Petrobras sairá do setor de gás, mas Abegás acha pouco

Associação quer rever fórmula de preços e punir a estatal por ser competente.

Acredite se Puder / 17:43 - 4 de jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Petrobras vai assinar um termo de compromisso com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica se comprometendo a vender as participações em 19 distribuidoras de gás que possui através da subsidiária Gaspetro, além da infraestrutura de apoio logístico, como unidades de processamento do gás natural (UPGN). O interessante é que a Petrobras é membro da Associação Brasileira das Empesas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás) que, nesta semana, pediu que o Cade obrigue a estatal a reconhecer que, nos últimos cinco anos, atua ilegalmente no setor, com praticas não equitativas. E quer medidas restritivas, como a revisão dos contratos de venda do gás e a adoção de uma fórmula de preços que deve valer para todos os compradores.

A Petrobras é a principal vendedora, compradora e transportadora do combustível. A Abegás quer que seja obrigada a pagar multa e seja impedida de controlar oferta e preços de gás no mercado e de manter o setor fechado para novos entrantes que tenham condições de concorrer com ela na produção e comercialização do insumo. Decididamente, a Abegás deixou de tomar seus remédios.

 

Via Varejo no saturado mercado de bancos digitais

O banco digital da Via Varejo, o banQi, vai receber aporte de R$ 300 milhões das parcerias firmadas com Mastercard e Zurich para oferecer um cartão pré-pago digital e a contratação de seguros por meio do aplicativo para a população brasileira desbancarizada, com foco nas classes C, D e E. Além disso, na parceria com a Cielo, os usuários podem pagar as compras a partir de um QR Code gerado pelas suas maquininhas de pagamento.

Para os analistas do BTG Pactual, as operações devem se beneficiar da base de clientes de 60 milhões da varejista, mas preferem manter a recomendação de “neutra” para as ações da Via Varejo até surgirem sinais mais claros de recuperação na operação. Os leigos, no entanto, ficam com a dúvida: quantos milhões de brasileiros ainda são “desbancarizados”? Já surgiram tantos bancos digitais para atendê-los, que devem existir muito poucos. A outra é: como convencer brasileiros das classes C, D e E a comprarem cartão pré-pago para realizarem futuras compra na internet?

 

Kroton sambou do Top 5 do Itaú

O Itaú BBA substituiu a Kroton pela Usiminas na carteira do seu Top 5, que busca retornos de curto e médio prazo. Como consolo, depois de uma alta de 9,3% neste ano, mantiveram as ações da empresa de ensino na carteira do Brazil Buy List. Os analistas do banco afirmam: “Continuamos gostando da tese de investimento da Kroton para médio e longo prazo”. Em relatório, o Itaú BBA afirma que está aumentando a exposição da carteira a ações com beta mais alto, ou seja, ações que tendem a ter desempenho melhor do que o Ibovespa. “Neste caso, preferimos as ações de Usiminas neste momento por apresentar um beta de 1,3, além do fato da empresa se beneficiar de uma eventual melhora da atividade doméstica.” Agora, o TOP 5, é formado por Petrobras, Bradesco, Rumo, Usiminas e Tim.

 

Inter inicia processo de formação de units

O processo do programa de emissão de certificados de depósito de ações do Banco Inter para a formação de units, será entre os dias 8 e 15 de julho. “O período de conversão de ações foi definido para permitir que o banco esteja apto a realizar, ainda nesta janela de mercado, eventual captação de recursos, via uma potencial oferta pública subsequente (follow-on), se aproveitando de um bom momento do mercado de capitais”, afirmou a empresa, em fato relevante.

 

Espanha descobre quem fez escuta ilegal

O banco espanhol BBVA contratou os serviços do grupo Cenyt, do ex-comissário de polícia José Manuel Villarejo, acusado de realizar escutas ilegais para usar as gravações para chantagear líderes políticos e empresariais e magistrados, além de membros da família real.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor