Poder público só se faz presente na base do pancadão

Responsabilidade deve ser cobrada de Covas, Doria, Bolsonaro e antecessores.

Fatos e Comentários / 18:39 - 2 de dez de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O poder público é um ilustre ausente de Paraisópolis (como também de Heliópolis, Rocinha e centenas de outras). Marcar presença, através da PM, com a Operação Pancadão é garantia de desastre (ou massacre, como classifica o órgão dos direitos humanos do governo paulista), como o que ocorreu neste final de semana. Não se trata de buscar culpados, mas de cobrar responsabilidades. É estas recaem sobre prefeito e governador, cargos atualmente ocupados por Bruno Covas e João Doria Jr., ambos do PSDB.

Não se trata de responsabilidade isolada. É compartilhada com seus antecessores, anos de descaso com planejamento urbano, transportes, segurança, serviços públicos, política de trabalho e distribuição de renda. Por isto, também, a conta recai sobre o Governo Federal, hoje chefiado por Jair Bolsonaro.

Deixar o problema para ser resolvido pela Polícia Militar e suas ações cotidianas de pancadaria só poderia ter o desfecho que não se limita aos nove jovens mortos, mas a toda série de agressões de que são vítimas todos os brasileiros, morem eles nas favelas ou fora delas. Agora, agravado pelo discurso de “atire primeiro e arranje uma desculpa qualquer depois”.

Apenas como exercício de comparação, alguém imaginaria um desastre como o de Paraisópolis ocorrendo no Rock in Rio ou no Lollapalooza?

 

Ciência e desenvolvimento

O projeto “Ciência gera Desenvolvimento” homenageia o geógrafo Milton Santos. O Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor) se uniu à Academia Brasileira de Ciências (ABC), que criou o projeto em 2007 para produção de vídeos curtos de animação sobre a vida e obra de cientistas brasileiros.

A série já contava com três vídeos: sobre a engenheira agrônoma Johanna Döbereiner, cujo trabalho sobre bactérias fixadoras de nitrogênio foi crucial para que o Brasil se tornasse o segundo maior produtor de soja do mundo; sobre o médico Marcos Luiz dos Mares Guia, que criou um método para produzir insulina humana e fez do Brasil o líder dessa produção; e sobre o almirante Álvaro Alberto da Mota e Silva, primeiro presidente da ABC e do CNPq.

Professor da UFRJ e diretor de Comunicação do Idor, Stevens Rehen acredita que há uma necessidade de estabelecer novos canais de comunicação com a sociedade, para dar mais visibilidade à ciência nacional. “A expectativa é que o público jovem descubra a importância do desenvolvimento científico nacional”, afirma. A animação sobre Milton Santos e os outros vídeos estão disponíveis aqui.

 

Prática

O consultor Luiz Affonso Romano abriu vagas para mais uma turma de seu curso presencial de Formação de Consultores em São Paulo, em 5 e 6 de dezembro. O objetivo do curso é a capacitação e o aprimoramento de profissionais da área, já atuantes ou em princípio de carreira, além de executivos em busca de redirecionamento de vida e trabalho que desejam migrar para a consultoria.

O curso busca valorizar a experiência prática, por meio de exposições dialogadas, debates, estudos de casos e exercícios em grupos, prevendo e resolvendo os reais problemas, apontando oportunidades, tendências e sugerindo posturas que propiciem a venda e a implementação eficaz dos serviços de consultoria. Inscrições aqui.

 

Ceia vegetariana

Com alta do dólar, encarecendo o bacalhau, e da carne (8% de aumento no IPC-S), restarão na ceia natalina o arroz, as passas e a farofa.

 

Rápidas

Daniela Colla e Marília Baracat, do escritório Di Blasi, Parente & Associados, participam do Café Empreendedor, no Rio, e debatem práticas de compliance para startups, nesta terça, às 9h, na Fábrica de Startups. Inscrições aqui *** FGV Ibre lançará nesta quarta o Observatório da Produtividade, portal que apresentará, trimestralmente, números atualizados da produtividade do trabalho *** A sul-africana Aspen Pharma oficializou este ano seu Programa de Diversidade e Inclusão (D&I). A filial brasileira é pioneira ao contratar a primeira colaboradora transgênero, através de uma parceria com a TransEmpregos *** Ricardo Cavalcanti Ribeiro promove mutirão para implante de 160 pares de próteses mamárias apreendidas pela Receita, doadas à Fuvest e entregues ao médico. As inscrições podem ser feitas no Hospital Gaffrée e Guinle, no Rio de Janeiro, de 4 a 11 de dezembro.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor