Advertisement

PF prende presidente da Cesp e mais 13 por desvios no Rodoanel

Conjuntura / 22 Junho 2018

A Operação Pedra no Caminho, da Polícia Federal (PF), realizada nesta quinta-feira, prendeu temporariamente 14 suspeitos de envolvimento em desvios de recursos públicos nas obras do trecho norte do Rodoanel, em São Paulo. Entre eles, Laurence Casagrande Lourenço, ex-presidente da Dersa, que é a empresa do governo estadual que atua na construção de rodovias, além de pessoas ligadas às empreiteiras envolvidas. Atualmente, Lourenço preside a Companhia Energética de São Paulo (Cesp). Os desvios foram estimados em mais de R$ 600 milhões.
“Podemos perceber que existe uma sucessão de atos criminosos dentro da Dersa. Desde desvio de dinheiro e reassentamento a, agora, superfaturamento. Tudo relacionado ao mesmo convênio com a União, que destinou R$ 6,4 bilhões”, disse Anamara Silva, procuradora da República com atuação no combate ao crime de corrupção.
Entre os presos está uma testemunha de defesa do ex-diretor da estatal paulista Paulo Vieira de Souza, conhecido por Paulo Preto. Essa testemunha estava relacionada para ser ouvida nesta quinta-feira pela Justiça Federal na ação criminal sobre desvios de recursos na construção do trecho sul do Rodoanel.
Ex-diretor da Dersa no governo do PSDB em São Paulo, Paulo Preto é acusado pelo Ministério Público de ter desviado cerca de R$ 7,7 milhões em recursos destinados ao reassentamento de pesso-as desalojadas para obras viárias em São Paulo. O processo é desdobramento da Operação Lava Jato em São Paulo.