Por se alinhar a Witzel, prefeito de Teresópolis é desligado do Livres

Nota oficial diz que 'Witzel tem adotado uma política de extermínio e violação de direitos humanos contra a população carioca.'

Rio de Janeiro / 11:24 - 21 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em nota, o Livres – que se apresenta como um movimento político-social brasileiro que defende o liberalismo econômico e social, e que afirma ser o "único movimento político brasileiro que defende a liberdade por inteiro" – anunciou que Vinicius Claussen (até então no Cidadania, ex-PPS), prefeito de Teresópolis, na Região Serrana do Rio, foi desligado do movimento em função de seu alinhamento com o governador do Estado, Wilson Witzel (PSC), anunciado esta semana, junto com a sua filiação à legenda.

O Livres, diz a Wikpiedia, era "inicialmente uma tendência interna do Partido Social Liberal, o grupo forma uma associação independente, tendo deixado o PSL após a filiação do então deputado federal Jair Bolsonaro ao partido, cujos princípios o grupo classifica como sendo incompatíveis com os seus."

A nota segue dizendo que "o movimento acredita que segurança pública é um dos principais problemas a serem enfrentados no Rio de Janeiro e que Witzel tem adotado uma política de extermínio e violação de direitos humanos contra a população carioca."

"O governador do Rio de Janeiro hoje é uma das principais lideranças de um dinâmica preocupante e crescente no Brasil que relativiza as garantias fundamentais que o liberalismo trouxe para a humanidade. Não podemos compactuar com isso. Os valores de liberdade individual e respeito aos direitos humanos são inegociáveis para nós", afirma Paulo Gontijo, presidente nacional do Livres.

A decisão foi tomada em comum acordo, a partir da desaprovação do Livres à decisão do prefeito.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor