Planos de saúde registram aumento de 0,4% de beneficiários em agosto

SEG NOTÍCIAS - 8.10: Segundo o Iess, resultado do mês é o maior desde outubro de 2017.

Seguros / 17:09 - 8 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em agosto deste ano, o mercado de planos de saúde médico-hospitalares registrou o melhor saldo mensal desde outubro de 2017. Os dados estão na Nota de Acompanhamento de Beneficiários (NAB), divulgada pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (Iess). Com avanço de 0,4%, o saldo para o mês ficou em mais de 190 mil novos vínculos.

Segundo José Cechin, superintendente-executivo do Iess, o resultado está relacionado com o desempenho do mercado de trabalho nacional. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontaram que, em agosto, a produção da indústria brasileira encerrou três meses de perdas e registrou o melhor resultado em cinco anos com alta de 0,8% em relação a julho. "A criação de postos de trabalho no segmento da indústria tem impacto direto na saúde suplementar, por ser a atividade mais formalizada e com maior participação na contratação de planos de saúde", afirma. "Apesar de ser apenas um primeiro sinal, esta ligeira alta pode representar o início de uma retomada efetiva da produção industrial e da criação de novas vagas de emprego e mais beneficiários de planos médico-hospitalares", comenta.

O executivo ainda lembra que publicação da Confederação Nacional da Indústria (CNI) afirmou que o Índice de Medo do Desemprego caiu 1,1 ponto em setembro desse ano. A pesquisa é trimestral, então a base de comparação é junho desse ano. "A queda indica que as famílias também estão mais confiantes para adquirir novos produtos e serviços, inclusive de assistência privada à saúde", projeta. Vale lembrar que o plano de saúde é o terceiro maior item de desejo do brasileiro, atrás apenas de educação e casa própria segundo a pesquisa Iess/Ibope.

O boletim voltou a registrar ligeira variação positiva de 0,1% entre agosto deste ano e o mesmo mês de 2018, o que representa cerca de 49 mil novos vínculos firmados nesse período. Em números absolutos, Minas Gerais registrou aumento de 51 mil novos vínculos, ou 1,0%. No entanto, o Rio Grande do Sul registrou perda de 44.871 beneficiários no período de 12 meses.

Cechin reforça que, embora o crescimento em 12 meses ainda seja modesto, o do trimestre e especialmente o do último mês foram expressivos. "Considerando o movimento que o mercado vem apresentado desde o final de 2014, esses avanços recentes, ainda que modestos, podem ser considerados muito positivos. A continuidade desse tipo de resultado depende de uma retomada mais expressiva da atividade econômica, particularmente do mercado de trabalho formal. Somente uma retomada consistente permitirá que se recuperem os mais de 3 milhões de vínculos rompidos nos últimos anos", conclui Cechin.

Já o mercado de planos exclusivamente odontológicos segue como destaque positivo na saúde suplementar brasileira. Entre agosto deste ano e o mesmo mês do ano passado, houve crescimento de 5,7% no total de beneficiários, correspondendo a 1,3 milhão de novos contratos. Com isso, o segmento ultrapassou a marca de 25 milhões de vínculos.

.

Custo médico hospitalar de planos coletivos em 59 países fica três vezes acima da inflação

De acordo com o estudo Tendências Médicas Globais 2019, da Mercer Marsh Beneficios, os custos médicos continuam superando em aproximadamente 3 vezes a média global de 9,7% em 2018. Um aumento semelhante é esperado para 2019 e ainda maior para 2020. À medida que o custo dos programas de benefícios para a saúde continue aumentando globalmente, os empregadores têm a oportunidade de conter custos através de desenhos de planos mais inteligentes e acesso dos funcionários a cuidados de saúde focados na qualidade.

Em seu quinto ano consecutivo, este último relatório pesquisou 204 seguradoras em 59 países*, avaliando como as condições de saúde, os fatores relacionados a fornecedores e os hábitos de consumo estão impulsionando o custo, além de fornecer insights sobre como as seguradoras estão respondendo.

Globalmente, os três principais fatores de risco para a saúde que influenciam o custo médico continuam sendo o risco metabólico e cardiovascular, seguido pelo risco dietético e risco emocional/mental.

A nível regional, há uma variação na ordem dos fatores de risco, onde é possível ver um aumento na importância dos dois principais fatores de risco que são o risco metabólico e cardiovascular, que subiu de 88% em 2018 para 97% em 2019.

Em segundo lugar, há o risco dietético que aumentou 14%, de 71% em 2018 a 85% em 2019. Ambos os riscos são os principais impulsionadores do custo médico.

Na América Latina: risco dietético (85%); Europa: riscos emocionais ou mentais (61%); Oriente Médio e África Médio Oriente e África: riscos ocupacionais (59%), desnutrição infantil e materna (24%); e Ásia: riscos ambientais (52%). Como os efeitos de altos níveis de poluição em muitas das principais cidades da região estão cobrando seu preço.

Em resposta ao panorama atual, o número de seguradoras que estão investindo em iniciativas para facilitar o acesso a uma saúde focada na qualidade, e que oriente melhor seus segurados para opções de cuidados corretos para eles mais rapidamente, mais do que duplicou. Globalmente, 29% das empresas agora apontam este tipo de investimento como uma prioridade estratégica.

As seguradoras estão respondendo ajudando os seus segurados a fazerem escolhas de saúde mais inteligentes relacionadas à saúde, com 63% das seguradoras fornecendo educação, ferramentas e incentivos para impulsionar comportamentos positivos.

Na América Latina e no Caribe, esse índice situou-se em 58% e ressalta-se que no aspecto da educação do usuário, 56% das seguradoras pesquisadas afirmaram que estão investindo ativamente. Também é interessante ver como consultas médicas virtuais, ou a telemedicina, segue sendo uma solução inovadora para permitir o acesso dos segurados à saúde, ao mesmo tempo que contêm os custos operacionais.

Em relação às soluções prevalentes adotadas pelas seguradoras para conter custos médicos relacionados a planos de saúde patrocinados pelo empregador, as seguintes práticas são as mais comuns entre as empresas: Taxas negociadas com prestadores de serviços de saúde (91%); grupos reduzidos de fornecedores preferidos (91%); pré-autorização, incluindo a avaliação da razoabilidade do custo do procedimento/fornecimento (85%); negociação de preços para pacotes/procedimentos específicos (85%); e pré-autorização: incluindo a avaliação da adequação médico do tratamento realizado e a participação na definição do mesmo (76%).

A pesquisa também permitiu definir globalmente e regionalmente, de acordo com o valor pago pelas seguradoras e a frequência, os tipos de sinistros em saúde que mais impactam os custos médicos desses tipos de planos. Em relação ao custo dos sinistros, o câncer continua sendo a doença de maior custo com 73%, seguida de doenças no sistema circulatório com 45% e doenças osteomusculares com 34%.

De acordo com a pesquisa, as doenças mais comuns são, nesta ordem, doenças gastrointestinais com 61%, seguidas de doenças do sistema circulatório com 52% e doenças relacionadas à condições respiratórias com 48%. Neste aspecto da pesquisa, é importante ressaltar que o câncer não é mais a doença mais impactada na região, passando do primeiro lugar em 2018 para o quinto lugar em 2019.

Segundo Renato Cassinelli, líder da Mercer Marsh Benefícios para a América Latina, o futuro do trabalho exige funcionários saudáveis e engajados. "Como o custo de prestação de benefícios médicos continuam a aumentar, os empregadores devem avaliar como aproveitar ao máximo o desenho do plano, incluindo o acesso a cuidados com a saúde baseados em qualidade para impulsionar melhores resultados. Os planos devem ser revisados através da perspectiva de otimização de custos e engajamento dos funcionarios", explica.

.

DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL

Happy Hour de Negócios O Clube dos Corretores de Seguros de São Paulo (CCS-SP) promove hoje mais uma edição da Happy Hour de Negócios, a partir de 18h30, no Circolo Italiano (Av. Ipiranga, 344, 1º andar, Centro - São Paulo). Desta feita, a diretoria do CCS-SP receberá no evento os executivos do Grupo Tracker, maior empresa de rastreamento e localização de veículos do país.

O vice-presidente comercial do Grupo Tracker, Ronaldo Megda, adianta que apresentará na ocasião o portfólio de produtos da empresa e algumas novidades. "Os corretores conhecem o Grupo Tracker como uma empresa que mitiga a sinistralidade da sua carteira junto ao mercado. Na happy hour, vamos um pouco além", diz.

Informações e inscrições pelo e-mail: atendimento@ccssp.org.br ou telefones (11) 3104 0416 e (11) 9380.0102

.

Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros - A HDI Seguros estará presente na 21ª edição do Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros, que acontece entre os dias 10 e 12 de outubro, na Costa do Sauípe, litoral norte do estado da Bahia. Murilo Riedel, o CEO da companhia, irá debater o mercado marginal de seguros em um painel no dia 12, a partir das 9h30.

Para o executivo, aliás, o evento é uma oportunidade de apresentar aos corretores novidades que a seguradora está planejando para o mercado. "Os corretores de seguros representam um importante canal pelo qual distribuímos as soluções que desenvolvemos, então é justo que eles sejam os primeiros a saber o que estamos preparando", destaca o CEO da HDI Seguros. Contando com uma rede de mais de 20 mil corretores parceiros, ao participar do evento a HDI constrói, ao lado dos profissionais, as bases do próximo ciclo de relacionamento e geração de novos negócios.

Segundo Murilo Riedel, o formato do Congresso estimula a aproximação e a troca de ideias de forma mais intensa e assertiva. "Serão três dias em um ambiente despojado, que significam para nós uma experiência única de fortalecimento de vínculos, que temos certeza de que trarão benefícios de longo prazo", projeta o executivo.

Além da participação do CEO, a seguradora terá um estande próprio no evento para receber os participantes. O espaço é amplo e foi projetado para proporcionar a integração entre eles, que terão à disposição um bar de drinks, jogos, ambientações para fotos e sorvete Häagen-Dazs à vontade. Localizado em frente ao da Icatu Seguros, que é parceira da HDI no ramo de Vida, as duas companhias vão promover um circuito de brincadeiras que dará brindes aos participantes, caso eles completem as atividades propostas por ambas as seguradoras.

Flávio Rodrigues, vice-presidente comercial; Vagner Guzella, vice-presidente administrativo-financeiro; e Fábio Leme, vice-presidente técnico da seguradora, também estarão presentes no evento, além de todos os diretores regionais da companhia. Na agenda de atrações, estão previstas ainda palestras, workshops e confraternizações, com shows de humor e de grandes nomes da música brasileira. A HDI Seguros, inclusive, é a patrocinadora de um jantar marcado para o dia 11, a partir das 20 horas.

.

Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros - II - O congresso também contará com a participação do presidente do Clube dos Corretores do Rio de Janeiro (CCS-RJ), Fabio Izoton, em um de seus painéis.

Ao lado dos presidentes da SulAmérica, Gabriel Portella, da FenaSaúde, João Alceu Amoroso Lima, e da Bradesco Saúde, Manoel Peres, Izoton será uma dos palestrantes do Painel sobre Seguro Saúde, no segundo dia de congresso, às 10h45. Quem mediará o debate será o presidente do Sincor-BA, Wanderson do Nascimento.

"É uma honra dividir painel com esses grandes líderes do mercado de seguros brasileiro e, com certeza, um grande passo na representatividade do Clube diante do mercado de Seguros e Saúde Suplementar", comemora o presidente do CCS-RJ.

.

Conferência na Europa A diretoria da Aida Brasil esteve presente na 8ª conferência da Aida Europa. Sergio Mello, vice-presidente mundial, e Ivy Cassa, diretora de relações internacionais da Aida Brasil, foram alguns dos representantes da delegação brasileira no evento, realizado em Lisboa, entre os dias 3 e 4 de outubro.

O evento reuniu advogados de 36 nacionalidades, que discutiram tópicos relacionados a tecnologia e inovação nos setores de seguros, com especial enfoque para riscos cibernéticos e para a Insurance Distribution Directive (IDD).

.

Seminário A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) se tornou um dos assuntos mais discutidos pelo setor de seguros nos últimos tempos. Mas, na maioria das vezes, sob o enfoque teórico. "O que as empresas do setor de seguros precisam saber, sobretudo as corretoras, é o que fazer para se adequarem à lei", diz o presidente da APTS, Octavio Milliet.

Para trazer a parte prática da LGPD ao debate, a APTS realizará um seminário no dia 21 de novembro, das 8h30 às 13h, no auditório da Escola Nacional de Seguros (ENS): Rua Augusta, 1.600, Consolação.

Na ocasião, especialistas mostrarão aos corretores de seguros e empresários do segmento PME quais os impactos para os seus negócios e como podem se adequar à LGPD.

As advogadas Bárbara Bassani e Carla Couto, do escritório TozziniFreire, farão recomendações, do ponto de vista jurídico, e dirão como as empresas devem se preparar para atender as exigências da lei. Na apresentação dos aspectos jurídicos da LGPD com foco na corretagem de seguros e a experiência internacional, elas também irão comentar as penalidades previstas.

Parte do evento será dedicada à apresentação de soluções para identificação, prevenção e proteção contra riscos cibernéticos. O corretor de seguros especializado em riscos cibernéticos, Cláudio Macedo Pinto, da corretora Clamapi, tratará da aplicação prática da LGPD em corretoras e outras empresas.

O seminário também contará com um talk show dedicado ao debate de soluções mais recentes para riscos cibernéticos, com a participação de representantes do setor de seguros e da Polícia Civil, especializado em crimes cibernéticos.

Mais informações pelo e-mail apts@apts.org.br.

.

SEGURO CIDADÃO

Educação no trânsito O Dia das Crianças é sinônimo de brinquedos, desenhos e muita diversão, mas também é uma oportunidade para chamar atenção para a educação o trânsito. Para isso, a Seguradora Líder lançou, nesta segunda-feira (7.10), a segunda edição da promoção Pequeno Grande Motorista. Com o tema "Cantando no Trânsito", a iniciativa conta novamente com a parceria da youtuber Juliana Baltar, que tem mais de 9,5 milhões de inscritos no seu canal na rede de vídeos. A influenciadora convida crianças de até 14 anos a enviarem vídeos dando continuidade à música sobre segurança no trânsito gravada por ela, especialmente para a iniciativa. O prêmio para o vencedor é gravar um clipe com a Juliana, no Rio de Janeiro.

Em 2018, a promoção convidou as crianças a gravarem um vídeo sobre segurança no trânsito. Foram mais de 110 vídeos inscritos e 64 disputaram a preferência popular. O vídeo mais votado teve mais de 20 mil e a vencedora passou um dia ao lado da youtuber Juliana Baltar. O vídeo campeão teve mais de 20 mil votos e a vencedora passou um dia ao lado da influenciadora.

Para concorrer este ano, as crianças deverão assistir ao vídeo da youtuber cantando a primeira parte da música sobre segurança no trânsito. Depois, será a vez dos pequenos. Eles precisarão completar a canção, gravando um vídeo, que deve ter, no máximo 2min e 30s. Na sequência, o responsável deve fazer a inscrição da criança no site da promoção, enviando o vídeo gravado. Após análise do material enviado, estando dentro das regras previstas no regulamento, a confirmação da participação será enviada para o e-mail cadastrado pelo responsável. As inscrições ficarão abertas até 27/10.

Entre os dias 29 de outubro e 11 de novembro, o público poderá acessar o site da campanha para votar no melhor vídeo. O dono da música mais votada será anunciado em 26/11 e ganhará uma viagem ao Rio de Janeiro para gravar o clipe da música vencedora com a Juliana Baltar. A criança deverá estar acompanhada do responsável legal.

A promoção Pequeno Grande Motorista: Cantando no Trânsito é mais uma iniciativa da Seguradora Líder dentro da plataforma "Salvar Vidas", que, em agosto, lançou o Projeto 3 Segundos e, no final de setembro, o aplicativo Modo Trânsito Dpvat. Mais informações podem ser obtidas em estamosaquiparavoce.com.br/salvar-vidas-no-transito/modo-transito/. Todos esses esforços são reflexo dos números de acidentes de trânsito, que também são alarmantes na faixa etária de 0 a 17 anos. Apenas de janeiro a setembro, mais de 9 mil crianças e adolescentes foram indenizadas pelo Seguro Dpvat em função de ocorrências com veículos. Deste total, cerca de 58,2% eram pedestres e quase 70,5% ficaram com algum tipo de invalidez permanente.

"Acidentes de trânsito envolvendo crianças e adolescentes ainda são uma realidade, apesar da diminuição observada nos últimos anos. As estatísticas do Seguro Dpvat mostram que a maioria é atingida quando está na condição de pedestre. A realidade indica, portanto, a necessidade de mais atenção dos motoristas ao limite de velocidade e o respeito aos semáforos, principalmente em áreas escolares e domiciliares. Também é importante que os pais acompanhem os filhos no momento de atravessar as ruas, estejam atentos à sinalização e sempre utilizem a faixa de pedestre", explica Arthur Froes, superintendente de Operações da Seguradora Líder.

.

Longevidade Para celebrar o Mês do Idoso em outubro, o Instituto de Longevidade Mongeral Aegon lança campanha para chamar a atenção sobre o despreparo das cidades brasileiras em oferecer qualidade de vida à população acima de 60 anos, crescente a cada ano no Brasil. Com produção da agência DPBR e roteiro do Instituto, o filme publicitário de 1'' convoca pessoas de todas as idades e partes do Brasil para responder à pergunta no site da campanha: sua cidade está preparada para você viver mais e melhor?

A pesquisa, virtual, será usada como base para o lançamento de uma versão atualizada do estudo que avaliou o grau de preparação dos municípios brasileiros para o envelhecimento de sua população. Publicado em 2017, o Índice de Desenvolvimento Urbano para Longevidade (IDL) avaliou as condições de 498 cidades sobre a capacidade de atender às necessidades das pessoas à medida que envelhecem. O Índice foi desenvolvido pelo Instituto em parceria com o Escola de Administração de Empresas de São Paulo (Eaesp) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

"Mais do que fazer uma campanha de conscientização, queremos a participação real das pessoas neste mês do idoso. Como as cidades, o Instituto também é o lugar onde nos encontramos, envelhecemos, conhecemos pessoas e trocamos opiniões", destaca Henrique Noya, diretor-executivo do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon.

Atualmente, a população considerada idosa no país, ou seja, acima de 60 anos de idade, já representa 13% do total, chegando a 31 milhões de pessoas. Até 2060, o percentual subirá para 25%, batendo os 73 milhões de idosos.

Ainda que a realidade mostre o crescimento acelerado desta população, os desafios aumentam na mesma proporção. O exemplo disso é que muitas cidades estão na contramão da longevidade, como indicam os seguintes números: 65% das cidades do Brasil não estão preparadas para o envelhecimento; apenas 6% oferecem boas condições de participação social e 94% das cidades não possuem nível adequado de habitação para este público.

"Nosso índice identificou que existe uma preocupação por parte de muitos gestores públicos para tornar as cidades mais amigáveis aos idosos, mas ainda é muito pouco o que estamos fazendo neste sentido", analisa Noya. "A população idosa no país ainda enfrenta grandes desafios em várias áreas com a falta de políticas públicas que os beneficiem, como, por exemplo, a capacitação para a reinserção desse público no mercado de trabalho, além de atividades que os motivem a se renovar. É preciso que tanto o setor público quanto o privado passem a olhar mais atenta e cuidadosamente para este nicho que pode continuar sendo produtivo", completou.

Para conhecer e participar da campanha, acesse www.cidadeselongevidade.org. Assita o vídeo da campanha: https://youtu.be/J0pjtUkSxMg.

.

HAPPY HOUR

"Se você aprendeu com o erro de outra pessoa, é porque foi, provavelmente, a vítima."

Franklin P. Jones

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor