Possível ida de Lula para ministério repercute nos corredores da Câmara

Política / 12:54 - 15 de mar de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A possível ida do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para um ministério do governo da presidente Dilma Rousseff foi um dos assuntos mais comentados hoje entre os parlamentares na Câmara dos Deputados. A bancada federal do PT na Casa recebeu com entusiasmo a notícia e considerou que isso representaria a ida de um mestre na articulação política para o governo. Já os oposicionistas reclamaram e prometeram recorrer à Justiça para impedir uma possível nomeação de Lula para um ministério. Lula tem apoio unânime da bancada federal do PT na Câmara para integrar o governo. - A possível ida do presidente Lula para o governo é algo que nós saudamos, mas é claro que isso precisa primeiro de a presidente Dilma convidá-lo e de ele aceitar - disse o deputado Wadih Damous (PT-RJ), que recorreu a uma metáfora futebolística para justificar o apoio: "quem tem um Pelé, quem tem um Maradona, um Messi; quer um Pelé, um Maradona, um Messi no seu time. Então, o presidente Lula engrossando o time do governo é bom para o governo", acrescentou. As notícias a respeito da ida de Lula para o governo começaram a circular mais fortemente no início da noite desta segunda-feira. Há a possibilidade de o ex-presidente se reunir nesta terça-feira em Brasília com a presidente Dilma para discutir a nomeação. As expectativas giram em torno de uma possível nomeação para a Casa Civil ou para a Secretaria de Governo, onde ficaria a cargo das relações políticas. Para Wadih, a reconhecida habilidade do ex-presidente de dialogar e formar consensos vai ajudar o governo a superar as inúmeras dificuldades com a base aliada, especialmente com o PMDB, que dá sinais de que pretende se afastar do governo. - Nós não podemos negar as evidência de que o governo está muito fragilizado e o presidente Lula é muito agregador, tem passado por todos os segmentos da política, tem prestígio internacional, foi o presidente mais bem avaliado da história do Brasil - afirmou o petista. Para a oposição, a nomeação seria uma forma de o governo tentar blindar o ex-presidente diante das investigações da Operação Lava Jato, uma vez que, tornando-se ministro, Lula teria direito a foro privilegiado, fazendo com que as investigações saiam do âmbito da Justiça Federal do Paraná e passem para o Supremo Tribunal Federal (STF). - Esse ato de nomeação é nulo, uma vez que a nomeação não tem outro objetivo que não blindar o Lula para o STF - disse o líder do DEM, Pauderney Avelino (AM). De acordo com Pauderney Avelino, os oposicionistas pretendem recorrer à Justiça para impedir uma eventual nomeação de Lula. Eles argumentam que o ato seria uma tentativa de "fraude à lei" e "desvio de finalidade", pois, segundo, Avelino, a nomeação só teria como objetivo fazer com que Lula consiga o foro privilegiado. - Nós, do Democratas e dos outros partidos de oposição, vamos entrar com ações na Justiça Federal e no STF, assim como aconteceu com o caso do ministro da Justiça. A ação popular do DEM será em todo o Brasil - disse o líder do DEM. Pauderney Avelino afirmou que nomear Lula ministro seria um "tapa" na cara da população que foi às ruas no último domingo. Para o deputado oposicionista, os milhares de brasileiros que foram às ruas "já disseram que não querem o governo do PT". Wadih Damous disse que o argumento da oposição demonstra um "desapreço pela ordem jurídica", pois, com a eventual nomeação de Lula para um ministério, as investigações teriam seguimento, apenas mudaria o foro. "Há algum dispositivo legal que diz que se alguém vier para o governo parará de ser investigado, se colocará acima da lei e do ordenamento jurídico? Não. Apenas mudará o foro para o STF", destacou. Segundo Wadih, a atitude da oposição colocaria em dúvida a lisura do STF. - Há alguma dúvida sobre a lisura do STF? Um tribunal que julgou o caso do mensalão e inclusive condenou vários líderes petistas não pode ser colocado em dúvida dessa forma - afirmou. Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor