Petróleo será de fato nosso ou será dos EUA

Descoberta do pré-sal colocou Brasil na mira da intervenção estratégica dos EUA.

Fatos e Comentários / 20:50 - 11 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A coluna comentou outro dia sobre a importância estratégica do petróleo, que já levou países à guera, com os Estados Unidos à frente de todos. “Não é surpreendente que, com a descoberta do pré-sal no Brasil, com reserva comprovada de cerca de 40 bilhões de barris de petróleo e gás natural e reserva potencial de 176 bilhões de barris, nosso país tenha se tornado, tal como o Golfo Pérsico, alvo de intervenção estratégica dos EUA”, escreve Felipe Maruf Quintas, doutorando em Ciência Política pela UFF e colaborador do Monitor Mercantil, em artigo para a Associação dos Engenheiros da Petrobrás (Aepet).

A Operação Ajax, coordenada pela CIA e pelo SIS (serviço secreto britânico), foi deflagrada no início de 1953 e depôs Mossadegh [Mohammed, primeiro-ministro do Irã], pelo que hoje seria chamado de ‘revolução colorida’. Esse golpe serviu de modelo para outros que foram posteriormente aplicados pelos EUA”, descreve Quintas.

As manifestações de 2013 (na esteira das “primaveras árabes”) pode ser enquadrada na categoria das “revoluções coloridas”, assim como a que destruiu a Líbia, também tendo como objetivo o controle do petróleo. “A Lava Jato e o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff não tiveram outro objetivo que não o de aprofundar a alienação, já em curso, dos recursos estratégicos do Brasil, em particular o petróleo do pré-sal, para corporações estrangeiras, sobretudo dos EUA ou de países a ele aliados. Não cabe meio-termo: ou o nosso petróleo será de fato nosso ou será dos EUA. A primeira alternativa é o caminho da soberania e do desenvolvimento. A segunda é o do neocolonialismo e da escravidão”, sentencia Felipe Quintas.

 

Exemplo oposto

O Fundo Monetário Internacional (FMI) garante ter feito pesquisa em que conclui que países que adotaram controle sobre taxas de juros viram reduzir o crescimento do PIB per capita entre 0,4% e 0,7%. Até aí, tudo bem, é o FMI cumprindo seu papel.

A coisa pega quando usa como exemplo a Bolívia, que adotou controles em 2013. O Fundo diz que houve perda de rentabilidade dos bancos (sem surpresa) e dúvidas sobre a qualidade dos ativos, “apesar de indicadores financeiros amplamente sólidos no ciclo atual”, reconhece. Assim, a Bolívia fez exatamente o contrário do que preconiza o FMI e se deu bem.

 

Devagar

O IBGE divulga nesta quarta-feira o resultado da Pesquisa Mensal de Comércio. As projeções do FGV Ibre para vendas do varejo restrito em dezembro de 2019, em comparação com novembro, é de estabilidade. Para as vendas do varejo ampliado (inclui automóveis e construção), a expectativa é de queda de 0,5%.

Em relação ao comportamento no ano, comparado com 2018, o FGV Ibre espera alta de 1,8% (varejo restrito) e 3,9% (ampliado).

 

Limites do humor

Pode fazer humor com religião? A arte pode ser proibida quando envolve a fé? Essas e outras questões serão debatidas por juristas, jornalistas, humoristas e religiosos na mesa redonda “Humor, Arte e Religião – Liberdade e Respeito”

Participarão o desembargador André Gustavo Corrêa de Andrade, diretor-geral da Emerj; a juíza Andréa Maciel Pachá; a jornalista Cora Rónai; a atriz e escritora Bianca Ramoneda; o pastor e professor Henrique Vieira; e o humorista Hélio de La Peña, entre outros.

O evento é gratuito. Inscrições aqui.

 

Projeto

Abraham Weintraub não será demitido por incompetência à frente do Ministério da Educação. Será mantido exatamente por isso.

 

Rápidas

A Copra, indústria de Maceió de derivados de coco, lançará produtos com alternativas naturais, livres de glúten, lactose e de testes em animais, na SER Trade Show – 32ª Super Rio Expofood, que será realizada de 16 a 18 de março, no Riocentro *** Neste domingo, ocorrerá mais uma edição da Feira Caxias Shopping, das 12h às 18h *** Um ano após a publicação da Lei de Fundos Patrimoniais (13.800/2019), as executivas do Santander Brasil Luciana Bragança e Renata Biselli dividem a bancada no painel “O papel dos endowments em perpetuar o impacto positivo das famílias”, durante o Converge Capital Conference, nestas quinta e sexta, no Rio de Janeiro.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor