Política de Macri dá prejuízo ao Brasil

Crise na Argentina faz exportações de cidades brasileiras caírem até 47%

Internacional / 22:46 - 7 de jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A crise econômica que assola a Argentina por conta da política recessiva imposta pelo governo do presidente Maurício Macri vem prejudicando seriamente os municípios brasileiros que mais exportam para o país vizinho.

Nove dessas dez cidades têm registrado quedas consecutivas em suas operações. Em alguns casos, as exportações caíram quase pela metade, aponta reportagem do site Brasil de Fato.

Entre janeiro e maio deste ano, as exportações do município de Goiana (PE) diminuíram 47%, em comparação com o mesmo período do ano passado. Só as vendas para a Argentina caíram 62%.

A cidade está na lista dos dez municípios que mais venderam para os argentinos em 2018, somando US$ 511 milhões em remessas. E cerca de 70% do que Goiana exportou no ano passado teve como destino a nação presidida por Macri, que é o terceiro na lista de parceiros comerciais do Brasil.

Mesmo com diminuição de 30% das vendas para o país platino, Taubaté (SP) é o único município da lista que conseguiu manter o saldo positivo de exportações.

São Bernardo do Campo, localizada na região metropolitana de São Paulo, lidera as vendas para o país vizinho, em valores brutos. Mas, entre janeiro e maio de 2019, a cidade reduziu 69,1% das exportações para a Argentina – quando comparado com o mesmo período do ano passado.

A cidade é um dos principais polos da indústria automotiva no país, com fábricas de empresas como a Mercedes, Toyota e Volkswagen. Cerca de 32% do que a cidade exporta vão para o mercado argentino.

Em um cenário de maior dependência, a cidade de Porto Real (RJ) destinou quase 92% de toda sua remessa ao exterior à Argentina em 2018. As exportações para o país diminuíram de US$ 226,8 milhões, de janeiro a maio do ano passado, para US$ 90 milhões nos cinco primeiros meses deste ano, o equivalente a uma queda de 60%. Isso teve impacto de uma redução de 40% nas exportações totais da cidade fluminense.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor