Porto Maravilha

Decisões Econômicas / 06 Setembro 2017

O subsecretário de Acompanhamento Legislativo da Secretaria municipal da Casa Civil da Prefeitura carioca, Antônio Sá, enviou ao presidente da Câmara Municipal do Rio, vereador Jorge Felippe, relatório da aplicação de recursos pela Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto informando que foram investidos R$ 122,761 milhões na área do Porto Maravilha, dos quais R$ 51,745 na gestão MAR e R$ 24,628 milhões na gestão do Museu do Amanhã. Quem elaborou o relatório faz crítica velada à concentração de dinheiro em alguns poucos projetos, prejudicando outros mais abrangentes e de natureza sociocultural.

Brizola Neto

O ex-ministro do Trabalho Brizola Neto mudou-se de vez para São Gonçalo, município da Região Metropolitana com 1,2 milhão de habitantes e com mais de 800 mil eleitores. Ele foi eleito presidente do diretório municipal do PDT nessa cidade, tendo como vice o ex-vereador Miguel Moraes. No papel, Brizola Neto mora em São Gonçalo, mas na vida real, na Zona Sul da Cidade Maravilhosa.

 

Governo Presente

O que é que vem a ser isso, é difícil dizer e ao mesmo tempo esmiuçar o tal Projeto Governo Presente, que até se confunde pelo nome com o de Segurança Presente, que também custa uma grana aos contribuintes. O Governo Presente representa uma despesa respeitável de R$ 43,264 milhões, conforme resolução conjunta assinada pelos secretários Christino Áureo (Casa Civil e Desenvolvimento Econômico) e Affonso Monnerat (Governo), liberando esses recursos para custear as atividades desse programa. Além disso, os dois também liberaram R$ 3,083 milhões para o programa Barreira Fiscal.

 

Áudio e vídeo

O presidente do Legislativo carioca, Jorge Felippe, e o 1º secretário Carlo Caiado planejam gastar cerca de R$ 7 milhões com o reequipamento da TV Câmara, conforme edital de licitação publicado no DCM. Além dos equipamentos, os gastos incluem treinamento e capacitação de servidores para operacionalizar os serviços.

 

Concorrência nacional

A empresa Geomecânica S/A – Tecnologia de Solos, Rochas e Materiais foi a vencedora de concorrência nacional promovida pela Secretaria estadual de Obras do Rio, no valor de R$ 7,724 milhões. E a Chison Empreendimentos Imobiliários foi contemplada, também em concorrência nacional, com R$ 23,998 milhões para elaborar projeto de ampliação do sistema de abastecimento de água na cidade de Valença, incluindo a seresteira Conservatória, no Sul Fluminense.

 

Vereador Cesar Maia

Crise de consciência

O vereador carioca e ex-prefeito do Rio Cesar Maia passa por uma grave crise de consciência, porque foi aconselhado a ser candidato a governador do Estado do Rio nas eleições de 2018. O problema é que se ganhar vai administrar um estado falido e ele poderá ser visto como incompetente para tirar o estado da falência. Assim, seu dilema é: ganhar não quer, mas aceita sair candidato para perder e ajudar o partido a voltar a ter representação na Assembleia Legislativa.

 

Topografia no governo

É muito interessante saber que a Secretaria estadual de Governo, com escritório no Palácio Guanabara, também tem responsabilidade por contratação de empresa topográfica. Pois não é que o secretário Affonso Monnerat determinou a realização do 3º Termo Aditivo ao Contrato 001/2015 com a empresa Topocart – Topografia, Engenharia e Aerolevantamentos, no valor de R$ 12,966 milhões?

 

Problema de gestão

Há um grave problema de gestão na rede estadual de saúde, comandada pelo secretário Luiz Antônio de Souza Teixeira Júnior, que a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro não acompanha. O secretário promoveu a contratação do Instituto Gnosis para administrar o Centro de Estudos de Diagnóstico do Programa de Imagem, por R$ 22,620 milhões; e a Associação Lar São Francisco, por R$ 1,085 milhão. No entanto, o Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, está prestes a fechar as portas porque a ONG gestora não recebe há seis meses.

 

Execução orçamentária

Com um saldo bancário respeitável, superior a R$ 90 milhões, a Câmara Municipal carioca ainda tem resto a pagar de mais de R$ 30 milhões. Em julho, o Fundo Especial do Legislativo contava com um saldo bancário de R$ 54,885 milhões.