‘Por vias democráticas’ o Brasil não muda

​​​​​​​Filho de Bolsonaro vê roda girando em torno do próprio eixo.

Política / 23:07 - 10 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho mais velho de Jair Bolsonaro e responsável pela máquina de fake news de seu pai nas redes sociais, escreveu em sua página no Twitter que, “por vias democráticas”, a mudança que ele acredita ser necessária para o país “não acontecerá”.

Sempre enigmático, tentando passar recados às suas milícias digitais, escreveu: “Por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos... e se isso acontecer. Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes!”.

O clã Bolsonaro sempre que tem oportunidade defende a ditadura militar como forma de governo. Na semana passada, a alta comissária da ONU para Direitos Humanos e ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet foi alvo de Bolsonaro que atacou seu pai, que foi torturado e morto durante a ditadura de Pinochet.

Bolsonaro será denunciado à ONU por defender ditadura militar. A ação será apresentada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Instituto Vladimir Herzog. As entidades denunciarão Bolsonaro na reunião do Conselho de Direitos Humanos que ocorrerá nesta terça-feira, 10.

 

Desprezo

 

Ao reagir as declarações do filho de Bolsonaro, o presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP) disse que ‘tem o meu desprezo”. E justificou: “No Senado, o Parlamento brasileiro, a democracia está fortalecida, as instituições estão todas pujantes, trabalhando a favor do Brasil. Então, uma manifestação ou outra em relação a esse enfraquecimento tem da minha parte o meu desprezo”.

Por sua vez. o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, disse que “o que é tuitado nas redes sociais pessoais é de responsabilidade de quem o fez”. Ressaltou, durante coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, que “nosso foco é a recuperação do presidente”. Barros afirmou não saber se o presidente Bolsonaro tomou conhecimento do tuíte ou se comentou sobre o assunto. “Acredito que o vereador tenha conversado sim com o presidente da República”, disse.

 

Cobrança sobre ameaças

 

O deputado Paulo Pimenta, líder do PT na Câmara, cobrou uma manifestação pública do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre as declarações do vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Bolsonaro, de que o governo que eles querem implantar no País não tem como ser feito pela via democrática.

É preciso que o presidente do Poder Legislativo, é preciso que os Poderes da República se manifestem diante dessa sucessiva conduta de provocação e de desprezo pela democracia, que caracteriza a conduta do presidente da República”, enfatizou.

A reportagem do site PT Na Câmara destaca que “Paulo Pimenta reforçou que a Bancada do PT espera que Rodrigo Maia venha a público, ainda hoje, para condenar as manifestações deste 'vereador do Rio de Janeiro, porta-voz do Presidente da República, que deixou o País perplexo diante desta onda reacionária, autoritária e fascista, que marca o governo do pai dele e da quadrilha que, junto com ele, hoje governa'.”

A matéria ainda sublinha que “na avaliação do líder do PT, o tema tem que ser tratado com a gravidade que ele merece: uma ameaça à Constituição Federal, uma ameaça ao Estado Democrático de Direito, uma ameaça à democracia. E não se trata de um fato isolado. Nós estamos falando de um governo de um presidente que durante o tempo que esteve nesta Casa em inúmeras oportunidades fez apologia à tortura, às ditaduras, que não esconde de ninguém a sua admiração aos genocidas Stroessner e Pinochet”.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor