Petrobras recorrerá para venda de ativos para a Total

Acredite se puder / 11 Outubro 2017

A Petrobras informou que ainda não foi intimada de decisão judicial contra uma operação de venda de fatias na área de Iara e no campo de Lapa para a francesa Total, mas ressaltou que agirá para manter a transação. “A companhia tomará todas as medidas judiciais cabíveis para garantir seus interesses e de seus acionistas”, informou a Petrobras em comunicado, devido a notícia que a Justiça Federal de Sergipe concedeu liminar suspendendo a transação entre Petrobras e Total após uma ação popular.

Paralelamente, o Cade considerou complexa a compra pelo grupo mexicano Petrotemex da Companhia Petroquímica de Pernambuco (PSuape) e da Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco (Citepe), ativos da Petrobras. A superintendência do órgão determinou a elaboração de estudo econômico quantitativo sobre os impactos da operação sobre a concorrência, solicitou dados de concorrentes e facultou às empresas apresentarem dados sobre as eficiências geradas pela transação. A venda da Petroquímica Suape e da Citepe para a Petrotemex e sua subsidiária Dak Americas Exterior foi aprovada em 28 de dezembro pela Petrobras, por US$ 385 milhões de dólares, em um negócio que faz parte do plano de desinvestimentos e parcerias da petroleira. Como o processo foi considerado complexo, o Cade ainda poderá requerer um aumento do prazo para análise para até 330 dias, contra 240 dias.

 

Cade aprova compra da Mãe Terra pela Unilever

A Cade aprovou sem restrições a compra da empresa brasileira de produtos alimentícios orgânicos Mãe Terra pela multinacional Unilever, de acordo com despacho publicado nesta quarta-feira no Diário Oficial da União. A Superintendência-Geral do Cade avaliou que a operação, cujo valor não foi divulgado, “é incapaz de acarretar prejuízos concorrenciais no território brasileiro”.

 

Cemig negocia refinanciamento da dívida

A elétrica mineira Cemig mantém negociações com bancos no sentido de refinanciar parte de sua dívida existente, mas “ainda não tem qualquer conclusão em relação aos termos e condições que eventualmente poderão ser firmados”, disse a companhia em comunicado ao mercado nesta quarta-feira. O jornal O Estado de S. Paulo publicou mais cedo nesta quarta-feira que a Cemig teria conseguido alongar por mais cinco anos uma dívida de 3 bilhões de reais junto aos principais bancos do país.

 

Azul reduz endividamento

A companhia aérea Azul anunciou nesta quarta-feira a venda de dez aviões modelo ATR 72-600 para a Nordic Aviation Capital, em uma operação que deve reduzir a sua dívida em R$ 325 milhões. A empresa disse, em comunicado, que cinco aviões devem deixar sua frota ainda em 2017, enquanto as demais irão para a Nordic Aviation Capital no início de 2018. A venda das aeronaves já estava incluída no plano da Azul de encerrar este ano com 122 aeronaves e o próximo ano com 2018, informou a empresa. Além disso, a empresa anunciou que espera fechar este ano com um aumento entre 11% a 13% na oferta de assentos.

 

Itaúsa vai aumentar recompra de ações

Itaúsa aprova a elevação da recompra de ações para até 153,7 milhões. O volume foi ampliado em relação às 100 milhões de ações que faziam parte do programa aprovado em 7 de agosto, disse a Itaúsa em fato relevante. A recompra aprovada em reunião nesta terça inclui 103,7 milhões de ações ordinárias e 50 milhões de ações preferenciais. A diretoria apresentou proposta para elevação desses limites por entender ser no melhor interesse dos acionistas a aplicação de recursos disponíveis na recompra de ações de emissão própria.

 

Shell vende ações da Comgás

A Cosan informou, em fato relevante enviado ao mercado, que a petroleira Shell exerceu opção de venda de suas ações na Comgás, as quais serão compradas pela controladora da companhia, Cosan Limited. O valor intrínseco da transação é de R$ 1,16 bilhão por 16,77% do capital social da companhia. Na transação, a controladora Cosan Limited entregará a Shell ações que equivalem a 4,99% do capital da Cosan. Além disso, estão previstos dois pagamentos: R$ 208,7 milhões na data do fechamento da transação; e R$ 214,9 milhões um ano depois. Com a conclusão da operação, o acordo de acionistas celebrado entre a Cosan e a Shell no âmbito da Comgás será extinto.

 

Helbor fará aumento de capital

O conselho de administração da Helbor aprovou um aumento de capital de até R$ 280 milhões mediante emissão de no máximo 140 milhões de novas ações ordinárias, segundo comunicado enviado ao mercado. A operação ocorrerá mediante subscrição particular, ao preço de R$ 2 por ação, com base na média das cotações de fechamento dos papéis entre 2 de junho e 9 de outubro, sendo aplicado um deságio de 14,9%. O aumento de capital será homologada desde que sejam subscritas ao menos 105 milhões de novas ações ordinárias, o que corresponderia a um aumento mínimo de R$ 210 milhões.