Polícia Federal vem aí

Mercado Financeiro / 19 abril 2017

Venda do Panamericano para Caixa e Pactual sob investigação

A aquisição de ações do Banco Panamericano pela Caixa Participações (CaixaPar) é alvo da Operação Conclave, da Polícia Federal, que cumpriu nesta quarta-feira 46 mandados de busca e apreen-são expedidos pela 10ª Vara Federal de Brasília.
Durante as investigações, foram identificados alguns núcleos criminosos, segundo a PF: o núcleo de agentes públicos, responsáveis diretos pela assinatura dos pareceres, contratos e demais docu-mentos que culminaram com a compra e venda de ações do Banco Panamericano pela CaixaPar, braço de investimentos da Caixa, e com a posterior compra e venda de ações do Panamericano pelo Banco BTG Pactual; o núcleo de consultorias, contratadas para emitir pareceres a legitimar os negócios realizados; e o núcleo de empresários, que, conhecedores das situações de suas empresas e da necessidade de dar aparência de legitimidade aos negócios, contribuíram para os crimes.
A justiça determinou a indisponibilidade e bloqueio de valores de contas bancárias de alvos das medidas cautelares. O bloqueio alcança o valor total de R$ 1,5 bilhão. Segundo a Folha de S.Paulo, há mandatos de busca e apreensão envolvendo Henrique Abravanel, irmão de Silvio Santos, o banqueiro André Esteves e o BTG.
Em 2009, a Caixa adquiriu do grupo Silvio Santos 35% do capital do Panamericano. No ano seguinte, veio à tona um rombo gigantesco no banco. O controlador pediu ao Fundo Garantidor de Créditos um empréstimo de R$ 2,5 bilhões para evitar a liquidação da instituição. Em 2011, Silvio Santos vendeu o banco para o BTG por R$ 450 milhões.
O inquérito instaurado apura a responsabilidade de gestores da Caixa na gestão fraudulenta, além de investigar possíveis prejuízos causados a correntistas e clientes. A aquisição de ações pela Cai-xaPar é investigada por ter potencialmente causado expressivos prejuízos ao erário federal.