulo, desde maio, pelo menos 450 ônibus foram retirados de circulação na cidade.
O prefeito Bruno Covas se dispôs a antecipar pagamentos às companhias para que elas possam honrar os compromissos assumidos com os empregados. “A Prefeitura se coloca à disposição das empresas, para se for o caso, antecipar receitas que eles têm para resolver problemas de fluxo de caixa”, afirmou.
Covas disse, também, que assinaria ainda na sexta-feira os 32 novos contratos de licitação de ônibus na cidade e que todos seriam publicados no Diário Oficial do Município deste sábado. Ele ne-gou, porém, que a greve dos rodoviários tenha pressionado negociação entre Prefeitura e as empresas concessionárias responsáveis pelos ônibus.
 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor